Cálculos mostram perdas impressionantes das forças dos EUA no Afeganistão e Iraque
12 de novembro de 2018
Vídeo em homenagem a Sobral-CE.
12 de novembro de 2018
Spread the love

Um irmão de meu avô, chamado Gil Pereira Brandão, adorava cantar. Mesmo quando estava já velho e doente. Morou um tempo na casa de meu pai e já sem poder andar, mas que tinha ainda uma voz forte, ele cantava muitas melodias. Dentre as melodias que cantava. tinha que ele achava que retratava mais ou menos o seu momento. Dizia assim:

“Eu visto preto por luto

O branco por galhardia

O verde por esperança

De ser feliz algum dia”.

 

“Quem vive triste no mundo

Venha juntar-se comigo

Venha passar como eu paço

Venha viver como eu vivo”.

 

Meu pai me contava também que meu bisavô, por parte  da minha mãe, Manoel Torquato, que também passava dias na casa de meu pai, não gostava de barulho, se sentia incomodado e reclamava do Gil Pereira Brandão, pelo fato de cantar muito alto e muito melodioso.

Naquele tempo, os filhos e netos, cuidavam dos seus parentes idosos com muito respeito, o que não acontece com muita frequência nos dias de hoje.

Lembrando o passado, ainda aprendemos algumas lições de vida.


Spread the love
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *