Em prefeitura do PSDB, cada ovo da merenda escolar custa R$ 12,15
12 de novembro de 2018
Segredos do número 3
18 de novembro de 2018
Spread the love

327

Inteligência Artificial mais próxima de controlar a humanidade

A agência de notícias estatal chinesa, Xinhua, mostrou ao mundo seu primeira âncora de notícias robótico. É um programa baseado em inteligência artificial que assume a forma de outro apresentador real para fazer o seu trabalho. Seria este o fim dos apresentadores de telejornais?

Uma tecnologia que pode revolucionar a mídia foi apresentada durante a Conferência Mundial V sobre a Internet, na cidade chinesa de Wuzhen, e é o resultado da colaboração entre Xinhua e a empresa Sogou.

Existem poucos detalhes sobre este apresentador do futuro. Sabe-se que dois foram criados como ele. Um para o noticiário em inglês e outro para os chineses. Sua aparência – seu rosto, seus traços e gestos – são os de outros funcionários da Xinhua.

Vídeos em que estes ‘trabalhadores’ lêem a notícia na tela são de fontes que o sistema de inteligência artificial tem absorvido, graças a aprendizagem de máquina, mímica, gestos, emoções e a voz dos trabalhadores. A única coisa que o sistema precisa, depois de aprender tudo, é um texto para ler. O holograma parece tão real que é difícil perceber que não é um ser humano.

Xinhua ressalta que esta nova tecnologia permitirá preparar os noticiários mais rapidamente e reduzir custos. De fato, o robô – um holograma – não precisa preparar o texto para entrar ao vivo. Nem cometer erros ao ler ou quando dizer uma palavra. Ele também não se cansa, portanto pode trabalhar 24 horas por dia, sete dias por semana.

E, obviamente, adeus a ter que pagar salários. Os salários dos apresentadores de televisão não são desprezíveis. Para dar um exemplo, Anderson Cooper, o apresentador de televisão da CNN, ganha 100 milhões de dólares por ano.

Durante uma entrevista com Sputnik, Bi Yantao, professor do Instituto de Política e Administração Pública de Hainan (China), está convencido de que, eventualmente, haverá mais robôs substituindo as pessoas nos meios de comunicação, embora reconhecendo a limitações desta tecnologia.

Ele explica:

Apresentadores robôs de televisão (…) são uma ameaça para os trabalhadores ao longo da vida. E no futuro é mais certeza que parte de seus postos de trabalhos serão ocupados por essas máquinas. Mas, apesar do surgimento dessa tecnologia, esses robôs só cumprirão uma função secundária por um longo tempo.

Yantao argumenta, apontando os três factores a considerar na mídia se você quiser robotizar todos. O primeiro, o nível em que o mercado pode assimilar esse novo produto. O segundo, os princípios morais e legais de deixar tudo em mãos artificiais. Quem será responsável pelos problemas decorrentes do uso desses funcionários? E o terceiro: segurança pública. Como esses robôs serão controlados?

Ele acrescentou:

O que espero é que eles possam cumprir melhor um papel nos bastidores: escrever os textos, analisar os dados e prepará-los, analisar o tipo de público, gerenciar a publicidade do canal, aconselhar sobre a estratégia seguir, etc.

No entanto, as âncoras de notícias sempre têm uma qualidade que os robôs não têm: tornar as coisas bonitas. Como reconhecido pela agência Xinhua, um robô pode aprender a dar uma notícia em particular, por exemplo, de uma competição esportiva. Mas só os humanos estão prontos para produzir material documental que tenha uma certa beleza ou uma coluna editorial.

(Fonte)

Veja abaixo o robô de notícias em ação, falando em inglês (Para informações de como ativar a legenda em português do vídeo abaixo, embora ela não seja precisa e possa não funcionar em dispositivos móveis, clique aqui):

Como se não bastasse agora termos uma população com a cara grudada o tempo todo nas telas de notebooks, tablets e smartphones, num futuro próximo poderemos ter em praticamente todo o mundo narradores de notícias que de humanos não têm nada além de sua semelhança projetada na tela.

A Inteligência Artificial realmente veio para ficar, e dependerá de nós humanos nos assegurar que ela não irá controlar o destino da raça humana.

E, a propósito, tenho certeza absoluta que o canal de notícias Xinhua, do autoritário governo chines, pode ser confiado plenamente para transmitir notícias fidedignas de interesse genuíno a toda população da China através de seus robôs de inteligência artificial… só que não!  Aliás, qual canal de notícias governamental neste mundo pode ser confiado plenamente? (Esta não é uma pergunta para ser respondida; é somente uma afirmação.)

Bem que Elon Musk já vem alertando sobre este tipo de coisa há algum tempo:

n3m3

Fonte: http://ovnihoje.com/2018/11/11/inteligencia-artificial-mais-proxima-de-controlar-a-humanidade-novo-ancora-de-noticias-chines-e-um-robo/


Spread the love
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *