Com dinheiro público e ameaças, Temer vence na CCJ

Written by jpsouza. Posted in Sem categoria

Intervenção e dinheiro para emendas de parlamentares evitam que o governo seja derrotado em comissão que examina denúncia de corrupção contra Michel Temer

PATRIK CAMPOREZ E AGUIRRE TALENTO
14/07/2017 – 20h28 – Atualizado 14/07/2017 20h52
Toda festa tem um custo. A comemoração registrada pela foto abaixo, protagonizada pelos aliados do presidente Michel Temer na noite da quinta-feira (13), no plenário da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, já está orçada e com pagamento comprometido no orçamento do governo federal. Vai custar R$ 128 milhões, a ser distribuídos, não de forma igualitária, para ações recomendadas por 40 deputados. Fazem parte de uma fatia do orçamento federal, que cada parlamentar tem o direito de sugerir no que a União deve gastar. Esse dinheiro será liberado para os 40 que votaram contra a Câmara dar continuidade à denúncia na qual o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acusa o presidente Michel Temer de cometer crime de corrupção, ao receber indiretamente R$ 500 mil do grupo J&F. Votaram para salvar Temer. A cruzada do presidente para manter-se no poder custa – e os brasileiros pagam.
Deputados comemoram vitória do governo na CCJ (Foto: ANDRE COELHO / Agencia O Globo)
Com esse artifício, em três dias na semana passada o governo Temer virou um jogo que esteve perdido do ponto de vista político. Na segunda-feira (10), o deputado Sergio Zveiter, do PMDB de Temer, leu um relatório contundente, no qual recomendava voto favorável à tramitação da denúncia contra Temer. “Impedir o avanço das investigações e seu devido julgamento seria ampliar perigosamente o abismo entre a sociedade e as instituições”, disse. A oposição chegou a contar 40 votos favoráveis ao ponto de vista de Zveiter. Sem qualquer discrição ou pudor, o Palácio do Planalto interveio. Pressionou, e os líderes de partidos aliados trocaram 13 integrantes da comissão que votariam contra Temer. “Dois anos e meio nessa comissão como titular e aí eu tomo consciência pela imprensa de que eu não presto. Eu não vendo meu voto”, disse o deputado Delegado Waldir, do PR de Goiás. “Eu sei que houve um caminhão de liberação de emendas. Não é assim que se faz um governo.” >> A articulação de Maia Só nos 13 primeiros dias de julho, o governo se comprometeu a gastar R$ 1,9 bilhão com emendas, segundo os dados do Siafi, o sistema de contabilidade do governo federal. É uma explosão de gastança sem precedentes no ano. De janeiro a maio, o governo havia empenhado apenas R$ 102,5 milhões nas emendas de deputados e senadores. Em junho, o valor explodiu para exorbitante R$ 1,8 bilhão. Era muito, mas pouco perto do que viria em julho. >> Deputado denuncia manobras do Planalto para ter seu apoio contra acusação da PGR Lido no dia 10, o relatório de Zveiter acelerou o ritmo do caixa num governo que luta para não romper a meta de não ter um déficit maior de R$ 139 bilhões. Só nos dias 12 e 13 de julho, respectivamente a véspera e o dia da votação, foram empenhados R$ 19 milhões a esse mesmo grupo de parlamentares, que retribuíram os pagamentos com os votos favoráveis na comissão. Na quarta-feira (12), o discreto deputado Paulo Maluf, do PP de São Paulo, discursou por Temer. “Conheço Temer há 35 anos e em 35 anos de convivência não dá para a gente se enganar: Temer é um homem honesto, probo, correto e decente que está sendo acusado de maneira absolutamente imprópria”, declarou Maluf, condenado na França e no Brasil por lavagem de dinheiro. Até o dia 13, o governo havia empenhado R$ 4 milhões para emendas de Maluf. Dinheiro para emendas é uma injeção de fidelidade política na veia. Cientes disso, por volta das 16h15 da quinta-feira (13), dois dos principais articuladores do governo, os deputados Pauderney Avelino (DEM-AM) e Beto Mansur (PRB-SP), sorriam e circulavam no plenário da comissão uma lista com a contabilidade dos parlamentares que votariam a favor do presidente Michel Temer. O clima era de tranquilidade, ânimos serenos, um contraste flagrante em relação às sessões anteriores, quando as discussões entre aliados do governo e oposição atingiram os decibéis de um pancadão. O relatório de Zveiter foi rejeitado por 40 votos a 25. >> Ruth de Aquino: Temer e Lula, os irmãos camaradas Ato imediato, a turma do governo apresentou um relatório do deputado tucano Paulo Abi-Ackel, que defendia o contrário: a rejeição da denúncia contra Temer. “De onde extraiu o eminente procurador-geral da República, doutor Rodrigo Janot, a convicção que ligue, envolva, inclua o presidente Michel Temer no recebimento, pelo senhor Rocha Loures, da importância de R$ 500 mil, por ordem de Joesley Batista?”, disse Abi-Ackel. “A denúncia é unicamente baseada em uma suposição.” Dias antes, o governo agraciara Abi-Ackel com R$ 5 milhões para suas emendas, com recursos dos ministérios das Cidades, Esportes, Agricultura e do Fundo Nacional de Saúde. O relatório foi aprovado com tranquilidade. O governo gastou os tubos em capital financeiro e político para alcançar uma vitória de pouco efeito prático, já que a decisão final sobre a denúncia contra Temer caberá ao plenário. O esforço foi feito para evitar uma derrota de forte simbolismo, que poderia contaminar o esforço futuro para angariar 172 votos no plenário contra a denúncia. Mas as fragilidades ficaram expostas. Temer investiu em conversas diretas com três líderes partidários importantes quando a política precisa daquelas negociações mais diretas. Conversou pessoalmente com o ministro Gilberto Kassab, do PSD, o senador Ciro Nogueira, do PP – dois investigados pela Lava Jato –, e o ex-deputado Valdemar Costa Neto, controlador do PR e condenado no mensalão. Após a conversa, os três partidos obrigaram seus deputados a votar por Temer. Nos próximos dias, no entanto, o trio vai apanhar da Lava Jato, o que pode prejudicar sua capacidade de controlar suas bancadas. >> Maia acha que Temer “já caiu” Contudo, o governo não conseguiu seu objetivo maior, que era fazer a Câmara votar a denúncia na semana passada, antes do recesso. Na noite de quinta-feira, após o encerramento da sessão na comissão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, reuniu-se com líderes partidários e combinou que a votação da denúncia contra Temer no plenário ocorrerá em 2 de agosto, após o recesso parlamentar. A votação será nominal e aberta – cada parlamentar terá de ir ao microfone declarar seu voto. Será necessário um número mínimo de 342 deputados para que a sessão ocorra. A oposição trabalha para que a sessão ocorra com quórum máximo, o que é ruim para Temer. Levantamento feito por ÉPOCA mostra que mais de 330 deputados já se comprometem a comparecer. Até agosto, Temer estará exposto às intempéries de deputados sendo cobrados em suas bases a votar contra um presidente impopular. Estará exposto às conversas de seu antigo aliado, o ex-deputado Eduardo Cunha, e seu operador financeiro, Lúcio Funaro, com a turma da Lava Jato, além do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do ex-assessor Rodrigo Rocha Loures. Esses não há emenda que alcance.
      O cofre foi escancarado (Foto: Época)    

Trackback from your site.