Licença de barragem em Brumadinho é anterior ao governo Pimentel, esclarece Odair Cunha
6 de fevereiro de 2019
7 de fevereiro de 2019
JacintoPereira.com

  • A crescente corrida armamentista naval EUA-China pressiona Pequim a reconsiderar sua política nuclear de longa data, dizem analistas
  • Mas uma fonte disse que, ao contrário dos EUA, a China é incapaz de lançar um ataque preventivo e, portanto, tem pouca escolha a não ser manter a política de “não usar primeiro”.
A China pode estar sob pressão para reconsiderar sua antiga política nuclear de “não usar primeiro” ao se engajar em uma corrida armamentista marítima com os Estados Unidos, alertaram analistas.
A competição nuclear está se formando entre os dois países, à medida que a China ganha no desenvolvimento de armas e Washington tenta limitar o crescimento militar de Pequim no Mar da China Meridional.
Os Estados Unidos ainda estão décadas à frente no desenvolvimento de armas nucleares, mas um teste bem-sucedido no último ano do novo míssil balístico lançado pela China, o JL-3, é motivo de preocupação em Washington.
O teste sinaliza que a China está avançando com uma nova classe de submarinos estratégicos chamados SSBNs, navios que poderiam ser equipados com JL-3 com armas nucleares e que seriam mais difíceis de detectar do que as convencionais armas nucleares baseadas em terra. Em um sinal dessa crescente preocupação, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse em outubro que sua decisão de se retirar de um acordo atômico de décadas com a Rússia foi motivada pela necessidade de responder à questão nuclear da China.
O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, também enfatizou que a Marinha dos EUA “continuará a voar, navegar e operar onde quer que a lei internacional permita” no Mar da China Meridional – observações feitas por Pequim como voltadas para a China.
De acordo com Zhao Tong, membro do Programa de Política Nuclear de Carnegie, baseado no Centro Carnegie-Tsinghua de Política Global, os EUA e seus aliados estão intensificando sua guerra antissubmarina no Mar do Sul da China e no Oceano Índico.
Em um relatório no final do ano passado, Zhao disse que isso aumentava a desconfiança entre os dois países e levantava a possibilidade de que Pequim repensasse a política de “não usar primeiro” armas nucleares, que está em vigor desde o primeiro teste nuclear chinês em 1964.
Em um relatório separado, a Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China disse que Pequim estava buscando expandir seus sistemas de entrega nuclear, desencadeando um debate na China sobre se suas armas nucleares deveriam ser usadas apenas como um impedimento e não como um ” primeiro ataque ”.
Os Estados Unidos e a China são capazes de fornecer armas nucleares através de três sistemas: mísseis nucleares lançados por terra, submarinos nucleares armados com mísseis e aeronaves estratégicas com bombas nucleares e mísseis.
A série JL, ou Julang, de mísseis para submarinos de propulsão nuclear faz parte de uma estratégia do Exército de Libertação do Povo para estender ainda mais as capacidades de retaliação nuclear do país de terra para o mar.
Mas a China está atrás dos EUA nessas áreas em décadas, uma lacuna tecnológica que significa que Pequim só pode agora trabalhar em sua capacidade de retaliar, ou opções de “segunda greve”.
Uma fonte militar disse que, ao contrário dos EUA, a China era incapaz de lançar um ataque preventivo e, portanto, tinha pouca escolha a não ser manter sua política de “não usar primeiro”.
O especialista militar de Hong Kong, Song Zhongping, disse que a capacidade nuclear da China também está bem atrás da Rússia. Os EUA e a Rússia combinados têm mais de 90% das armas nucleares do mundo.
“A China precisa fortalecer e melhorar sua capacidade de dissuasão nuclear no mar, aumentando a qualidade e a quantidade de seus SSBNs e subs de ataque, porque os EUA estão fazendo todos os esforços para restringir os subs estratégicos chineses de continuar navegando”, disse Song.
Ele disse que as medidas dos Estados Unidos “visam minar a capacidade de segunda greve de Pequim”, acrescentando que a decisão de Pequim de desenvolver mais submarinos nucleares “também foi impulsionada pela substituição massiva da velha geração [mísseis balísticos lançados por submarinos]”.
Observadores disseram que o teste de voo bem sucedido da marinha chinesa com o míssil JL-3 no Mar Amarelo, no final de novembro, encorajou a Marinha do ELP a continuar desenvolvendo a nova geração de submarinos estratégicos conhecidos como Tipo 096.
O JL-3 foi projetado para ser carregado e lançado pelo Tipo 096, que são submarinos de ataque que são mais difíceis de detectar do que lançadores de mísseis terrestres e podem se mover furtivamente perto das águas inimigas.
O míssil é baseado no míssil balístico intercontinental DF-41 terrestre do PLA Rocket Force, que tem um alcance de vôo de 12.000 km (7.456 milhas) e poderia atingir qualquer alvo dos EUA dentro de uma hora.
E enquanto o novo míssil tem alcance de vôo de cerca de 9 mil quilômetros, especialistas militares chineses dizem que ele pode ser estendido para 12 mil quilômetros quando totalmente desenvolvido, colocando-o em pé de igualdade com os equivalentes americano e russo.
E parece haver vontade política para desenvolver a tecnologia.
Uma autoridade naval aposentada disse que a Comissão Militar Central, que é presidida pelo presidente Xi Jinping e supervisiona as forças armadas, reservou uma enorme soma de dinheiro para modernizar e substituir as armas navais da China, particularmente sua frota de SSBN.
“O financiamento não é um problema – a Marinha tem tanto dinheiro para queimar”, disse o ex-comandante do navio de guerra, falando sob condição de anonimato.
O comandante disse que a China espera reduzir sua diferença tecnológica com os EUA em SSBNs de 30 anos para cerca de 10 anos até 2025, quando a próxima geração desses submarinos e de mísseis balísticos lançados por submarinos se unirão à marinha.
Os submarinos de mísseis balísticos movidos a energia nuclear e os porta-aviões eram as “duas armas estratégicas mais poderosas e avançadas que a China deveria conseguir para desenvolver”, disse o comandante, acrescentando que a construção do Tipo 096 já está em andamento. .
A PLA Navy tem até agora quatro submarinos de mísseis balísticos tipo 094 com propulsão nuclear, cada um equipado com 16 mísseis JL-2 para patrulhamento subaquático de rotina – equivalente ao componente de mísseis de seus equivalentes ocidentais. Mas especialistas militares disseram que os quatro submarinos do Tipo 094 da China não protegem adequadamente a segurança nacional do país.
Enquanto isso, a Marinha dos EUA tem 18 submarinos movidos a energia nuclear de Ohio, com 14 capazes de transportar até 24 poderosos mísseis Trident I. Mas a América também está desenvolvendo seus submarinos de última geração da classe Columbia, que transportarão 16 de seus mais avançados mísseis Trident II.
Antony Wong Dong, um observador militar de Macau, disse que as deficiências e o número limitado de armas nucleares baseadas na China restringiram a capacidade militar da China durante as patrulhas em tempo de paz.
“O JL-2 é um míssil de ogiva única, enquanto o Type 094 é bem conhecido por seu ruído e é fácil de detectar”, disse Wong. “É por isso que a China precisa desenvolver o JL-3, que deve transportar múltiplas ogivas com um alcance maior”.
Song disse que os projetos de porta-aviões da China acelerariam seu acúmulo de submarinos nucleares, já que submarinos eram necessários para fornecer proteção subaquática para as flotilhas.
A China planeja construir pelo menos quatro grupos de batalha de porta-aviões até 2035 para atingir sua meta de ter uma força marítima capaz de operar em águas profundas de oceanos abertos e defender os interesses internacionais em expansão do país. No ano passado, lançou dois porta-aviões e iniciou a construção de seu porta-aviões de última geração, o Type 002.
A China pode estar sob pressão para reconsiderar sua antiga política nuclear de “não usar primeiro” ao se engajar em uma corrida armamentista marítima com os Estados Unidos, alertaram analistas.
A competição nuclear está se formando entre os dois países, à medida que a China ganha no desenvolvimento de armas e Washington tenta limitar o crescimento militar de Pequim no Mar da China Meridional.
Os Estados Unidos ainda estão décadas à frente no desenvolvimento de armas nucleares, mas um teste bem-sucedido no último ano do novo míssil balístico lançado pela China, o JL-3, é motivo de preocupação em Washington.
O teste sinaliza que a China está avançando com uma nova classe de submarinos estratégicos chamados SSBNs, navios que poderiam ser equipados com JL-3 com armas nucleares e que seriam mais difíceis de detectar do que as convencionais armas nucleares bA China pode estar sob pressão para reconsiderar sua antiga política nuclear de “não usar primeiro” ao se engajar em uma corrida armamentista marítima com os Estados Unidos, alertaram analistas.
A competição nuclear está se formando entre os dois países, à medida que a China ganha no desenvolvimento de armas e Washington tenta limitar o crescimento militar de Pequim no Mar da China Meridional.
Os Estados Unidos ainda estão décadas à frente no desenvolvimento de armas nucleares, mas um teste bem-sucedido no último ano do novo míssil balístico lançado pela China, o JL-3, é motivo de preocupação em Washington.
O teste sinaliza que a China está avançando com uma nova classe de submarinos estratégicos chamados SSBNs, navios que poderiam ser equipados com JL-3 com armas nucleares e que seriam mais difíceis de detectar do que as convencionais armas nucleares baseadas em terra.aseadas em terra. ee
Collin Koh, pesquisador da Escola de Estudos Internacionais de S. Rajaratnam, da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura, disse que a China pode estar tentando aumentar sua capacidade de dissuasão no mar, desenvolvendo uma série de armas para aumentar sua capacidade de ataque ofensivo.
Mas o esforço de Pequim para desenvolver lançadores terrestres precisos, ICBMs de combustível sólido e planadores hipersônicos aumentaria a corrida armamentista entre Pequim, Washington e outros países da região, ele alertou.
“Em vários cenários de conflitos regionais, talvez tenhamos que levar em conta não apenas o papel da Marinha dos EUA no combate à ameaça chinesa das SSBN, mas também os possíveis papéis desempenhados por outros aliados e parceiros dos EUA”, disse ele.
Vários parceiros dos EUA “construíram capacidades significativas [de guerra anti-submarino] em toda a região”, disse ele.
Reportagem adicional de Guo Rui
 
Este artigo apareceu na edição impressa do South China Morning Post como: China pode repensar “sem primeira utilização” da política nuclear, dizem analistas

JacintoPereira.com
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.