As perspectivas de paz diminuem enquanto a Ucrânia tenta arrastar os EUA e a OTAN para seu confronto com a Rússia
6 de abril de 2021
EUA e OTAN e seus preparativos contra a Rússia
6 de abril de 2021

A escalada no Donbass

Kiev lidera nova escalada de violência em Donbass e na Crimeia

Por Lucas Leiroz de Almeida

Mais uma vez, Kiev está liderando uma nova escalada de violência na fronteira russa. Nos últimos dias, as repúblicas autônomas de Donbass sofreram violações do acordo de cessar-fogo por parte das forças ucranianas, o que aumentou as tensões e preocupou especialistas sobre a possibilidade de um retorno ao status de guerra antes das conferências de Minsk. Para piorar as coisas, Washington está agindo de forma provocativa, afirmando total apoio a Kiev e solidariedade aos agressores no conflito.

Joe Biden e o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, tiveram na última sexta-feira, 2 de abril, sua primeira conversa telefônica desde a posse do líder americano. Na ocasião, os líderes discutiram diversos temas, inclusive as tensões na fronteira com a Rússia. Biden e Zelensky concordaram que o que está acontecendo no leste da Ucrânia é uma “agressão russa” e que deve ser contida pelos esforços mútuos de seus dois países. Em um comunicado após a conversa, um porta-voz da Casa Branca disse: “O presidente Biden afirmou o apoio inabalável dos Estados Unidos à soberania e integridade territorial da Ucrânia em face da agressão em curso da Rússia no Donbass e na Crimeia”.

A conversa entre os presidentes americano e ucraniano ocorre em um momento particularmente difícil, coincidindo com uma nova escalada de violência na região de Donbass. Na verdade, a Ucrânia nunca cumpriu rigorosamente os termos dos acordos de Minsk, que impuseram um cessar-fogo à guerra, mas tem agido de forma consistente de forma agressiva e destrutiva, com ataques, prisões ilegais e assassinatos. Mesmo assim, após a ascensão de Biden – conhecendo a posição mais intervencionista do novo presidente americano – Kiev passou a investir ainda mais na pressão militar nas regiões fronteiriças com a Rússia, não só no Donbass, mas também na região da Crimeia e outras áreas próximas à Rússia. Kiev gradualmente mostra interesse em fazer de toda a sua fronteira com a Rússia uma zona de ocupação da OTAN.

Provocação EUA-OTAN na Ucrânia para impedir o oleoduto Nord Stream 2 da Rússia

Em fevereiro, o ministro ucraniano da Infraestrutura, Vladislav Krikliy, pediu à aliança militar ocidental para monitorar o espaço aéreo na fronteira com a Rússia. No início de abril, o porta-voz do governo russo Dmitry Peskov denunciou o aumento exponencial de militares dos EUA na fronteira russo-ucraniana, alertando para os perigos das ações da OTAN na região, o que foi respondido por Lloyd Austin, líder do Pentágono, com uma declaração de American apoio a Kiev face às “agressões russas” – jargão extremamente repetido por americanos e ucranianos, mas totalmente infundado. Na ocasião, Peskov alertou que Moscou tomará todas as medidas necessárias para defender as fronteiras russas, o que foi visto posteriormente com um grande deslocamento de tropas russas para as zonas de conflito no Donbass e na Crimeia. Segundo dados da inteligência americana, cerca de 4.000 soldados russos foram destacados para essas regiões, o que gerou reações negativas por parte da OTAN. Moscou declarou que essas ações militares são normais e não devem ser motivo de preocupação.

É curioso notar como a Ucrânia promoveu um aumento da violência, mas é incapaz de lidar com as consequências de suas próprias ações. Neste sábado, um soldado ucraniano foi morto e outros ficaram feridos na explosão de uma mina terrestre em Donbass. Kiev usa casos como este para endossar a retórica da agressão russa e pedir apoio à OTAN, mas, na verdade, a Rússia ainda não está diretamente envolvida no Donbass, apenas fornecendo apoio logístico às milícias populares da região. Os movimentos recentes das tropas não tiveram resultados militares eficazes – eles apenas colocaram os soldados russos de prontidão em face das ameaças.

Toda a região da fronteira russa está repleta de tensões e conflitos e isso não vai parar tão cedo. O caminho correto a ser seguido é a abdicação coletiva da violência e a resolução por via diplomática.

Na verdade, Kiev não tem capacidade para lidar com o conflito, nem mesmo enfrentando apenas milícias populares, mas em seu extremismo ideológico anti-russo, o governo prefere arriscar a vida de seus próprios soldados investindo em uma escalada de violência para para justificar uma intervenção da OTAN com base numa alegada “agressão russa” – quando o agressor é precisamente Kiev. É importante enfatizar a convicção do governo ucraniano de que, de fato, a OTAN intervirá a favor das forças de Kiev, já que as disputas locais no leste da Ucrânia eram tão importantes que Washington arriscava um confronto direto com os interesses russos na região. Isso é algo que parece irrealista mesmo para um presidente comprometido ideologicamente como Joe Biden – ele certamente pode intervir na região de alguma forma para ajudar a Ucrânia, mas não vai acontecer da maneira que Kiev aparentemente espera.

InfoBrics.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 12 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.