Tensão aumenta entre Egito e Etópia
21 de julho de 2020
Sonambulismo dos EUA em direção ao confronto com a China?
21 de julho de 2020

A guerra não declarada contra o Irã

By Paul R. Pillar

Responsible Statecraft 21 Julho 2020

Uma série de ataques violentos, envolvendo explosões e incêndios, atingiu o Irã. Os incidentes foram muito frequentes e intensos para serem acidentes aleatórios. Eles fazem parte de um esforço organizado.

É sempre aconselhável atribuir a responsabilidade por tais atos não reclamados, especialmente para todos nós fora dos canais do governo que possuam informações melhores sobre o que está acontecendo. Mas as circunstâncias apontam fortemente, como refletem algumas reportagens da imprensa, para um ou ambos os suspeitos: o governo Netanyahu em Israel e o governo Trump nos Estados Unidos.

Ambos os suspeitos têm antecedentes que apontam da mesma maneira. O ato relevante mais visível do governo Trump foi o assassinato em janeiro, com um míssil disparado por drone no aeroporto de Bagdá, de Qassem Soleimani, uma das figuras políticas e militares mais importantes do Irã. O registro israelense de atos agressivos contra o Irã incluiu uma série de assassinatos de cientistas nucleares iranianos. Esses assassinatos fizeram parte de uma campanha israelense de assassinatos maior e duradoura em todo o Oriente Médio. Essa campanha, por sua vez, faz parte de um registro israelense ainda maior de atos em toda a região – incluindo, nos últimos dois anos, dezenas de ataques aéreos na Síria.

Nem o governo de Israel nem o governo Trump declararam formalmente guerra contra o Irã, mas a retórica de cada um parou apenas um pouco antes dessa declaração. O governo Trump deixou clara sua intenção de infligir o máximo de dor possível ao Irã, incluindo, entre outras, sanções econômicas. A volórica retórica do governo Netanyahu sobre o Irã tem sido tão hostil quanto o que saiu de Washington, ou como o que veio na direção oposta a Teerã.

Não se engane sobre o que está acontecendo. Este não é um conjunto de ações “aquém da guerra”, como alguns diriam. É guerra. Certamente devemos nos preocupar com a escalada do conflito em algo tão grande que todos chamariam de guerra. Mas isso não torna o que já aconteceu menos do que atos de guerra.

A este respeito, não se deixe enganar pela subestimação do regime iraniano pelos recentes ataques e pela sua restrição – até agora – em relação à retaliação. Uma data marcada nos calendários dos formuladores de políticas iranianos é 20 de janeiro de 2021. Os iranianos podem ler as pesquisas americanas, e o fio dominante no momento no pensamento iraniano sobre política de segurança é resistir até que haja uma mudança de regime em Washington. Os líderes iranianos não querem ser sugados para o tipo de surpresa de outubro – ou julho – que geraria um efeito de manifestação na América e poderia resgatar as chances de reeleição de Donald Trump, apesar de perceberem que a restrição risco de fazê-los parecer fracos.

Não há justificativa para a guerra

Embora a guerra atual não tenha sido formalmente declarada, ela deve ser avaliada pelos mesmos padrões de uma que foi. De acordo com o direito internacional e a Carta das Nações Unidas, a guerra seria justificada apenas em legítima defesa, como uma resposta ou, possivelmente, a antecipação de um ataque na outra direção. Essa não é a circunstância atual com o Irã. Não há sinal de que o Irã esteja prestes a atacar Israel ou os Estados Unidos. Dado que o Irã seria irremediavelmente superado militarmente contra qualquer um desses inimigos, seria tolice os líderes iranianos contemplarem esse ataque.

A autodefesa também não entra em ação quando se considera procuradores ou outros meios assimétricos pelos quais o Irã pode querer impor sua vontade. Um aspecto saliente da grande quantidade de material bélico que Israel tem voado através da fronteira e atingido alvos na Síria – muitos desses alvos supostamente conectados ao aliado da Síria no Irã – é como quase não houve material bélico atravessando a fronteira na outra direção. , além de um ou dois mísseis de defesa aérea.

A fraqueza de qualquer caso dos EUA com base em legítima defesa foi ressaltada pelas justificativas oficiais confusas para o assassinato de Soleimani. Sugestões publicamente divulgadas sobre a prevenção de um ataque iraniano supostamente iminente nunca levaram a nenhuma evidência para esse efeito. No final, a lógica do governo dos EUA se baseou principalmente no papel passado de Soleimani no apoio às operações das milícias iraquianas que sofreram baixas americanas durante os combates no Iraque. Essa luta foi resultado direto de uma guerra ofensiva – um ato de agressão – que os Estados Unidos lançaram em 2003.

O programa nuclear do Irã tem sido foco de atenção nos últimos anos, e um dos mais divulgados ataques recentes ao Irã foi na instalação nuclear de Natanz. Mas o acordo multilateral conhecido como Plano de Ação Conjunto Conjunto, que impôs severas restrições ao programa iraniano, fez um trabalho muito melhor em manter uma possível arma nuclear iraniana fora do alcance do que qualquer coisa que o governo Trump tenha feito desde que renegou o acordo. anos atrás, após o qual o Irã acelerou sua atividade nuclear. Como observa Mark Fitzpatrick, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, o JCPOA fez um trabalho melhor nesse sentido do que ataques como o de Natanz.

Os ataques também não fazem nada para impedir ações iranianas agressivas ou indesejáveis. A dissuasão requer condicionalidade: a dor é infligida após o mau comportamento e evitada após o bom comportamento. Mas os governos dos EUA e de Israel parecem determinados a infligir dor, não importa o que o Irã faça – como ressaltado pela renúncia do governo Trump ao JCPOA e pelo lançamento de sua campanha de “pressão máxima”, mesmo que o Irã estivesse cumprindo plenamente suas obrigações sob o acordo. O Irã está recebendo incentivo apenas para retaliar, para não se comportar bem.

A retaliação eventual, apesar da relativa restrição de Teerã até agora, é um dos riscos da atual guerra não declarada. A escalada para algo maior e mais destrutivo é outro risco. Mesmo sem essa escalada, a campanha atual se estende indefinidamente por uma das frentes da “guerra eterna” dos EUA no Oriente Médio.

Tampouco é bom sair dos ataques em termos de enfraquecer o Irã ou mudar um equilíbrio regional de poder a favor dos EUA. Em vez disso, fortalece as razões do Irã para encontrar apoio e, ao fazê-lo, promover a influência de pessoas como Rússia e China.

Objetivos israelenses

Na medida em que o governo Trump apóie, feche os olhos ou conserte com os ataques israelenses ao Irã, isso é uma má notícia para os interesses dos EUA. Os interesses dos EUA são diferentes dos de Israel e ainda mais diferentes dos do atual governo liderado por Netanyahu.

Esse governo tem interesse em perpetuar a alta tensão com o Irã para manter o Irã como um noé culpado por todos os males do Oriente Médio, impedir qualquer aproximação entre Washington e Teerã, promover as relações israelenses com os países árabes do Golfo e distrair atenção de questões que trazem escrutínio internacional e críticas a Israel. No momento, os incentivos de Netanyahu a esse respeito estão mais fortes do que nunca, o que pode ajudar a explicar o momento da recente onda de ataques. O valor de distração de alimentar o conflito com o Irã aumentou à medida que Netanyahu contempla a anexação formal de partes da Cisjordânia e a condenação internacional que virá com ele.

Netanyahu também, como os iranianos, está ciente do calendário eleitoral dos EUA e das pesquisas de opinião americanas. Ele pode ver os próximos meses como um tempo ideal e limitado para agitar o pote regional ainda mais do que Israel no passado, enquanto seu amigo Donald Trump ainda está no poder. Na medida em que a agitação ajuda as chances de reeleição de seu amigo, tanto melhor do ponto de vista dele.

É improvável que Netanyahu se preocupe com a escalada para uma guerra maior, o que serviria a seus propósitos ainda mais dramaticamente. Levar o Irã a retaliar de uma maneira que desencadearia tal guerra pode ter sido um dos objetivos dos recentes ataques. E não seria tarefa de Netanyahu contar as baixas americanas subsequentes.

*

Imagem em destaque: O presidente Donald J. Trump e o vice-presidente Mike Pence participam de uma reunião bilateral expandida com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu na segunda-feira, 27 de janeiro de 2020, no Salão Oval da Casa Branca. (Foto oficial da Casa Branca por D. Myles Cullen)

Responsible Statecraft

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro + 7 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.