China assina acordo militar com o Irã sob plano secreto de 25 anos
8 de julho de 2020
Guerra civil Líbia
8 de julho de 2020

Caso Soleimani

Investigação da ONU considera que a morte de Soleimani nos EUA é “ilegal”, pois não havia “evidências” de ameaça iminente

Zero Hedge

8  de julho de 2020

As Nações Unidas divulgaram os resultados de uma investigação sobre o ataque de drones dos EUA no dia 3 de janeiro ao principal general do IRGC do Irã, Qasem Soleimani, chamando o assassinato de “ilegal” na terça-feira.

O relatório de Agnes Callamard, relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, concluiu ainda que violava a Carta da ONU e a considerava uma “matança arbitrária” – especialmente porque, segundo suas descobertas, não há evidências de que Soleimani planejasse ataque iminente aos Estados Unidos ou seu pessoal.

Nos dias e semanas após o assassinato direcionado que colocou a região em pé de guerra e que chocou o mundo, o governo Trump e especialmente a liderança de Mike Pompeo e do Pentágono citaram precisamente que soldados dos EUA no Oriente Médio estavam enfrentando ataques “iminentes” sob ordens do general Soleimani.

O relatório da ONU destacou que nunca antes um país membro reivindicou “direito de autodefesa” como justificativa para matar um funcionário do estado em um país terceiro.

Alguns dos destaques do relatório da ONU, que serão apresentados antes de uma sessão de Direitos Humanos da ONU (um órgão da ONU que os EUA retiraram há dois anos) na quinta-feira, são os seguintes:

Matança arbitrária:

“À luz das evidências que os EUA forneceram até o momento, os alvos do general Soleimani e a morte dos que o acompanham constituem um assassinato arbitrário pelo qual, segundo o IHRL (direito internacional dos direitos humanos), os EUA são responsáveis”.

Carta da ONU violada, dado que havia:

“Evidência insuficiente fornecida de um ataque em curso ou iminente”, escreveu Callamard.

Nenhuma evidência de ataque iminente conspirou nos EUA:

“Nenhuma evidência foi fornecida de que o general Soleimani planejava especificamente um ataque iminente contra os interesses dos EUA, particularmente no Iraque, para o qual era necessária ação imediata e teria sido justificada”.

Greve “desnecessário” e “ilegal”:

“Nenhuma evidência foi fornecida de que um ataque por drone em um país terceiro fosse necessário ou que o dano causado a esse país fosse proporcional ao dano supostamente evitado.

“Soleimani estava encarregado da estratégia militar e ações do Irã, na Síria e no Iraque. Mas, na ausência de uma ameaça iminente à vida, o curso de ação adotado pelos EUA era ilegal. ”

* * *

Certamente, quaisquer recomendações punitivas em potencial contra Washington serão apenas meramente simbólicas. O Irã, no entanto, fará muito disso em sua mídia, bem como em qualquer potencial processo judicial internacional ilegal contra os EUA e os tomadores de decisão no governo Trump. Teerã já exigiu uma compensação massiva pelo assassinato dos EUA.

Os EUA questionaram desde o início que Soleimani seja considerado por muitos países europeus como um “oficial do estado”. Washington considerou que ele e a elite da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) eram terroristas e, portanto, alvos legítimos da ação militar dos EUA.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.