China e EUA vivem tenso impasse militar e relações bilaterais entram em fase complexa

José Reinaldo

China busca estabilidade enquanto responde com firmeza às provocações dos EUA, escreve o jornal Global Times

(Foto: REUTERS/Aly Song)

Global Times Encontros recentes entre autoridades chinesas e americanas contrastam com as ações de retaliação e troca de farpas entre os dois países sobre o Estreito de Taiwan e o Mar do Sul da China, destacando o fato de que China e Estados Unidos entraram em uma fase mais complexa do jogo. Enquanto a China está disposta a estabilizar as relações bilaterais e aberta a possíveis cooperações, também irá reagir firmemente às provocações dos Estados Unidos. Na segunda-feira (5), o vice-ministro das Relações Exteriores da China, Ma Zhaoxu, tem um encontro agendado com o secretário assistente de Estado dos EUA para Assuntos do Leste Asiático e do Pacífico, Daniel Kritenbrink, que está em visita. Sarah Beran, oficial de segurança nacional dos EUA, acompanhará Kritenbrink para “discutir questões-chave na relação bilateral” com o lado chinês, conforme declaração do Departamento de Estado dos EUA divulgada no sábado.

A viagem de Kritenbrink ocorre após o encontro em meados de maio entre o principal diplomata chinês Wang Yi e o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, em Viena, e a visita do ministro do Comércio da China, Wang Wentao, a Washington no final de maio. Enquanto China e Estados Unidos estão buscando reengajamento diplomático, os Estados Unidos continua provocando a China, levantando questionamentos sobre sua sinceridade em melhorar as relações, de acordo com analistas. Provocações militares. Apesar do Diálogo de Shangri-La, onde China e Estados Unidos trocaram farpas, ter sido concluído, a guerra de palavras provocada pelas ações dos Estados Unidos no Mar do Sul da China e no Estreito de Taiwan continuou na segunda-feira. Foram os Estados Unidos que começaram a causar problemas e fazer provocações, e a China respondeu com medidas em conformidade com as leis e regulamentos, disse Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, em uma coletiva de imprensa regular na segunda-feira. As declarações de Wang vieram enquanto os Estados Unidos continuavam a exagerar a forma como o Exército de Libertação do Povo da China (PLA) lidou com os navios de guerra dos Estados Unidos e do Canadá quando estes fizeram um trânsito provocativo pelo Estreito de Taiwan no sábado. O coronel sênior Shi Yi, porta-voz do Comando do Teatro Oriental do PLA, disse em comunicado que o Comando do Teatro Oriental do PLA organizou forças navais e aéreas para rastrear e monitorar os navios durante todo o percurso e lidou com a situação de acordo com a lei e regulamentos.

Segundo uma declaração divulgada pelo Comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos após as declarações de Shi, o destróier de mísseis guiados Tipo 052D Suzhou da Marinha do PLA realizou manobras nas proximidades do destróier dos Estados Unidos USS Chung-Hoon enquanto este fazia o trânsito no Estreito de Taiwan, conforme noticiado pelo site do Instituto Naval dos Estados Unidos no domingo. A declaração dos Estados Unidos foi acompanhada de um vídeo, mostrando o navio chinês ultrapassando o navio americano pelo lado do porto e cruzando sua proa. “As medidas militares chinesas são completamente razoáveis, legais, seguras e profissionais. Os Estados Unidos é que devem refletir profundamente sobre si mesmos e corrigir seus atos errados”, disse Wang. A manobra do destróier do PLA lembrou os observadores de outro incidente recente, no qual um caça J-16 da Força Aérea do PLA interceptou um avião de reconhecimento RC-135 dos Estados Unidos enquanto este tentava espionar o grupo de porta-aviões Shandong da Marinha do PLA durante um treinamento de rotina no Mar do Sul da China em 26 de maio.

Se os Estados Unidos e outros países ocidentais continuarem com provocações semelhantes, as contramedidas correspondentes do PLA se tornarão mais frequentes, porque a China é inequívoca na defesa de sua soberania nacional, segurança e interesses de desenvolvimento, afirmou Song Zhongping, especialista militar chinês e comentarista de TV, ao Global Times na segunda-feira. Essas contramedidas também são impulsionadas pelo rápido desenvolvimento do PLA em armamentos e equipamentos, bem como no treinamento de pessoal de alta qualidade, acrescentou Song.

Os Estados Unidos temem acidentes de colisão ou queda e estão tentando atribuir a culpa à China, mas, desde que os Estados Unidos continuem fazendo provocações, o risco de tal incidente certamente aumentará, alertou Song. Em 1º de abril de 2001, um caça J-8II do PLA colidiu com um avião espião EP-3 dos Estados Unidos em uma missão de interceptação, enquanto este realizava uma operação de reconhecimento próximo à China no Mar do Sul da China, acima da zona econômica exclusiva da China, a sudeste da Ilha de Hainan, causando a morte do piloto chinês Wang Wei e resultando em um abalo nas relações entre China e Estados Unidos na época.

A China e o PLA são muito mais poderosos do que eram em 2001, e diante da situação atual das relações entre China e Estados Unidos, os Estados Unidos não podem arcar com as consequências de outra colisão de avião ou navio de guerra, afirmaram os observadores. Os Estados Unidos terão que pagar o preço por provocar a segurança nacional da China, e precisam perceber a determinação, coragem e capacidade da China em proteger seus interesses fundamentais, disse Song. “Os Estados Unidos precisam pensar três vezes, porque se ousarem provocar mais, certamente sofrerão grandes derrotas estratégicas”, observou Song. Buscando o reengajamento. Analistas chineses apontaram que a responsabilidade pelo atual impasse entre China e Estados Unidos recai sobre os Estados Unidos, e o exagero deles em relação à “recusa da China em dialogar” não é útil para melhorar as relações, referindo-se às alegações da mídia americana de que a China recusou um encontro entre o Conselheiro de Estado e Ministro da Defesa da China, Li Shangfu, e o Secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, à margem do Diálogo de Shangri-La. Os Estados Unidos agem como se estivessem ansiosos para se envolver com a China e sinais de “ajuste fino” foram enviados, isso porque os Estados Unidos estão considerando como competir com a China de forma segura, ao mesmo tempo em que aderem à tendência geral de competição estratégica com a China, afirmou Sun Chenghao, pesquisador e chefe do programa EUA-UE do Centro de Segurança Internacional e Estratégia da Universidade Tsinghua, ao Global Times na segunda-feira.

Os funcionários da administração Biden também sentem a tensão nas relações entre China e Estados Unidos e não desejam ver um conflito. Eles também entendem que as relações bilaterais podem sair do controle se continuarem a enfatizar a “competição”, disse Sun. No entanto, a janela de oportunidade restante para a administração Biden estabilizar as relações com a China está se fechando, e depois que os Estados Unidos entrarem no período eleitoral do próximo ano, qualquer mudança de política relacionada à China sofrerá um impacto forte dos republicanos, afirmou o especialista. As reclamações de aliados dos Estados Unidos e países que foram arrastados pelos Estados Unidos para sua competição com a China estão se tornando mais intensas, pressionando o governo dos Estados Unidos a fazer alguns ajustes, disse Sun, citando a mudança narrativa de “desacoplamento” para “desminimização” para apaziguar seus aliados.

Muitos países estão cada vez mais insatisfeitos com a política dos Estados Unidos em relação à China, pois isso resultou em tensões regionais, especialmente no campo militar, e têm expressado expectativas de um maior engajamento entre China e Estados Unidos e um ambiente global estável, disseram os analistas. Haverá alguns sinais positivos de interações e cooperação bilaterais, disse Sun, acrescentando que visitas à China do Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e de outros altos funcionários são possíveis. No entanto, os analistas consultados pelo Global Times não são otimistas em relação às relações China-Estados Unidos a longo prazo, uma vez que a competição estratégica com a China se tornou um consenso bipartidário nos Estados Unidos. Embora as interações recentes entre China e Estados Unidos mostrem que ambos os lados estão tentando gerenciar os conflitos, o risco de confrontos aumentará se os Estados Unidos não pararem com suas provocações e não mostrarem sinceridade em melhorar as relações, disseram os analistas.”

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/china-e-eua-vivem-tenso-impasse-militar-e-relacoes-bilaterais-entram-em-fase-complexa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.