Yuan digital da China e Libra do Facebook: há ameaça para sistema financeiro global?
16 de dezembro de 2020
Ruanda envia tropas à República Centro-Africana por suspeita de golpe de Estado
21 de dezembro de 2020

China quer compartilhar rochas lunares, mas restrições dos EUA impedem que norte-americanos recebam

Bandeira da China é vista a partir da espaçonave Chang'e-5 na Lua, em 4 de dezembro de 2020

© REUTERS / CNSA

Ciência e tecnologia

13:36 17.12.2020(atualizado 13:45 17.12.2020) URL curta

220

Nos siga no

A agência espacial da China anunciou nesta quinta-feira (17) que pretende compartilhar dados e amostras obtidas da Lua por sua sonda Chang’e-5. Durante o anúncio, os chineses ressaltaram a importância das convenções internacionais sobre tecnologia.

Um dos países que mais demonstraram interesse em ter acesso às amostras colhidas pelos chineses na Lua eram os EUA. Porém, as restrições comerciais impostas pelos norte-americanas sobre a China podem impedir que a NASA tenha acesso ao material, escreve a agência RT.

A sonda Chang’e-5 pousou na Mongólia na manhã desta quinta-feira (17), após completar uma missão para recuperar rochas lunares e solo, fornecendo as primeiras amostras da Lua desde os anos 1970.

Espaçonave chinesa Chang'e-5 coleta amostras da Lua

© REUTERS / CNSA

Espaçonave chinesa Chang’e-5 coleta amostras da Lua

Após o retorno da sonda, a Administração Espacial Nacional da China (CNSA, na sigla em inglês) anunciou os planos do país. “Compartilharemos com os países e cientistas relevantes no exterior, e alguns deles podem ser dados como presentes nacionais de acordo com as práticas internacionais”, dizia um comunicado.

Porém, os Estados Unidos podem ser impedidos de cooperar com a China e receber amostras ou dados, já que a NASA está limitada a trabalhar diretamente com a China, algo que CNSA descreveu como “lamentável”.

A China deixou claro que qualquer cooperação futura com os EUA dependeria da política americana. Pequim afirma estar disposta a cooperar com agências e órgãos científicos para ganho mútuo apenas se Washington concordar em fazer uma política semelhante.

A missão, que começou no dia 24 de novembro, também serviu para a China testar sua capacidade de coletar amostras no espaço sideral, como parte de sua preparação para missões futuras que podem ser mais complexas.

​A China é apenas o terceiro país do mundo a recuperar material da lua com sucesso, seguindo os EUA e a Rússia. Vale lembrar que Pequim já está planejando realizar mais viagens exploratórias à Lua, incluindo a construção de uma estação de pesquisa.

Fonte: https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2020121716635998-china-quer-compartilhar-rochas-lunares-mas-restricoes-dos-eua-impedem-que-norte-americanos-recebam/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 11 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.