7 de fevereiro de 2019
A luta conspiratória do Estado Profundo contra Trump
12 de fevereiro de 2019

Conjecturas políticas globalistas

JacintoPereira.com

Rússia ordena a criação do plano do modelo de golpe na Venezuela para libertar os cidadãos da UE e dos EUA da tirania socialista

Apenas uma semana depois de o presidente Donald Trump ter prometido que nunca permitiria que os Estados Unidos se tornassem uma nação socialista, um novo relatório do Serviço de Inteligência Estrangeira (SVR) circulando hoje no Kremlin revela que ele foi encarregado pelo Conselho de Segurança (SC). elaborar um plano para evitar que os cidadãos ocidentais caiam sob o controle socialista tirânico – um movimento considerado vital para a segurança nacional russa, ontem, depois que forças militares e policiais do governo socialista começaram a disparar granadas para mutilar seus cidadãos protestantes desarmados e forças socialistas nos EUA revelaram seu plano mestre. destruir a economia inteira de sua nação para escravizar seus cidadãos – mas cujo plano efetivo para atingir esse objetivo vê o SVR afirmando que eles só precisam usar exatamente o mesmo que os americanos estão usando para montar seu golpe na Venezuela. [Nota: Algumas palavras e / ou frases que aparecem entre aspas neste relatório são aproximações em inglês de palavras / frases em russo que não possuem uma correspondência exata.]

De acordo com este relatório, por quase a totalidade dos últimos 20 anos, os Estados Unidos desperdiçaram mais de US $ 7,6 trilhões da riqueza de seus cidadãos (que o presidente Trump chamou de louco e diz que poderia ter reconstruído todo o país) matando e matando mutilando milhões de pessoas inocentes (incluindo 59.637 soldados dos EUA) para capturar para si alguns dos maiores produtores mundiais de petróleo e gás natural (Iraque, Síria) e países de trânsito de energia vital (Síria, Ucrânia).

No topo da lista das nações ricas em energia mais cobiçadas pelos Estados Unidos, explica o relatório, está o país sul-americano chamado República Bolivariana da Venezuela – que tem as maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo – e foi por isso que em 2002 os EUA projetaram um golpe contra  presidente Hugo Chávez, mas isso fracassou quando seu povo e militares o restauraram de volta ao poder depois de 48 horas.

Depois de ser eleito quatro vezes em eleições certificadas pela comunidade internacional como sendo abertas, honestas, livres e justas, este relatório continua, o Presidente Chávez faleceu em 5 de março de 2013 – e sobre cuja morte foi legalmente sucedida por Nicolas Maduro – que, também ganhou uma eleição para ser presidente por direito próprio – uma eleição em que 31% de todos os eleitores (não eleitores reais, mas eleitores qualificados) votaram e o colocaram no poder, e isso é melhor do que os 27% de Trump administrados em 2016 ou os 24 dos  quais Obama chegou em 2012 – e foi uma eleição certificada como justa por não menos que 150 monitores eleitorais de todo o mundo, incluindo o presidente Jimmy Carter, que chamou o processo eleitoral da Venezuela de “o melhor do mundo” – e causou Daniel Kovalik, um dos americanos a maioria dos especialistas em direitos humanos respeitados internacionalmente, para relatar de verdade:

Acabei de voltar da Venezuela, onde fui um dos 170 observadores eleitorais internacionais de todo o mundo, incluindo Índia, Brasil, Grã-Bretanha, Argentina, Coréia do Sul e França.

Entre os observadores estavam dois ex-presidentes (da Guatemala e da República Dominicana), juízes, advogados e altos funcionários dos conselhos eleitorais nacionais.

O que descobrimos foi um sistema eleitoral transparente, confiável, bem administrado e totalmente auditado.

Duas características únicas e cativantes do processo venezuelano é que tanto a campanha quanto as vendas de álcool são proibidas nos dois últimos dias antes de uma eleição.

O que tem sido pouco mencionado pela imprensa norte-americana é que mais de 54% das máquinas de votação nas eleições de 14 de abril foram auditadas para garantir que os votos eletrônicos correspondam aos recibos de papel de back-up.

Isso foi feito na presença de testemunhas dos partidos governistas e da oposição, nos locais de votação locais. Eu testemunhei tal auditoria, e a comissão eleitoral venezuelana concordou desde então em auditar 100% das cédulas.

Notadamente ausente da observação da eleição livre e justa, o presidente Maduro, no entanto, detalhava o relatório, era o governo dos Estados Unidos – que ordenou que todos os partidos de oposição da Venezuela não participassem da eleição – permitindo assim que comicamente afirmassem que a eleição era ilegítima e proclamar que Maduro era um ditador.

Uma vez que os Estados Unidos declararam o presidente Maduro como um ditador, os americanos colocaram sanções esmagadoras sobre toda a economia venezuelana, negando-lhes acesso a alimentos, remédios e empréstimos bancários internacionais – o resultado previsível que jogou a economia daquele país em um espiral de morte econômica – com os EUA proclamando ao mundo que isso era evidência de como o presidente Maduro estava destruindo sua nação.

Depois de ter destruído a economia da Venezuela e deixado seu povo faminto e doente, o relatório continua, em 23 de janeiro os Estados Unidos declararam que Juan Guaidó era o novo presidente da Venezuela – uma pessoa sobre a qual 81% nunca tinham ouvido falar antes – mas rapidamente descobriu-se que ele era um líder do golpe totalmente criado, formado pelo “Laboratório de Mudança do Regime dos EUA” da CIA, também conhecido como Programa de Liderança da Universidade de Georgetown na América Latina, e que foi colocado no poder por um único telefonema. colocado a ele pelo vice-presidente dos EUA, Mike Pence.

Mais particularmente a ser notado sobre o Modelo do Golpe da Venezuela que está sendo implantado pelos Estados Unidos contra um governo legitimamente eleito, este relatório observa, é baseado em sua nova alegação de que o líder de um país é apenas legítimo se eleito pela maioria de seus membros elegíveis. eleitores – um padrão – nem os EUA nem seus aliados da União Européia podem reclamar, já que apenas 50% de seus eleitores se dão ao trabalho de voto, significando que todos os seus líderes foram eleitos por apenas 27%, o que é menor. margem do que os 31% recebidos pelo presidente Maduro – e que, de acordo com a nova lógica eleitoral americana usada contra a Venezuela, agora dá à Rússia o direito de declarar que todos os líderes ocidentais também são ditadores.

Uma declaração que a Rússia pode usar, como os EUA fizeram na Venezuela, conclui este relatório, para chamar qualquer líder da oposição nos Estados Unidos e na União Européia, por mais obscuros e desconhecidos que sejam, e declará-los como o país deles. Um novo líder – e que, se pedir à Rússia para invadir seu país (como o líder do golpe da CIA Juan Guaidó acaba de fazer, chamando os EUA para invadir seu país) deve ser seriamente considerado – e cujos absurdos abundantes vêm ao mesmo tempo a hipocrisia globalista não poderia piorar, mas aconteceu – e da melhor forma examinada pelo establishment ocidental da mídia de propaganda dizendo a seus cidadãos: “Repita depois de mim, protestos na Venezuela, protestos na França ruins!” – e cuja única salvação essa loucura ainda reside no presidente Trump – e sobre quem agora vê analistas de inteligência do SVR concordando com os especialistas anti-guerra mais importantes dos EUA, cuja última avaliação mostra que ele trabalha com sua guerra neocon de forças mutilantes em uma tentativa de destruí-los sobre a Venezuela como o presidente Kennedy fez a eles sobre Cuba, e que afirmam:

Como alguém sem experiência política, sem partido e sem chances reais de ganhar – em circunstâncias normais – se tornou presidente dos Estados Unidos?

Assistir Trump desafiar, enganar e, finalmente, destruir seus inimigos é um espetáculo para se ver, e certamente o maior entretenimento que tivemos em muito tempo.

WhatDoesItMean.Com.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/


JacintoPereira.com
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.