Depois de defender Dallagnol, Raquel Dodge chama STF de "tribunal de exceção"
3 de agosto de 2019
SENAR CAPACITA FRUTICULTORES EM LAGOA DO MATO
4 de agosto de 2019

Da desdolarização ao Ouro

Desdolização: Bancos centrais liderados pela Rússia, China, Polônia compram US $ 15,7 bilhões em ouro

    Sputnik
    2 Ago , 2019

    Em meio à incerteza, provocada pelas tensões comerciais entre a China e os EUA, o caos Brexit e o impasse EUA-Irã, instituições financeiras públicas, bem como investidores em todo o mundo, estão optando pelo porto seguro que o metal precioso fornece.

    Os bancos centrais compraram 374 toneladas de ouro no primeiro semestre deste ano, que é a maior aquisição já feita por instituições públicas nos primeiros 6 meses de um ano civil, segundo o Financial Times, citando o World Gold Council. Eles compraram ouro no valor recorde de US $ 15,7 bilhões, respondendo por um sexto da demanda total de ouro desde o início de 2019.

    Os líderes da nova corrida do ouro são os bancos centrais da Polônia, China e Rússia, diversificando suas reservas à custa do dólar. O Banco Central russo estocou 96,4 toneladas de ouro desde janeiro, confirmando na semana passada que as reservas totais de ouro do país atingiram US $ 100,3 bilhões até 1º de julho. Ao mesmo tempo, a China comprou 74 toneladas de metais preciosos no período de seis meses. até maio.

    Os bancos centrais desses e de outros países acompanharam a tendência do ano passado. Em 2018, eles adquiriram mais metais preciosos do que em qualquer ano desde 1971, quando o padrão-ouro, que significa a fixação da moeda nacional ao ouro, terminou.

    Os investidores também estão acumulando participações em ouro e optando por fundos negociados em bolsa (ETF) lastreados em ouro. Eles estão sendo impulsionados pela postura suavizada dos bancos centrais, incluindo a decisão do Banco Central Europeu de interromper as vendas limitadas do metal precioso, em meio à incerteza geopolítica e ao aumento dos preços. Enquanto a demanda ano-a-ano subiu 8 por cento e atingiu 1.123 toneladas, as explorações de ouro da ETF atingiram um recorde de 2.548 toneladas em seis anos no segundo trimestre. No geral, a demanda atingiu o pico de três anos nos primeiros seis meses deste ano. Os preços do ouro, no entanto, estão continuando sua escalada confiante, crescendo quase 1,6% ao ano, e por 11% nos últimos dois meses, segundo o Market Watch.

    Os fundos listados no Reino Unido compraram três quartos dos produtos de ouro negociados, como aponta o Financial Times, ligando a tendência à incerteza sobre eleger o próximo primeiro-ministro e o cenário iminente de um Brexit forte, que poderia derrubar a libra. Investidores alemães também se voltaram para ETFs apoiados em ouro, em meio às tensões sobre a disputa comercial EUA-China e o impasse de Washington com Teerã.

    A onda de compras de ouro tem sido acompanhada por vários estados que promovem uma mudança do dólar para moedas nacionais no comércio bilateral. A tendência de abandonar o dólar tem sido notada em um relatório recente sobre as economias dos países do BRICS, que reduziram em 20% o uso do dólar no comércio mútuo.

    No mês passado, a Rússia e a China assinaram um acordo para aumentar o comércio em moedas nacionais para reduzir a dependência do dólar, com o comércio total usando este mecanismo que deverá aumentar para até 50% nos próximos anos. O presidente russo, Vladimir Putin, acusou os Estados Unidos de usar o dólar como uma ferramenta de pressão contra outros países e sugeriu que o papel global dessa moeda deve ser reconsiderado.

    Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

    Jacinto Pereira
    Jacinto Pereira
    Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    1 × três =

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.