EUA e o seu cerco a China e Rússia
22 de junho de 2022
A Rússia se prepara para responder aos americanos que perguntam: “Estamos em guerra?”
22 de junho de 2022

Deve uma Escócia independente aspirar à adesão à OTAN?

Com a Finlândia e a Suécia buscando aderir à aliança da Otan, uma Escócia independente deveria seguir seus passos ou buscar um caminho diferente para promover a paz na Europa?

***

Para considerar o possível interesse da Escócia na adesão à Otan à luz da atual crise na Ucrânia, devemos olhar para alguns marcos significativos na história pós-guerra fria.

Quando a Guerra Fria acabou, os líderes soviéticos e russos, de Mikhail Gorbachev a Vladimir Putin, propuseram uma nova aliança de segurança euro-atlântica – “de Dublin a Vladivostok”.

Mas então Moscou assistiu quando a Otan deu as boas-vindas como membros primeiro à Polônia, Hungria e República Tcheca em 1999, depois aos estados bálticos e outros países do antigo bloco oriental.

Três presidentes soviéticos/russos – Gorbachev e Putin, junto com Boris Yeltsin – perguntaram sobre a adesão da Rússia à Otan, e isso também foi rejeitado imediatamente. Era obviamente o cumprimento da missão da Otan estabelecida por seu secretário-geral fundador, Lord Ismay: “manter a União Soviética fora, os Estados Unidos dentro e a Alemanha abaixo”.

O momento fatídico – em termos de guerra da Rússia contra a Ucrânia – veio em 2008 na cúpula da Otan em Bucareste, Romênia. A administração norte-americana de George W. Bush então propôs — para consternação dos aliados da Otan, especialmente a França e a Alemanha — um caminho para a adesão da Ucrânia e da Geórgia à aliança.

Esta foi, para a Rússia, a ‘linha vermelha’. Simplificando, e apesar do desprezo americano pelo contrário, a Rússia tem um relacionamento com a Ucrânia – histórico, cultural e estratégico – que os EUA não podem entender porque não tem equivalente para nós, americanos.

A triste ironia é que, nos últimos três meses, tornou-se óbvio que a Ucrânia na Otan não é um ponto de partida – um fato que não passou despercebido ao presidente Volodymyr Zelensky no dia seguinte ao início da invasão russa. Ele disse : “Quem está pronto para dar à Ucrânia uma garantia de adesão à OTAN? Todo mundo tem medo.”

Além disso, se alguém, como o presidente Emanuel Macron da França, tivesse o bom senso de simplesmente declarar a verdade – que a declaração de Bucareste de 2008 sobre a Ucrânia na Otan era uma farsa – a guerra poderia ter sido evitada.

O que poderia ter sido

Outra medida preventiva ‘poderia ter sido’ estava nos acordos de Minsk I e II, que se seguiram ao levante Maidan de 2014 na Ucrânia, produto da decisão do então governo de buscar laços mais estreitos com a Rússia.

Os acordos de Minsk foram concebidos para aliviar as tensões entre a Ucrânia e a Rússia e foram assinados por ambos os países, juntamente com a França e a Alemanha.

Suas principais estipulações incluíam um cessar-fogo e remoção de combatentes de áreas sensíveis em ambos os lados da fronteira Ucrânia/Rússia, e referendos sobre autonomia (não independência) para as regiões disputadas de Donbas, Donetsk e Luhansk.

Lamentavelmente, Minsk nunca foi implementado – o principal retrocesso veio de Kyiv.

Isso provavelmente se deveu a duas forças: internamente, dos ‘irregulares’ militares de extrema direita da Ucrânia, que agora são praticamente inseparáveis ​​das forças armadas oficiais; e externamente, por pressão dos estados atlanticistas, EUA e Reino Unido, cuja oposição a qualquer reconhecimento do que a Rússia vê como suas preocupações regionais legítimas ajudou a impulsionar a crise desde o início.

Dois pontos relativos à OTAN de hoje são relevantes para a crise na Ucrânia. A primeira é que a história da aliança nos últimos 30 anos revela a mentira sobre a Otan como uma entidade ‘puramente defensiva’ dedicada a construir a paz e a governança democrática em países que sofreram sob o despotismo comunista na Guerra Fria.

Muitos de nós argumentamos que, se fosse assim, que país havia sofrido mais sob o regime comunista do que a Rússia? Afeganistão, Iraque e Líbia estão claramente fora do alcance geográfico da aliança, e nenhum representou uma ameaça direta à área legítima de proteção da Otan.

A assistência militar maciça liderada pelos EUA/Reino Unido à Ucrânia não apenas prolonga a morte e a destruição, mas aumenta o espectro da guerra entre a Otan e a própria Rússia, com consequências globais potencialmente catastróficas.

Estes surgem como resultado da tensão entre as crescentes expectativas de armamento da Ucrânia e a disposição da Otan de entregar material que poderia expandir a guerra para o território russo.

Em 10 de junho, o porta-voz de defesa da Ucrânia, Mikhailo Podolyak , disse : “Precisamos de paridade [com a Rússia] em armas pesadas”, ou seja, tanques e veículos blindados, juntamente com drones e, mais especialmente, sistemas de foguetes de lançamento múltiplo que poderiam atacar profundamente a Rússia.

Em segundo lugar, a expansão da Otan para o leste envolveu uma mentira descarada à Rússia, que havia dado consentimento à unificação da Alemanha em troca de garantias verbais de que a Otan se moveria “nem um centímetro” para o leste. Isso significa que a Otan é plausivelmente vista como uma ameaça à Rússia.

A isso podemos acrescentar os EUA rasgando o tratado antimísseis balísticos, instalações nucleares na Polônia e Romênia e exercícios multi-OTAN cada vez mais robustos que cercam a Rússia, do Báltico ao Mar Negro.

Até o Papa Francisco falou da “Otan latindo à porta da Rússia”.

Escócia independente

A tragédia da Ucrânia e suas conseqüências devem encorajar a consideração sóbria de uma possível adesão à Otan para uma Escócia independente. Vários pensamentos ocorrem.

Em primeiro lugar, seguimos a Finlândia e a Suécia em busca de adesão à Otan ou permanecemos na aliança sob um acordo com o Reino Unido? A Suécia e especialmente a Finlândia têm relações históricas complicadas e proximidade geográfica com a Rússia que a Escócia não tem.

A Escócia também não apresenta nenhuma ameaça estratégica para a Rússia ou outros – além da capacidade da frota de submarinos nucleares do Reino Unido na base de Faslane em Clyde, que, até onde posso ver, seria o único valor da Escócia para a Otan.

O outro elemento do atual arsenal de armas nucleares do Reino Unido, o Trident, é uma fonte perene de debate em Westminster. A posição da Escócia deveria ser descartá-lo — tanto por ser terrivelmente caro quanto por ser de utilidade limitada. A noção de que o Reino Unido lançaria um ataque nuclear sem o consentimento dos EUA é fantasiosa.

Em segundo lugar, a Otan atualmente estipula que 2% do PIB de um estado membro seja alocado para gastos com defesa como condição de adesão, um nível que até recentemente só foi cumprido por um punhado de estados. É muito provável que a aposta seja levantada no ambiente de segurança pós-guerra da Ucrânia.

Este é um investimento que uma Escócia independente com desafios e escolhas econômicas previsíveis considera necessário fazer?

Eu também observaria que a Ucrânia pré-guerra tinha o terceiro maior exército da Europa, depois da Rússia e da Turquia, e os gastos militares eram de 6% do PIB. O dinheiro, parafraseando o velho ditado, não compra segurança.

Mediador

Terceiro, um pensamento mais esotérico, mas interessante: Escócia em um papel de mediador. Eu argumentaria – mais na esperança do que na expectativa – que depois da guerra na Ucrânia os EUA deveriam se colocar de lado, que este é um problema europeu, para uma discussão europeia de um futuro europeu e, novamente, a Rússia fará parte dessa discussão.

Zelensky permitiu isso em um recente e estranho discurso à nação que basicamente disse: a guerra continuará, haverá mais morte e destruição, mas finalmente um cessar-fogo alcançado e a paz restaurada como resultado do engajamento diplomático.

O conflito na Ucrânia chegará ao fim – espera-se que não com uma escalada de hostilidades entre a Rússia e a Otan, mas na mesa de negociações, como sugere Zelensky.

Muitas vezes se esquece que houve três meses de conversações em Viena e Genebra antes da eclosão da guerra no final de fevereiro, e há negociadores e propostas em mãos dessas conversações. Estes podem, e devem, ser reconvocados, talvez com os acordos de Minsk sobre a mesa para atualização.

Além da Otan, há uma organização européia discretamente eficaz chamada Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

A OSCE tem estado presente em áreas de conflito, como Nagorno-Karabakh, no Azerbaijão, nas províncias separatistas da Abkhazia e da Ossétia do Sul, na Geórgia, e tem um alto comissário para as minorias para tratar de questões de populações minoritárias na Europa Oriental e Central. Estas são questões cada vez maiores no futuro da Europa.

O papel não militar e mediador da OSCE foi claramente reduzido pela afirmação de primazia territorial da Otan, mas eu diria que esse papel será vital nas duras discussões sobre uma nova Europa.

Pode ser claramente do interesse da Escócia buscar um papel para si na OSCE, em vez de um papel menor dentro da Otan.

A questão é que alguns dos atores menores da Europa – os escandinavos e os países do Benelux, juntamente com a Alemanha e a França – devem ser chamados a ajudar a lançar as bases para um futuro europeu seguro.

*

David Speedie faz parte do think-tank sediado nos EUA, o Comitê Americano para o Acordo EUA-Rússia, em Nova York, EUA. Anteriormente, ele foi diretor do programa de engajamento global dos EUA no Carnegie Council for Ethics in International Affairs.

A fonte original deste artigo é Declassified UK

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.