Globo proclama inocência de Lula e lança sua candidatura presidencial para 2022
8 de agosto de 2020
O ambicioso plano chinês para 2035
8 de agosto de 2020

Entre negociações e advertências nucleares

“Qualquer míssil de entrada será visto como nuclear” – Militares russos advertem em meio a negociações sobre o tratado de armas

Zero Hedge

8 de agosto de 2020

Embora todos os olhos tenham se voltado para o cenário de ‘nova guerra fria’ emergente entre os EUA e a China, os militares da Rússia acabaram de emitir uma declaração rara e reveladora que representa talvez a ameaça mais severa das negociações de extensão do Novo START em andamento e longe de acordo.

“A Rússia perceberá qualquer míssil balístico lançado em seu território como um ataque nuclear que justifica uma retaliação nuclear, advertiram os militares em um artigo publicado na sexta-feira”, escreve a AP.

“A dura advertência do jornal militar oficial Krasnaya Zvezda (Red Star) é dirigida aos Estados Unidos, que trabalharam para desenvolver armas não nucleares de longo alcance”, continua o relatório.

No artigo, alguns dos principais generais da Rússia, incluindo um oficial sênior do Estado-Maior do Exército russo, Maj.-General. Andrei Sterlin, afirmou que em caso de ataque, os sistemas de radar e anti-aéreos não terão como saber se um míssil balístico possui ou não ogiva nuclear.

“Qualquer míssil de ataque será percebido como portador de uma ogiva nuclear”, disse a publicação militar russa. “As informações sobre o lançamento do míssil serão automaticamente repassadas à liderança político-militar russa, que determinará o escopo da ação retaliatória das forças nucleares, dependendo da evolução da situação.”

“A Rússia designou as‘ linhas vermelhas ’que não aconselhamos ninguém a cruzar”, disse o artigo do Krasnaya Zvezda. “Se um adversário em potencial se atrever a fazer isso, a resposta será, sem dúvida, devastadora. Os detalhes da ação retaliatória, como onde, quando e quanto, serão determinados pela liderança político-militar da Rússia, dependendo da situação. ”

A publicação militar claramente aumentou a aposta de uma maneira enorme, sem dúvida buscando reforçar a influência dos diplomatas russos, já que o marco do tratado de redução de armas nucleares, o Novo START, poderia estar em processo de corte depois que os EUA retirassem as Forças Nucleares de Alcance Intermediário Tratado (INF).

O novo START expirará em fevereiro de 2021 se os dois lados não concordarem em renová-lo. Até o momento, as negociações em andamento entre Moscou e Washington não conseguiram estendê-lo por até cinco anos, apesar da pressão dos aliados da América para obter uma prorrogação.

Houve conversas em meados de junho que não levaram a lugar nenhum, bem como pelo menos três dias de conversas no final de julho em Viena. Parece que enquanto os diplomatas russos falam bem em Viena, os militares russos estão engajados em táticas armadas para dar aos diplomatas maior posição de barganha enquanto a extensão do tratado é avaliada.

O Kremlin também parece interessado em lembrar a Washington nos termos mais claros possíveis como é um mundo pós-controle de armas nucleares – ou seja, a probabilidade de uma nova corrida armamentista nuclear em um cenário de “Oeste Selvagem” profundamente incerto.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.