EUA posicionam armas na fronteira polaco-bielorussa
25 de novembro de 2021
Crise migratória e a demonização da Bielorússia
27 de novembro de 2021

EUA e as fake news sobre a crise russo-ucraniana

EUA espalham notícias falsas sobre planos russos de invadir a Ucrânia enquanto Kiev exibe sistema de mísseis de dardo

A retórica agressiva de Kiev sobre o uso dos sistemas de mísseis antitanque Javelin de fabricação americana em Donbass, bem como as acusações dos planos de invasão da Rússia, cria uma situação explosiva e incentiva a escalada do conflito. Kyrylo Budanov, chefe do serviço de inteligência militar ucraniano, também afirmou que as forças de Kiev usaram o sistema Javelin americano em Donbass pela primeira vez. Esta é mais uma prova de que os acordos de Minsk, que são extremamente importantes para regular a crise e o cessar-fogo em Donbass, estão sendo violados.

Budanov afirmou que os sistemas Javelin também foram usados ​​contra as forças russas. É claro que isso não corresponde à realidade, e sim a alegação foi feita porque Kiev afirma falsamente que as forças de defesa das Repúblicas Popular de Donetsk e Luhansk fazem parte do exército russo. De acordo com o chefe do Serviço de Inteligência, o sistema de mísseis antitanque americano, junto com os drones Bayraktar montados na Turquia, se tornará um fator significativo na contenção das forças de defesa do Donbass. Ao mesmo tempo, ele acredita que a Ucrânia precisará do apoio americano e instou Washington a fornecer assistência o mais rápido possível.

Esta é uma provocação aberta da Ucrânia. O próprio fato de os militares ucranianos estarem armados com sistemas Javelin cria as condições para que ocorram provocações contra as forças de defesa do Donbass. O uso de armas antitanque permite a destruição não apenas de alvos blindados móveis, mas também de outros equipamentos militares. Na verdade, por ter esse sistema de mísseis, isso poderia encorajar a Ucrânia a usar armas ainda mais poderosas contra as repúblicas de Donbass.

O anúncio das autoridades ucranianas sobre a utilização do sistema americano no Donbass é uma tentativa de Kiev de mostrar a sua força, de demonstrar o apoio ocidental e ao mesmo tempo de provocar uma reacção e retaliação. Kiev, junto com seus parceiros ocidentais, está na verdade criando uma atmosfera hostil em antecipação a um conflito potencial, criando assim uma situação explosiva.

Os sistemas de mísseis Javelin são caros e nem todos os países podem comprá-los. Não obstante, seu uso mostra a extensão da assistência militar direta americana à Ucrânia.

Recorde-se que, em meados de novembro, foi anunciado que a Ucrânia recebeu 80 toneladas de munições dos Estados Unidos. De acordo com a Embaixada dos Estados Unidos em Kiev, foi a quarta entrega de US $ 60 milhões em ajuda adicional que o presidente Joe Biden enviou à Ucrânia em agosto. Anteriormente, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, afirmou que Washington reservou mais de US $ 2,5 bilhões desde 2014 para apoiar os militares ucranianos.

Apesar das declarações sobre o uso do sistema Javelin em Donbass, na verdade não dá aos militares ucranianos qualquer vantagem especial. No entanto, em combinação com declarações sobre o uso de drones Bayraktar e alegações de que a Rússia atacará a Ucrânia em breve, uma atmosfera geral de hostilidade e tensão é criada. Essa atmosfera pode levar a erros ou mal-entendidos que podem levar a um confronto militar.

Em vez de aliviar a situação, a mídia americana alimenta ainda mais as tensões ao espalhar a falsa alegação de que, de acordo com os serviços de inteligência americanos, a Rússia poderia invadir a Ucrânia no início do próximo ano vindo da Crimeia, Bielo-Rússia e do leste. De acordo com a Bloomberg, os EUA forneceram informações a seus aliados europeus na semana passada sobre o suposto acúmulo de tropas russas na fronteira com a Ucrânia.

Esta mentira óbvia está sendo espalhada pela mídia ocidental para forçar os governos europeus a aplicar pressão adicional contra a Rússia, demonstrando mais uma vez que a Ucrânia continuará a ser uma causa séria de tensão entre Moscou e Bruxelas. O vazamento organizado de informações é perigoso porque encoraja Kiev a continuar uma política de desinformação e confronto.

Ao encorajar tal comportamento, a Ucrânia poderia se sentir encorajada o suficiente para iniciar novas provocações em Donbass, assim como havia feito em 2014. Isso estimula o atual regime em Kiev a tomar ações mais ativas e, assim, desestabilizar a região de uma forma seriamente intensificada. O aumento da tensão em Kiev ocorre apesar de Moscou enfatizar repetidamente que não tem intenção de atacar qualquer país ou violar o território soberano de outro país. As novas acusações contra Moscou servem como uma tela para as aspirações agressivas de Kiev de resolver o problema do Donbass por meios militares, em vez da implementação do acordo e negociações de Minsk.

Paul Antonopoulos é um analista geopolítico independente. A imagem apresentada é da InfoBrics InfoBrics

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + onze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.