O mundo como ele é
22 de junho de 2022
Deve uma Escócia independente aspirar à adesão à OTAN?
22 de junho de 2022

EUA e o seu cerco a China e Rússia

As administrações Bush e Obama, uma continuação da política? Rússia e China cercadas perto de suas fronteiras

***

Introdução. A Presidência de George W. Bush (2001-2009)

Durante os dois mandatos do presidente George W. Bush (2001-2009), as políticas de seu governo normalmente favoreceram os mais ricos da América, cuja riqueza já havia aumentado muito desde o início dos anos 1980 sob as políticas neoliberais.

A administração Bush reduziu os impostos sem uma justificativa clara, enquanto muitas famílias americanas comuns não podiam mais garantir uma educação universitária para seus filhos. Estes últimos ficaram com a opção de se alistar nas Forças Armadas dos EUA, para receber benefícios educacionais.

A desigualdade e a pobreza estavam aumentando acentuadamente no estado mais poderoso do mundo. Em 2007, 34,6% da riqueza privada nos Estados Unidos estava concentrada nas mãos de 1% da sociedade do país, a ultraelite. Perto do final da presidência de Bush, os 20% mais ricos dos Estados Unidos acumularam 85% da riqueza do país. Em 2010, havia cerca de 48 milhões de americanos desempregados entre aqueles com idade entre 17 e 64 anos.
A Casa Branca de Bush despachou bilhões de dólares dos contribuintes para financiar os serviços sociais de organizações religiosas muitas vezes extremamente conservadoras (protestantismo católico e evangélico, ambas as formas de cristianismo). O objetivo político desses grupos era corroer a democracia americana e estabelecer um estado teocrático; essa é uma nação na qual figuras religiosas governam em nome de Deus.

Os evangélicos desejam ainda alterar a constituição, alegando que os EUA são um país cristão. Menos de dois terços dos americanos, 63%, agora se identificam como crentes no cristianismo. Os protestantes evangélicos brancos consistem em modestos 14,5% da população americana, e a porcentagem está caindo.

No entanto, na primeira década deste século os evangélicos controlavam mais de 60 organizações religiosas. Em apenas um ano (2004) grupos evangélicos receberam US$ 2 bilhões em doações do governo Bush, e eles viram Bush como um deles, não sem razão. Bush é um homem muito religioso e, como o presidente teria dito em julho de 2003, ele é “impulsionado por uma missão de Deus”.

Karl Rove, o consultor político que influenciou as vitoriosas campanhas eleitorais de Bush em 2000 e 2004, acreditava que o sucesso dependia do voto evangélico branco. Um maciço 78% dos americanos deste grupo étnico votou em Bush em novembro de 2004, tendo subido de 68% quatro anos antes.

De fato, os evangélicos conservadores e de extrema-direita vêm gradualmente ganhando influência nos Estados Unidos desde a década de 1960, particularmente dentro do Partido Republicano. Os evangélicos desfrutam de maior envolvimento nas áreas sociais, relacionados à percepção de perseguição às escolas religiosas, juntamente com suas visões sobre o lugar do homem e da mulher na sociedade, e também sobre casamento, divórcio, homossexualidade e aborto. Patrick J. Buchanan, o comentarista político americano, chegou ao ponto de dizer que uma “guerra cultural” dentro da América era “tão crítica para o tipo de nação que seremos quanto a própria Guerra Fria” porque a guerra cultural “é para o alma da América”.

Apesar do crescente apoio de grupos cristãos como os evangélicos, a popularidade geral de Bush nos Estados Unidos estava diminuindo com o passar dos anos. Nos dias que se seguiram às atrocidades de 11 de setembro contra os Estados Unidos em setembro de 2001, os índices de aprovação de Bush ficaram entre 86% e 90%. Em novembro de 2008, havia caído para 25%. Uma pesquisa de maio de 2008, conduzida pela CNN/Opinion Research Corp., revelou que 71% dos americanos desaprovavam a forma como Bush administrava o país e que ele era o “presidente mais impopular da história americana moderna”.

A Transição Bush-Obama. Obama serviu aos interesses do “grande dinheiro”

O professor da Universidade de Harvard Lawrence Katz disse que “esta é realmente uma década perdida [2000-2009]”. Foi também uma década perdida na esfera militar, em relação às derrotas no terreno. Quando a presidência de Bush estava chegando ao fim em 2008, ele não estava mais falando de “vitória” ou “vitória” no Iraque, com as forças militares dos EUA falhando em subjugar e controlar o país.

O Escritório de Orçamento do Congresso dos EUA estimou que o preço a longo prazo da guerra no Iraque pode chegar a US$ 4,5 trilhões. Grande parte dos gastos colossais foi às custas do contribuinte americano. Em agosto de 2021, calculou-se também que Washington gastou pelo menos US$ 2,3 trilhões em operações militares principalmente no Afeganistão, após uma guerra de 20 anos naquele país. A estimativa de US$ 2,3 trilhões inclui dinheiro gasto em ações militares dos EUA no Paquistão, que compartilha uma fronteira de 1.640 milhas com o Afeganistão.

A América tem sido tradicionalmente liderada por protestantes anglo-saxões brancos (WASP), aqueles geralmente pertencentes às classes dominantes que há muito supervisionavam o sistema financeiro dos EUA. A ascensão ao poder em janeiro de 2009 de um líder afro-americano, Barack Obama, foi um sintoma do declínio da América branca. Talvez parecesse constituir um revés para a elite governante anglo-saxônica.

No entanto, o historiador americano Noam Chomsky apontou em 20 de junho de 2013,

“Eu realmente não esperava muito de Obama. Escrevi criticamente sobre ele antes mesmo das primárias, apenas citando seu site. Ficou bem claro que sua campanha era fumaça e espelhos”.

O presidente Obama continuou a servir aos centros de poder, pelo menos em alguns aspectos. Mesmo antes de sua posse no início de 2009, Obama propôs outro resgate de trilhões de dólares para os principais bancos. Quem estava entre aqueles que financiaram a importante campanha eleitoral de Obama de 2007-2008? Ele recebeu US$ 1.034.615 do Goldman Sachs, um importante banco de investimento americano. A Goldman Sachs dispensou apenas US$ 234.595 para a candidatura do desafiante de Obama, John McCain.

Outro banco de investimento poderoso, o JPMorgan Chase & Co., doou US$ 847.895 para Obama. McCain recebeu apenas US$ 336.605 do JPMorgan Chase & Co. O Citigroup Inc., outro grande banco americano, forneceu US$ 755.057 à campanha de Obama, enquanto a mesma corporação deu US$ 330.502 à campanha de McCain. Obama também recebeu uma doação de US$ 817.855 do Google, entre muitos outros.

A campanha de Obama arrecadou mais de 3 vezes mais dinheiro de banqueiros e corporações financeiras, em comparação com a de McCain. Além disso, as chances de eleição de Obama foram reforçadas por injeções de dinheiro de instituições como a Universidade da Califórnia, que desembolsou US$ 1.799.460, e a Universidade de Harvard, US$ 900.909. Aparentemente, esses centros educacionais não veem conflito de interesse no financiamento de eleições presidenciais.

A atuação de Bush, um presidente republicano, com sua reputação ainda mais prejudicada durante a crise financeira de 2007-08, convenceu os empresários de Wall Street de que um candidato do Partido Democrata (Obama) seria uma aposta mais segura do que um candidato do Partido Republicano (McCain). A campanha de Obama foi arquitetada por uma propaganda astuta e implacável, “relações públicas” na linguagem moderna, que se mostrou mais eficaz quando comparada ao seu rival republicano.

Um ano após a presidência de Obama, o Departamento de Estado dos EUA reconheceu, em um relatório compilado nos primeiros 4 meses de 2010, que havia pelo menos 36 conflitos ativos latentes em todo o mundo; e que o risco de guerra estava aumentando em todo o mundo, especialmente nos países pobres onde a corrupção reinava, o acesso ao financiamento de armas era fácil e onde a instabilidade era severa nos estados vizinhos. Os conflitos foram se espalhando especialmente no Oriente Médio, no Cáucaso e na África.

O que o Departamento de Estado dos EUA não mencionou foi que Washington teve um papel muito considerável em atiçar as chamas da guerra. O estudioso brasileiro Moniz Bandeira observou como, em novembro de 2014, “o vice-ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Antonov, acusou, com razão, os Estados Unidos de serem responsáveis ​​por dois terços dos conflitos militares que eclodiram nas últimas décadas, incluindo aqueles na Iugoslávia, Iraque , Afeganistão e Síria, aproveitando as dificuldades econômicas e sociais, além de diversos conflitos étnicos e religiosos, intervindo sob o pretexto de ampliar a democracia”.

Política Externa Neoconservadora de Obama. Cerco da Rússia e da China

Durante a presidência de dois mandatos de Obama (2009-2017), a política externa dos EUA baseou-se até certo ponto nas doutrinas neoconservadoras da Casa Branca de Bush; mas pode-se destacar que Obama não foi tão agressivo quanto seu antecessor. Apenas 2 estados europeus aderiram à OTAN durante a era Obama, Croácia e Albânia em abril de 2009, e as bases para isso foram lançadas por Bush. Em comparação, 7 países europeus aderiram à OTAN durante o mandato de Bush, mas pode-se argumentar que o número real foi 9 com Albânia e Croácia.

Obama continuou as tentativas em larga escala de cercar a Rússia e a China, enquanto expandia a campanha internacional de assassinato por drones de Washington. O governo Obama “fez um acordo para a transição de poder na Ucrânia” em fevereiro de 2014, segundo o próprio presidente na CNN no ano seguinte. Esta foi uma admissão virtual de um putsch apoiado pelos americanos em Kiev. O analista geopolítico George Friedman disse que “foi realmente o golpe mais flagrante da história” que instalou um regime amigo do Ocidente em Kiev, e que a Rússia “quer uma Ucrânia neutra”.

Em relação à China, Obama expôs claramente, em janeiro de 2012, um novo plano estratégico através do qual os EUA enfrentariam o poder crescente da China . Em 5 de janeiro de 2012, Obama enfatizou no Pentágono: “Estaremos fortalecendo nossa presença na Ásia-Pacífico e as reduções orçamentárias não ocorrerão às custas dessa região crítica”. Fortalecê-lo ele fez, aumentando as forças armadas dos EUA para cercar a China perto de suas fronteiras, com bases navais e militares dos EUA, navios de guerra, bombardeiros e submarinos.

Podemos notar que grande parte da presença militar americana está escondida em torno das águas na esfera de interesse da China. Em meados de maio de 2020, um destróier americano de 500 pés de comprimento, o USS Rafael Peralta, foi visto navegando no Mar Amarelo a 116 milhas náuticas da costa de Xangai, a cidade mais populosa da China.

No mês anterior, em 17 de abril de 2020, outro formidável destróier americano, o USS McCampbell, foi visto no Mar Amarelo a apenas 42 milhas náuticas da cidade chinesa de Weihai. Os EUA continuam a deter uma grande vantagem estratégica sobre seus adversários, cujos frutos foram garantidos principalmente na Segunda Guerra Mundial. Oficiais militares dos EUA falam regularmente sobre a realização de operações de “liberdade de navegação” no Mar da China Meridional, que os americanos consideram “águas internacionais”. Os chineses e russos não têm o luxo de realizar exercícios de “liberdade de navegação” no Mar do Caribe ou no Golfo do México, perto das costas americanas.

Em junho de 2015, o presidente Obama aprovou a Estratégia Militar Nacional Americana (2015 NMS). Isso destacou Rússia, China, Irã e Coreia do Norte como os países que mais desafiam estrategicamente a hegemonia dos EUA. No entanto, a Estratégia Militar Nacional fez a concessão bastante gritante de que “nenhuma dessas nações está buscando um conflito militar direto com os Estados Unidos ou nossos aliados”.

*

Shane Quinn, Journalist and renowned Historian, focussing on geopolitics and the history of World War II, based in Ireland. He is a Research Associate of the Centre for Research on Globalization (CRG).

Shane Quinn, Jornalista e historiador de renome, com foco em geopolítica e história da Segunda Guerra Mundial, com sede na Irlanda. É pesquisador associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização (CRG).

Fontes

Jo Adetunji, “Entendendo o evangelicalismo na América hoje”, The Conversation,  4 de agosto de 2021

“A religião desempenha um grande papel na presidência de Bush”, ABC News,  21 de maio de 2001

Noam Chomsky, Global Discontents: Conversations on the Rising Threats to Democracy, com David Barsamian (Hamish Hamilton; 1ª edição, 5 de dezembro de 2017)

Luiz Alberto Moniz Bandeira, The Second Cold War: Geopolitics and the Strategic Dimensions of the USA (Springer 1st ed., 23 de junho de 2017)

Patrick J. Buchanan, “Discurso à Convenção Nacional Republicana”, American Rhetoric Online Speech Bank,  17 de agosto de 1992

Paul Steinhauser, “Pesquisa: mais desaprovam Bush do que qualquer outro presidente”, CNN,  1 de maio de 2008

RT, “EUA responsáveis ​​por dois terços de todos os conflitos militares – alto escalão da Rússia”,  27 de novembro de 2014

Elena Chernenko, Alexander Gabuev, “’Na Ucrânia, os interesses dos EUA são incompatíveis com os interesses da Federação Russa’, chefe da Stratfor, George Friedman, sobre as raízes da crise na Ucrânia”, US-Russia.org,  17 de janeiro de 2015

Luiz Alberto Moniz Bandeira, The World Disorder: US Hegemony, Proxy Wars, Terrorism and Humanitarian Catastrophes (Springer; 1ª ed., 4 de fevereiro de 2019)

Watson Institute for International and Public Affairs, Costs of War,  agosto de 2021

“O presidente Bush participa da cerimônia de assinatura com o secretário-geral da OTAN De Hoop Scheffer para os Protocolos de Adesão à OTAN para a Albânia e a Croácia”, Bush White House Archives,  24 de outubro de 2008

TeleSUR, “Ucrânia um ano depois da deposição do presidente”,  22 de fevereiro de 2015

Matt Compton, “O presidente Obama descreve uma nova estratégia militar global”, Arquivos da Casa Branca de Obama,  5 de janeiro de 2012

Kristin Huang, “Destruidor dos EUA avistado na costa de Xangai quando a Marinha do PLA inicia o exercício de 11 semanas no Mar Amarelo”, South China Morning Post,  15 de maio de 2020

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.