EUA enviam generais em missão ao Brasil para barrar aproximação de Lula com a China

Leonardo Sobreira

Pressão vem pouco tempo após o presidente Lula declarar, quando estava na China, que o Brasil não pode ser impedido de desenvolver cooperação com Pequim

Bandeiras dos Estados Unidos e do Brasil Bandeiras dos Estados Unidos e do Brasil (Foto: Alan Santos/PR)

247 – Cercada de mistério, a missão dos generais estadunidenses no Brasil teve ao menos um objetivo explícito: barrar a crescente aproximação do presidente Lula com a China, principal rival geopolítico de Washington e que vem ampliando sua influência na América Latina por meio de investimentos em diversas áreas.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca que uma das integrantes da comitiva militar estadunidense, a general Laura Richardson, chefe do Comando Sul das Forças Armadas dos EUA, é uma das figuras anti-China mais proativas. Ela alegou, em março deste ano, que Pequim tem a intenção de “burlar normas internacionais” com o objetivo de “propagar sua marca autoritária”.

No Brasil, Richardson encontrou-se com o ministro da Defesa, José Múcio, os comandantes da Marinha, almirante Marcos Olsen, do Exército, general Tomás Paiva, e da Aeronáutica, brigadeiro Marcelo Damasceno, e com o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante Renato Rodrigues de Aguiar Freire. Também visitou o Comando de Defesa Cibernética, acompanhada da embaixadora Elizabeth Frawley Bagley.

Os exércitos estadunidense e brasileiro concluíram uma série de acordos de ação, planejando “149 atividades durante as conversas” no Brasil. “Nos próximos anos, ambos os exércitos continuarão com intercâmbios bilaterais de pessoal, exercícios combinados e outras atividades militares profissionais”, informou o Comando Sul do Exército dos EUA.

A intenção da visita oficial dos militares estadunidenses ao Brasil foi explicitada por Brian A. Nichols, secretário-adjunto para Assuntos do Hemisfério Ocidental, em entrevista ao mesmo periódico. No Brasil, ele disse que os acordos firmados entre a China e países da América do Sul são “enganosos” financeiramente e afirmou que os EUA ainda têm capacidade de oferecer termos melhores.

Apesar da ofensiva diplomática dos EUA, a aproximação com a China não mostra sinais de enfraquecimento. Múcio deve visitar a China ainda este ano, em um sinal de aprofundamento da parceria estratégica. Os investimentos chineses no Brasil também estão a pleno vapor, à medida que Lula persegue uma política externa independente e neutra.

O País também busca investimentos estrangeiros, e a capacidade da China de cumprir um papel importante no crescimento econômico projetado pelo governo foi destacado durante a visita oficial de Lula a Pequim, em abril. O comunicado final listou uma série de áreas de possíveis investimentos, como portos, ferrovias e transição energética.

Durante a visita, Lula deixou claro que o Brasil não pode ser impedido de desenvolver cooperação com a China. “É uma demonstração de que queremos dizer ao mundo que não temos preconceitos nas relações com os nossos homólogos chineses. Ninguém vai proibir o Brasil de melhorar as relações com a China”, disse o presidente em encontro com o homólogo Xi Jinping, referindo-se a uma visita à fábrica da Huawei, empresa amplamente sancionada pelos EUA.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/eua-enviam-generais-em-missao-ao-brasil-para-barrar-aproximacao-de-lula-com-a-china

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 8 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.