EUA aproximam mundo de uma guerra nuclear por ‘vitória’ e desprezo a acordos, diz Lavrov
10 de julho de 2020
Pânico em Washington: míssil apocalíptico chinês pode atingir EUA em apenas 30 minutos
11 de julho de 2020

EUA planejam invadir Venezuela através da Colômbia

De olhos na Venezuela

By Lucas Leiroz de Almeida

A Colômbia está sob um governo pró-Washington. O atual presidente do país, Iván Duque Márquez, é conhecido por uma série de políticas de alinhamento com os Estados Unidos, continuando o legado de seu antecessor, o ex-presidente Juan Manuel Santos, que fez da Colômbia um “parceiro global” da OTAN, permitindo que o país a participar de operações militares conjuntas da aliança militar ocidental. Em geral, o longo cenário de crises e tensões na Colômbia, marcado pelo narcotráfico e o conflito entre facções criminosas e partidos rebeldes, levou seus governos a uma política de alinhamento com Washington em troca de segurança, que aumentou nos últimos anos.

No entanto, nem todos os políticos colombianos aprovam essas medidas. Recentemente, o senador de esquerda Iván Cepeda pediu ao presidente do Congresso da Colômbia, Lidio García, que convocasse uma sessão para investigar e controlar legalmente o governo em sua colaboração com a chegada constante de soldados americanos no país. Segundo Cepeda, a presença desse pessoal militar é hostil à Colômbia, afetando profundamente a manutenção da soberania nacional.

Cepeda alega que o governo deve consultar o Congresso Nacional antes de permitir que os militares americanos cheguem. Uma decisão recente do Supremo Tribunal de Cundinamarca provou que Cepeda estava certa. Segundo os juízes da Corte, a decisão unilateral de permitir a entrada de tropas estrangeiras viola a Constituição Nacional da Colômbia, e o Poder Executivo deve submeter previamente o assunto ao Congresso. Por esse motivo, a Corte solicitou ao governo o envio de informações sobre as operações conjuntas em andamento, com o objetivo de esclarecer o motivo da chegada das tropas americanas. O prazo para envio do relatório era 6 de julho e não foi cumprido pelo governo – que alega que apelará da decisão. Devido à não conformidade, a Cepeda apresentou um pedido para o estabelecimento de uma sessão especial no Congresso.

O número exato de militares dos EUA no país é incerto, o que levanta ainda mais suspeitas sobre o caso. Algumas fontes dizem que existem mais de 800 americanos, enquanto outras dizem que têm entre 50 e 60 militares. Nenhuma nota oficial foi dada pelo governo para explicar as razões e o número exato de soldados. Por outro lado, a Embaixada Americana na Colômbia, sob pressão, comentou o caso, dando uma resposta insatisfatória. Segundo diplomatas americanos, militares estão chegando à Colômbia para realizar operações conjuntas para combater o narcotráfico. Aparentemente, essas operações teriam como objetivo realizar um cerco contra a Venezuela e Nicolás Maduro, que, segundo Donald Trump, tem vínculos com o narcotráfico na região. É importante lembrar que as acusações de Trump contra Maduro nunca foram substanciadas e foram fornecidas evidências de tais ligações entre o presidente venezuelano e o narcotráfico.

Recentemente, mercenários colombianos invadiram a Venezuela por mar em navios americanos. As forças de segurança venezuelanas neutralizaram o ataque, mas desde então ficou claro que a Colômbia está disposta a colaborar com os EUA para derrubar o governo de Nicolás Maduro. Aparentemente, portanto, as tropas americanas que chegam ao país estão se preparando para um próximo passo neste antigo projeto americano de ocupação da Venezuela.

A justificativa de que o governo venezuelano tem vínculos com o narcotráfico se torna ainda mais curiosa quando o aliado americano é precisamente a Colômbia, um estado que historicamente tem laços estruturais com o crime organizado e o comércio ilegal de drogas na América do Sul, sendo considerado por especialistas em todo o mundo. mundo como um verdadeiro narco-estado. Da mesma forma, os Estados Unidos não são inocentes de escândalos envolvendo tráfico internacional. A CIA tem sido repetidamente acusada de colaborar com redes criminosas em todo o mundo. A invasão americana do Afeganistão em 2001 garantiu aos EUA o controle total da produção de ópio na região. No México, em troca de informações e recursos, a inteligência americana colaborou várias vezes com as atividades do chamado Cartel de Guadalajara. Ainda assim, durante anos, a inteligência americana colaborou com o general panamenho Manuel Noriega, que se envolve publicamente no narcotráfico desde os anos 1960, em troca de apoio militar contra guerrilheiros na Nicarágua.

De fato, podemos ver que o narcotráfico é uma justificativa imperfeita e inconsistente para uma invasão contra a Venezuela. A Colômbia e os Estados Unidos têm evidências muito mais credíveis e notórias do tráfico de drogas e são precisamente os países que articulam essa operação. Podemos imaginar as reais razões por trás disso: incapaz de manter sua hegemonia global, Washington tenta desesperadamente garantir seu poder na América Latina e, por isso, tenta derrubar Maduro; A Colômbia presta apoio aos EUA em troca de uma máscara para suas próprias atividades criminosas, realizadas em conluio pelo governo e redes criminosas de grupos de narcotráfico – essas atividades serão falsamente atribuídas a Maduro.

De qualquer forma, o que parece claro agora é que os EUA planejam invadir a Venezuela através da Colômbia.

*

Este artigo foi publicado originalmente em InfoBrics.

Lucas Leiroz é pesquisador em direito internacional na Universidade Federal do Rio de Janeiro.


A imagem em destaque é da InfoBrics

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − sete =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.