Lula: "lava jato" deu prejuízo de R$ 142 bi e quase destruiu o Brasil
8 de fevereiro de 2020
Líder supremo do Irã: planos do inimigo contra Teerã estão condenados ao fracasso
8 de fevereiro de 2020

Exército sírio mantém 9 postos de Idlib turcos em cerco, prontos para a batalha do confronto

 

O exército sírio já alvejou 9 dos 12 postos avançados turcos montados na província noroeste de Idlib, enquanto os dois exércitos se preparam para um confronto final sobre a última província síria que ainda se mantém contra o regime de Assad.

Ancara reforçou seus postos avançados em Idlib, no setor leste da província, depois que bombardeios sírios mataram oito tropas turcas e o exército sírio chegou aos arredores da cidade de Idlib.

No sábado, 8 de fevereiro, uma delegação russa de alto escalão chegou a Ancara para tentar evitar um confronto total entre os exércitos turco e sírio sobre Idlib. Enquanto isso, na sexta-feira à noite, o exército turco aumentou sua força com reforços. Um grande comboio de 150 APCs carregando forças especiais de comando turco cruzou a fronteira e o exército turco foi colocado em prontidão para a guerra. Na terça-feira, eles estavam cumprindo o voto do presidente Recep Erdogan de não permitir que forças sírias ganhassem território adicional na província de Idlib.

Mas dois dias depois, ele enfrentou o constrangimento dos ganhos militares sírios. Os sírios reagiram a essa ameaça empurrando para a periferia sul da cidade de Idlib e capturando Maarat al-Numan e Saraqib de rebeldes sírios pró-turcos, com a ajuda de milícias xiitas afegãs sob o comando de oficiais da Guarda Revolucionária Iraniana e o apoio de pesados Bombardeios aéreos russos. As duas cidades estratégicas controlam as ligações da rodovia norte M4 e M5 para Alepo e Damasco.

Erdogan ameaçou Moscou que, se o impulso sírio continuasse com o apoio da força aérea russa, o pacto de Astana, que Moscou iniciou há dois anos entre Rússia, Turquia e Irã para uma resolução política acordada do conflito sírio, desmoronaria. As batalhas de Idlib já geraram uma saída massiva de refugiados da província. Erdogan ameaçou que, se o exército sírio continuar sua campanha, ele não impediria um fluxo estimado de 1,5 a 3 milhões de refugiados que se espera que entrem na Turquia cheguem à Europa.

https://www.debka.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.