Chile: Câmara dos Deputados aprova abertura de impeachment contra Sebastián Piñera
10 de novembro de 2021
Na Comuna El Maizal, 4,5 mil famílias constroem projeto socialista para Venezuela
10 de novembro de 2021

“Governo brasileiro tem tratado a natureza como um problema financeiro”, diz deputado na COP26

Único parlamentar pernambucano na conferência, Carlos Veras relaciona crimes ambientais a violações dos Direitos Humanos

Vinícius Sobreira

Brasil de Fato | Recife (PE) |

09 de Novembro de 2021 às 15:28

Carlos Veras (à direita) é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal – Reprodução

Desde o dia 1º de novembro até o próximo dia 12 está acontecendo, em Glasgow (na Escócia) a 26º Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-26). O encontro tem como principal pauta o acompanhamento das metas definidas pelos países no Acordo de Paris. Assinado por 190 países em 2015, o acordo estabelece metas a serem alcançadas até 2050. A principal meta é a redução das emissões de gases do efeito estufa num nível que garanta uma elevação da temperatura em no máximo +2ºC até o fim do século.

O Brasil, país com maior biodiversidade do planeta e que detém em seu território a maior parcela da floresta amazônica, sempre foi referência mundial nos debates sobre o meio ambiente. Mas o país perdeu essa posição desde o início do governo Bolsonaro (2019). Ricardo Salles, que foi ministro do meio ambiente durante a maior parte do governo Bolsonaro, atacava publicamente organizações ambientais e defendia empresas que praticavam desmatamento ilegal para tráfico de madeira. Ele foi trocado no início de 2021 pelo novo ministro Joaquim Leite, que era auxiliar de Salles, mas é “mais moderado” em público.

Veja também:

Joaquim Leite foi o representante do governo brasileiro em Glasgow, mas a atual gestão parece menos interessada em frear o desmatamento e preservar o meio ambiente e mais interessada em ganhar dinheiro vendendo “créditos de carbono”. Nessa proposta encabeçada pelo Brasil, os países com maior emissão de dióxido de carbono pagariam para o Brasil preservar a Amazônia (já que a floresta “limpa” o gás na atmosfera). Mas o governo brasileiro teria certa liberdade para usar esse dinheiro, inclusive investindo em setores negativos para o meio ambiente, como o agronegócio.

Mas o Brasil já tinha acesso a recursos para preservar a Amazônia, como o Fundo Amazônia (mantido principalmente por Alemanha e Noruega), recurso que deveria ser utilizado exclusivamente para ações de preservação. Mas o governo Bolsonaro além de não utilizar o recurso, ainda estimulou o desmatamento e a grilagem na floresta amazônica. As ações do governo Bolsonaro levaram ao encerramento do Fundo Amazônia.

Inimigo do tema, o presidente Jair Bolsonaro não quis participar da COP-26. Em contrapartida, alguns representantes do Congresso Nacional foram à Conferência, a exemplo da primeira deputada indígena, Joenia Wapichana (REDE-RR).

De Pernambuco, o único representante foi o deputado federal Carlos Veras (PT), que foi como representante da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal. Em entrevista ao Brasil de Fato Pernambuco, concedida ainda de Glasgow (Escócia) nesta segunda-feira (8), o deputado falou sobre como ataques ao meio ambiente afetam a população.

Brasil de Fato Pernambuco: o senhor recebeu a responsabilidade de representar a Comissão de Direitos Humanos no encontro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Gostaria que explicasse essa relação entre os retrocessos ambientais e os ataques direitos básicos da população.

Veras: No Brasil temos exemplos claros dessa relação, como no caso de Mariana [município de Minas Gerais afetado pelo rompimento da barragem do Fundão, das empresas Vale e BHP Billiton, em 2015] e Brumadinho [em 2019 foi a vez da barragem do Córrego do Feijão, também em MG], dois crimes ambientais, e sabemos a situação em que vive a população hoje, ainda sofrendo e com direitos violados.


Carlos Veras (PT) é o primeiro agricultor familiar eleito deputado federal por Pernambuco / Cléia Viana/ Câmara dos Deputados

Outros exemplos são as queimadas na Amazônia, o garimpo nas terras indígenas – que sempre é debatido na Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal. A desertificação no Sertão, a quantidade de venenos agrotóxicos liberados pelo governo brasileiro – inclusive com pulverização aérea, prejudicando a população. Esse debate do clima tem a ver com a desigualdade social, com os ataques aos Direitos Humanos.

O Governo brasileiro deixou de lado, abandonou a agricultura familiar, não tem mais apoio do Governo Federal. Os projetos de lei (PLs) para essa população são sempre vetados pelo presidente. Mas é a agricultura familiar que garante a defesa da natureza e a produção orgânica de alimentos, sem uso de veneno. São eles que podem ajudar no reflorestamento. São também os povos indígenas que mantém a Amazônia em pé. E não se pode falar de questões climáticas sem falar da demarcação de terras indígenas e titulação das terras quilombolas.

E essa ausência de políticas públicas tem efeitos climáticos, que têm contribuído para termos hoje 125 milhões de brasileiros com dificuldade de acesso a alimentação. A nossa missão aqui na COP-26 é fazer esse debate. Aqui temos várias vozes brasileiras, muita gente da sociedade civil e governos estaduais; e um stand separado que é o Governo Federal, que não é a mesma coisa.

O Governo Federal está aqui tentando dar uma ‘pedalada’, dizendo que vai reduzir em 50% a emissão de gases do efeito estufa. O compromisso anterior era de 46%. Então está ficando na mesma, trocou seis por meia-dúzia. E o mundo e os cientistas olham com extrema desconfiança para o Brasil. Eles dizem que o Brasil teria condições de reduzir as emissões em 80%. Mas o governo tem tratado a natureza como um problema financeiro. Estamos aqui para mostrar, denunciar os crimes ambientais do governo Bolsonaro. Viemos colocar em pauta os indígenas, os quilombolas e a agricultura familiar.

BdF Pernambuco: Existem pelo menos quatro fortes questões ambientais em Pernambuco. O Recife é a 16ª cidade do mundo com maior risco diante dos impactos das mudanças climáticas; na região de Suape, no litoral Sul do estado e na Zona da Mata temos muitos casos de grandes empresas despejando substâncias tóxicas no meio ambiente e prejudicando famílias; e no Sertão temos o desmatamento e desertificação da Caatinga, além do projeto de instalação de usina nuclear às margens do São Francisco. O senhor teve a oportunidade de participar de algum painel que contribua com alguma dessas temáticas?

Veras: O prefeito do Recife, João Campos (PSB), esteve aqui na COP participando de algumas atividades e buscando cooperação para algumas questões do Recife. O governador Paulo Câmara (PSB) também deve assumir compromissos e anunciar cooperações para atuar na questão climática em Pernambuco, nos temas de reflorestamento, reduzir a emissão de dióxido de carbono (CO2). Esses debates eu pretendo continuar fazendo no estado.

Espero que após a COP-26 os governadores, prefeitos e chefes das nações se empenhem para cumprir de fato o que assinaram. Porque assumir o compromisso e não cumprir, não adianta nada. E a Terra pede socorro. Não dá para continuar vivendo do jeito que vivemos no Brasil e no mundo. Precisamos parar de explorar o planeta e passar a cuidar dele. Então é necessário ter atitude.


Na COP-26 o deputado participou de encontro com o governador Paulo Câmara (PSB) e o secretário de meio ambiente, José Bertotti (PCdoB) / Reprodução

BdF Pernambuco: O que o senhor destaca como principais painéis ou debates que assistiu e participou na COP-26?

Veras: Aqui são diversos painéis. Acabo de participar de um sobre como ações no campo jurídico podem contribuir com a defesa da natureza e frear ataques aos Direitos Humanos. Um debate riquíssimo, com um conjunto de entidades, com governadores, parlamentares. Aqui há uma articulação mundial entre defensores de Direitos Humanos e sairemos daqui com uma grande rede articulada para seguir defendendo essas pautas.

Quando chegar ao Brasil vou apresentar um requerimento para a realização de audiência pública para tratar dessa relação ‘clima e Direitos Humanos’ e reunir os deputados e deputadas do campo progressista para apresentar um projeto de lei para proibir empresas de alguns setores de continuarem poluindo e desmatando tanto, atacando nossa natureza.

BdF Pernambuco: Mudando de tema. Nesta terça (9) temos a votação em segundo turno da PEC 23 [PEC dos Precatórios], que permite ao Governo Federal adiar o pagamento das dívidas e, segundo o governo, isso vai viabilizar (por apenas um ano) o Auxílio Brasil, programa que substitui o Bolsa Família. A votação em primeiro turno foi apertada [o governo precisava de 304 votos e obteve 308], mas gerou fortes críticas, principalmente ao PDT, partido do campo progressista, mas que votou a favor da PEC. Você teve conversas sobre o tema? Há expectativa é de mudança no placar?

Veras: De modo muito sacana o governo tem tentado dizer que essa é a ‘PEC do Auxílio Brasil’, mas não tem nada a ver. O Auxílio Brasil se faz através de Medida Provisória (MP) que deve ser votada até o dia 7 de dezembro. Nesta terça é PEC dos Precatórios ou ‘do Calote’.

Infelizmente o PDT acabou caindo numa narrativa que levou eles a orientar o partido a votar a favor, dizendo que era para garantir 60% dos precatórios para os professores – mas isso já está garantido em lei, inclusive uma lei do deputado e vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL do Amazonas), que nós votamos a favor, depois o presidente vetou, mas nós derrubamos o veto.

Estamos trabalhando para reverter o placar dessa PEC que autoriza o governo a meter a mão nos precatórios dos professores e professoras, que lutaram, que esperaram o julgamento, que ganharam e agora veem o governo querer meter a mão no seu dinheiro. É gente que precisa desse recurso para quitar dívida ou para ter sua casa própria, muitos idosos que estão esperando esse recurso.

Assista também:

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/2021/11/09/governo-brasileiro-tem-tratado-a-natureza-como-um-problema-financeiro-diz-deputado-na-cop26

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.