Guerra e paz: a “simples” diferença entre as cúpulas do G7 e China-Ásia Central

José Reinaldo Carvalho

José Reinaldo Carvalho

Jornalista, editor internacional do Brasil 247 e da página Resistência: http://www.resistencia.cc

José Reinaldo Carvalho

Biden em Hiroshima pede sanções, derrota da Rússia e barra negociações. Em Xi’An, discurso de Xi propõe desenvolvimento, estabilidade e paz

(Foto: Site da Rádio Internacional da China)

José Reinaldo Carvalho, 247 – Neste fim de semana realiza-se na simbólica cidade japonesa de Hiroshima a cúpula do G7, que reúne o imperialismo coletivo liderado pelos Estados Unidos. Além da superpotência norte-americana, são membros do grupo o anfitrião Japão, a Alemanha, França, Itália, Reino Unido e Canadá. A União Europeia tem cadeira cativa. O encontro deste ano convidou países do chamado Sul Global, emergentes como Brasil, Índia, Indonésia, Vietnã, entre outros. O presidente Lula, tarimbado estadista e líder empenhado na solução de problemas globais, vai levar a palavra do gigante do Cruzeiro do Sul em favor da paz mundial e da busca de uma solução política para o conflito na Ucrânia.

Durante os preparativos da cúpula, ficou claro que, embora ausentes do evento, por não serem membros do G7 nem convidados, a Rússia e a China estão no foco dos debates e resoluções.

É um G7 geopolítico que se realiza em meio a graves tensões entre os Estados Unidos e a China. O encontro entre os altos diplomatas dos dois países, Jake Sullivan e Wang Yi,  realizado há duas semanas em ambiente diplomaticamente franco e amistoso na neutra Viena, não foi suficiente para convencer os Estados Unidos a cessar a hostilidade com o gigante asiático, a guerra econômica e tecnológica e o cerco estratégico e militar na Ásia e no Indo-Pacífico. Principalmente na sensível questão de Taiwan, prossegue a ação provocativa estadunidense de apoiar os separatistas da ilha, mesmo diante da reiteração da posição chinesa de que pretende a reunificação pacífica, mas pode ir às últimas consequências caso os intentos independentistas estimulados desde o exterior prossigam. A mentalidade de guerra fria continua por parte dos Estados Unidos e a contenção da China permanece no centro da política externa americana.

O presidente dos Estados Unidos chega a Hiroshima disposto a aprovar resoluções antichinesas, mesmo diante da manifestação contrária explícita de alguns líderes europeus, que buscam cultivar boas relações com o país socialista asiático, a partir dos seus interesses econômicos.

Quanto à Rússia, o G7 se realiza com a perspectiva de mais sanções econômicas severas e maior presença militar do imperialismo coletivo no conflito, uma sinalização de que os EUA e seus parceiros apostam numa guerra prolongada.

Os apelos de Lula e da China por uma solução política para o conflito tendem a cair no vazio em Hiroshima. A palavra de ordem do chefe da Casa Branca é derrotar a Rússia, o que significa barrar qualquer iniciativa de abrir negociações e promover diálogos que conduzam ao menos a um cessar-fogo.

Durante esta semana, um enviado especial de Pequim foi a Kiev, onde se reuniu com autoridades diplomáticas ucranianas. Ouviu do ministro do exterior Dmitri Kuleba que a condição para sentar-se à mesa de negociações é a retirada imediata e incondicional da Rússia dos territórios que, por força dos resultados alcançados até agora na Operação Militar Especial e de decisões plebiscitárias das populações locais, hoje pertencem à Rússia.

A presença de Zelensky na cúpula de Hiroshima, anunciada de última hora, só servirá para acrescentar elementos de tensão mundial ao evento. Neste quadro, a cúpula do G7 entrará para a história como o encontro geopolítico que abre uma nova fase de engajamento das potências imperialistas na guerra prolongada contra a Rússia.

Enquanto isso, na histórica cidade chinesa de Xi’An, porta da antiga Rota da Seda, Xi Jinping  recebe chefes de Estado dos países da sensível região da Ásia Central.

O imperialismo, em sua estratégia de multiplicação de focos de conflito, busca usar alguns desses países para fustigar a China. Na cúpula de Xi’An, o presidente chinês, Xi Jinping, traçou nesta sexta-feira o rumo para a cooperação China-Ásia Central na nova era em uma cúpula considerada notável com os líderes de cinco países da Ásia Central.

A Cúpula China-Ásia Central contou com a presença do presidente cazaque, Kassym-Jomart Tokayev, do presidente quirguiz, Sadyr Japarov, do presidente tajique, Emomali Rahmon, do presidente turcomano, Serdar Berdimuhamedov, e do presidente uzbeque, Shavkat Mirziyoyev.

Xi fez uma proposta de oito pontos que vão desde a expansão dos laços econômicos até o fortalecimento dos intercâmbios culturais e a salvaguarda da paz regional.

Desenvolvimento compartilhado, cooperação, estabilidade e paz, são as propostas do líder chinês, típicas do novo mundo multipolar, enquanto em Hiroshima os líderes do decadente imperialismo tocam as trombetas e fazem rufar os tambores da guerra

Fonte: https://www.brasil247.com/blog/guerra-e-paz-a-simples-diferenca-entre-as-cupulas-do-g7-e-china-asia-central

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.