Investidores de mercados emergentes descartam dívidas em dólar ante declínio global da moeda

Pirâmide do dólar - Sputnik Brasil, 1920, 21.05.2023

CC0 / /

Os EUA têm enfrentado uma crise econômica, com preços de energia mais altos do que o normal e inflação agravada por uma crise de endividamento com alto risco de inadimplência. Enquanto isso, os países do BRICS estão pensando em uma maneira de desdolarizar a ordem do comércio internacional.

Os investidores de mercados emergentes estão se afastando lenta, mas constantemente de dívidas e ativos nominais em dólares, preferindo colocar seu dinheiro suado em títulos em moeda local, revelou uma análise do provedor de dados de fluxo de fundos e alocação de ativos EPFR Global.

De acordo com os números da empresa, os investidores retiraram US$ 2,65 bilhões (cerca de R$ 13,2 bilhões) líquidos de ativos nominais principalmente em dólares entre janeiro e abril de 2023, mas adicionaram US$ 5,23 bilhões (aproximadamente R$ 26,1 bilhões) líquidos em fundos de títulos em moeda local.

Analistas de mercado atribuem a mudança aos rendimentos atraentes e à queda da inflação nos mercados locais de títulos, e a um dólar cada vez menos atraente em meio à incerteza em torno da volatilidade relacionada à taxa de juros, que tem prejudicado bastante a atratividade dos títulos do Tesouro dos EUA para os investidores e culminou no colapso do Silicon Valley Bank (SVB) em março e no pânico no mercado financeiro.

O gerente de portfólio de dívidas de mercados emergentes da Fidelity International, Paul Greer, espera que a tendência de enfraquecimento da demanda por dívidas e ativos nominais em dólares continue pelo resto do ano. O diretor de investimentos da ABP Invest, Thanos Papasavvas, diz que houve uma “clara divergência entre títulos de mercados emergentes locais e em moeda forte [normalmente dólares e outras principais moedas ocidentais, ed.] nos últimos trimestres, com a dívida em moeda local em um cenário mais atraente em uma base fundamental e de avaliação”.

Dólar em chamas - Sputnik Brasil, 1920, 07.05.2023

Panorama internacional

Se China abandonar o dólar americano, as consequências para os EUA ‘podem ser severas’, diz mídia

7 de maio, 10:10

A tendência de um afastamento cauteloso do dólar, que continua a manter o cobiçado status de moeda de reserva de fato do mundo no comércio, ocorre em meio ao crescente risco de os EUA não pagarem sua enorme dívida de US$ 31,8 trilhões (cerca de R$ 159 trilhões) em meio a disputas entre a Casa Branca e os Republicanos no Congresso sobre os gastos federais e o limite da dívida.

Ao mesmo tempo, o afastamento ocorre quando o grupo de nações do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) pensa na criação de uma moeda comum para servir como alternativa ao dólar no comércio global, em meio aos crescentes esforços de Washington para usar sua moeda de forma punitiva contra países que não conseguem se alinhar à ordem econômica e geopolítica ocidental.

No início desta semana, o veterano investidor norte-americano, Jim Rogers, disse à Sputnik que o tempo do dólar como a principal moeda do mundo está chegando ao fim em meio à falta de neutralidade dos EUA e às preocupações com a credibilidade do país.

“Muitas pessoas estão começando a falar: espera aí, não sei se a gente quer usar esse dinheiro, porque um dia vai dar problema. Mas também, a moeda internacional do mundo deve ser completamente neutra. Qualquer pessoa pode usá-la para o que quiser. Entretanto Washington agora está mudando as regras. E se eles ficarem com raiva de você, eles o cortarão”, explicou Rogers. “Até os amigos da América estão preocupados que algo possa acontecer com eles”, pontuou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.