A ameaça da estagflação
6 de setembro de 2021
Sem jovens, manifestações de Bolsonaro foram de homens brancos, velhos e raivosos
8 de setembro de 2021

Irã não se curvará as pressões ocidentais

Raisi do Irã se diz pronto para o renascimento das negociações nucleares, mas não sob ‘coação’ ocidental


Ebrahim Raisi, who assumed office as Iran's president this month, speaks during a news conference in Tehran, Iran June 21, 2021. - Sputnik International, 1920, 04.09.2021

O conservador linha dura Ebrahim Raisi

Anteriormente, após uma interrupção nas negociações após as eleições iranianas em junho, a França e a Alemanha encorajaram o Irã a retomar as negociações nucleares, com Paris pressionando por um reinício imediato em meio às preocupações ocidentais sobre a escalada das atividades nucleares de Teerã. O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse no sábado que Teerã está disposto a iniciar discussões com os países participantes para ressuscitar o acordo nuclear de 2015, mas não sob pressão do Ocidente. Raisi também destacou durante uma entrevista transmitida à agência de notícias IRNA que Teerã está buscando negociações que acabarão por levar ao alívio das sanções dos EUA. “Afirmei anteriormente que a questão das negociações será, é claro, central para nosso governo, mas não com a pressão que eles [os países ocidentais] estão aplicando [contra o Irã]. As negociações não terão sucesso se continuarem sob coação, “Raisi é citado como dizendo. “As negociações estão na ordem do dia … Estamos buscando negociações voltadas para objetivos … então as sanções ao povo iraniano são suspensas.” No início do dia, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Saeed Khatibzadeh, criticou os EUA pela mais nova rodada de sanções impostas a cidadãos iranianos que Washington alegou serem “agentes de inteligência”. Khatibzadeh enfatizou em seu discurso que “as atuais autoridades americanas estão perseguindo o caminho fracassado do governo anterior”.

No geral, mais de 1.500 pessoas, empresas, agências governamentais e grupos armados ligados ao Irã já foram sancionados pelos EUA. Na semana passada, de acordo com a agência de notícias nacional Mehr, o presidente emitiu uma proclamação selecionando Mohammad Eslami como o novo chefe da Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI). A administração do ex-presidente iraniano Hassan Rouhani escolheu Eslami como ministro das Estradas e Desenvolvimento Urbano. Ali Akbar Salehi liderava a AEOI na época.

No mês passado, França, Alemanha e Reino Unido expressaram “séria preocupação” com as avaliações de vigilância nuclear da ONU indicando que o Irã produziu urânio metálico enriquecido com 20% de pureza físsil pela primeira vez e aumentou sua capacidade de enriquecimento de urânio para 60%. Essas ações, alegaram os países, representaram “graves violações dos compromissos do Irã” no acordo nuclear de 2015, que limitou a pureza de refinamento de urânio de Teerã a 3,67%.

Além disso, as potências europeias puniram o Irã por restringir o acesso da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), retirando-se dos acordos de monitoramento nuclear. Por sua vez, o Irã insiste que seu programa nuclear é pacífico, que informou a AIEA sobre suas operações e que qualquer passo fora do acordo de 2015 seria revertido se os EUA voltassem ao acordo e revogassem as sanções. O Reino Unido, Alemanha, China, Rússia, EUA, França e Irã assinaram um Plano de Ação Global Conjunto (JCPOA) em 2015. O acordo incluiu o levantamento das sanções em troca de limitar o programa nuclear do Irã como garantia do não desenvolvimento de Teerã de armas nucleares. No entanto, em maio de 2018, o então presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu retirar-se unilateralmente e restabelecer as sanções duras contra o Irã. Em resposta, o Irã anunciou uma redução gradual de suas obrigações sob o acordo, abandonando as restrições à pesquisa nuclear, centrífugas e ao nível de enriquecimento de urânio. As negociações estão em andamento em Viena para restaurar o JCPOA e suspender as sanções dos EUA ao Irã, com a sexta rodada terminando em 20 de junho. De acordo com o Representante Permanente da Rússia para organizações internacionais em Viena, Mikhail Ulyanov, o trabalho para restaurar o acordo foi concluído por quase 90%, mas as questões políticas relacionadas às obrigações dos EUA não foram resolvidas. As autoridades iranianas disseram que o novo governo, formado após a posse de Raisi em 5 de agosto, continuará as negociações para restaurar o acordo.

https://sputniknews.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.