Justiça envia Força Nacional para operação de 3 meses na fronteira entre Brasil e Bolívia


Agentes da Força Nacional estabelecem zona de segurança após tumulto na fronteira entre Brasil e Venezuela - Sputnik Brasil, 1920, 16.03.2023

© Sputnik / Renan Lúcio /

Nesta semana, o uso da Força Nacional pelo governo ganhou dois destinos: o RN, que recebeu cerca de 200 agentes, e agora o Mato Grosso, mas especificamente na região onde fica a fronteira com a Bolívia, para que a força combata o tráfico de drogas.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, autorizou nos últimos dias o envio de soldados da Força Nacional para o estado do Rio Grande do Norte para conter a onda de violência. Agora o estado do Mato Grosso também receberá soldados da força por três meses para combater o tráfico de drogas na região fronteiriça Brasil-Bolívia.

A decisão foi publicada nesta quinta-feira (16) no Diário Oficial da União. De acordo com a portaria, a equipe a ser disponibilizada obedecerá ao planejamento definido pela diretoria da Força Nacional de Segurança Pública, da Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, relata o G1.

A mídia diz que entre 2019 e 2022, foi somado mais de R$ 1 bilhão relacionado ao prejuízo do crime organizado e ao narcotráfico. O montante é referente a drogas, veículos, aeronaves, moedas nacional e estrangeira, e contrabando, que foram apreendidos na região de faixa de fronteira com a Bolívia.

De 2019 a 2022 foram apreendidas mais de 48 toneladas de entorpecentes, na maior parte, substâncias análogas a cocaína e cloridrato de cocaína, transportadas da Bolívia para Mato Grosso via terrestre, por pessoas conhecidas como mulas, em veículos, pelos rios e vias aéreas.

Fonte: https://sputniknewsbrasil.com.br/20230316/justica-envia-forca-nacional-para-operacao-de-3-meses-na-fronteira-entre-brasil-e-bolivia-28072816.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 6 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.