Foco da Rússia será a aproximação com a China
24 de maio de 2022
10 homens mais ricos do mundo têm mesma riqueza que 3,1 bilhões de pessoas, diz relatório
24 de maio de 2022

Lavrov diz que Conselho de Direitos Humanos da ONU caiu em descrédito

Rússia se retirou do Conselho de Direitos Humanos da ONU por conta própria, diz chanceler

24 de maio de 2022, 03:52 h Atualizado em 24 de maio de 2022, 03:53

www.brasil247.com - Chanceler russo, Sergei Lavrov Chanceler russo, Sergei Lavrov (Foto: Alexander Zemlianichenko/Pool via REUTERS)

TASS – O Conselho de Segurança das Nações Unidas caiu em descrédito muito antes de a situação atual na Ucrânia começar, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, nesta segunda-feira (23).

“Nós nos retiramos do Conselho de Direitos Humanos por conta própria. Eles queriam nos expulsar dele, suspender nossa filiação. Decidimos fazer isso nós mesmos. O Conselho se desacreditou muito antes do início da situação atual na Ucrânia”, disse ele.

Em 7 de abril, a Assembleia Geral das Nações Unidas se reuniu para uma sessão especial sobre a Ucrânia e aprovou uma resolução sobre a suspensão da participação da Rússia no Conselho de Direitos Humanos da ONU. No mesmo dia, o vice-representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Gennady Kuzmin, disse que a Rússia havia decidido encerrar sua participação no Conselho, afirmando que este “foi realmente monopolizado por um grupo de países, que o estão usando em seu interesse egoísta interesses.”

Os membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU (47 países) são eleitos pela Assembleia Geral da ONU para um mandato de três anos. A Rússia foi membro do Conselho no período de 2006 a 2012 e de 2014 a 2016 e foi eleita para seu terceiro mandato, que começou em 1º de janeiro de 2021.

Lavrov disse que os políticos ocidentais que dizem que a Rússia deveria sofrer uma derrota são ruins em história.

“Mais uma vez, estamos vivendo um período como este em nossa história. Eles dizem que a Rússia deve “ser derrotada”, eles devem “derrotar a Rússia”, fazer a Rússia “perder no campo de batalha”, apontou Lavrov em um evento intitulado Cem Perguntas para um Líder.

“Eles devem ter se saído mal na escola”, disse Lavrov. “Eles tiraram conclusões erradas de sua compreensão do passado e da Rússia.”

A Rússia confiará apenas em si mesma e nos países, que provaram sua confiabilidade e não estão “dançando ao ritmo de ninguém”, disse Lavrov.

“Confiaremos apenas em nós mesmos e naqueles países, que provaram sua confiabilidade e que nunca estão ‘dançando ao ritmo de ninguém’. Se o Ocidente quiser oferecer qualquer coisa à Rússia em termos de retomada das relações, Moscou pensará duas vezes se precisa disso.”

“Quando eles acabarem com o frenesi e virem que a Rússia ainda está aqui e está se fortalecendo ano após ano. Se eles quiserem oferecer algo em termos de retomada das relações, pensaremos duas vezes se precisamos ou não muito disso”, disse Lavrov.

O chanceler russo também enfatizou que é de vital importância para seu país ser independente em esferas criticamente importantes. “Não estamos trabalhando apenas na substituição de importações. Devemos deixar de depender de qualquer forma do fornecimento de qualquer coisa do Ocidente para garantir o desenvolvimento de setores de importância crítica para a segurança, economia e esfera social de nosso país”, disse.

A interação econômica entre a Rússia e a China ganhará impulso no futuro próximo porque o Ocidente “detém a posição do ditador”, disse Lavrov.

“Atualmente, quando o Ocidente ocupar a posição de ditador, nossos laços econômicos com a China crescerão mais rápido. Além da receita direta para o orçamento do governo, isso nos oferece a oportunidade de implementar projetos de ampliação do Extremo Oriente e da Sibéria Oriental”, disse. “A maior parte dos projetos com a China está evoluindo. Esta é uma oportunidade para concretizarmos nosso potencial na área de alta tecnologia, incluindo o segmento de energia nuclear, e em todas as outras esferas”, acrescentou.

As relações entre Moscou e Pequim são baseadas em documentos doutrinários “caracterizando [esses] contatos como a parceria estratégica e a interação multifacetada”, disse o principal diplomata russo. “Temos uma longa fronteira com a República Popular da China e interesses comuns na defesa dos princípios de justiça e da ordem mundial multipolar nos assuntos internacionais. O benefício econômico mútuo é óbvio”, observou Lavrov.

A Rússia precisa se concentrar na região da Eurásia para desenvolver ainda mais o país e suas capacidades, disse Lavrov.

“O centro de crescimento global foi transferido para a Eurásia no momento. Temos a mais extensa rede de parcerias na região da Eurásia no momento. Precisamos contar com eles para o desenvolvimento de nosso país, suas capacidades de transporte, trânsito e logística, ” ele disse.

A Eurásia “está se tornando a região mais promissora do mundo”, observou o ministro.

“Precisamos lidar com seu desenvolvimento, não usando ferramentas de outra pessoa como o dólar, o sistema SWIFT de transferência de mensagens financeiras, mas criando nossas próprias ferramentas. Isso não é muito difícil de fazer”, disse o principal diplomata russo. “Já estamos aumentando significativamente a parcela do comércio atendido em moedas nacionais dos estados parceiros: Rússia – China, Rússia – Índia, Rússia – Irã e no âmbito da União Econômica da Eurásia. É preciso olhar para a frente. Sim, isso é um desafio. Devemos lidar muito mais ativamente com o desenvolvimento do nosso país. No entanto, isso também é uma grande vantagem e são oportunidades”, acrescentou Lavrov.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/lavrov-diz-que-conselho-de-direitos-humanos-da-onu-caiu-em-descredito

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.