Whatsapp de bolsonaristas revela plano para executar Lula
9 de novembro de 2019
Lula discursa para multidão, chama Moro de canalha e apresenta pauta contra governo de Bolsonaro
9 de novembro de 2019

Lula: a gente não pode permitir que os milicianos acabem com esse país

Ex-presidente Lula participa da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Em discurso emocionado no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, um dia após deixar a prisão, Lula faz críticas pesadas ao governo Bolsonaro e chama a militância para a luta: “a gente não pode ter medo”. Assista ao vivo

9 de novembro de 2019, 16:08 h Atualizado em 9 de novembro de 2019, 16:44

 

Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo (Foto: Paulo Pinto / Fotos Públicas)247 – Emocionando em cima de um carro de som no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, o ex-presidente Lula faz um discurso histórico na tarde deste sábado 9, um dia após ter sido solto de sua prisão política em Curitiba, onde ficou por 580 dias.

“Vocês não têm dimensão do que significa o dia de hoje para mim”, começou Lula, agradeceu a militância. “Lá em cima tá o helicóptero da Rede Globo de Televisão para falar merda outra vez sobre o Lula e sobre nós”, provocou em seguida.

Lula criticou o juiz que lhe condenou, Sergio Moro, hoje ministro de Bolsonaro, fez críticas à Lava Jato e lembrou do dia em que foi levado para ser preso pela Polícia Federal, no mesmo local, há um ano e sete meses.

“Quando um ser humano tem clareza do que ele quer na vida, do que ele representa e de que seus algozes estão mentindo, eu tomei a decisão de ir lá pra PF – eu poderia ter ido para uma embaixada, para outro país – porque eu precisava provar que o juiz Moro não era um juiz, era um canalha que tava me julgando. Que o Dallagnol não representa o MP, montou uma quadrilha com a força-tarefa da Lava Jato, inclusive para roubar dinheiro da Petrobras e das empreiteiras. Se eu tivesse saído do Brasil, eu seria tratado como fugitivo”, afirmou.

Lula disse, porém, que se preparou “espiritualmente para não ter ódio”. “Quando eu saí daqui eu tinha uma missão. Fiquei numa solitária e durante 580 dias eu me preparei. Me preparei para não odiar meus algozes. Eu dormia com a consciência tranquila”, disse.

O ex-presidente fez críticas pesadas ao governo Bolsonaro e chamou a militância para a luta, sem ter medo de ameaças de ditadura.

“Eu acho que não tem outro jeito. Não tem ninguém que conserta esse país se vocês não quiserem. Não adianta ficar com medo, ficar preocupado com as ameaças que eles fazem na televisão de que vai ter miliciano, vai ter AI-5. Este país é de 210 milhões e não podemos deixar que os milicianos tomem conta”, disparou.

“Eu não posso ver, aos 74 anos de idade, ver essa gente destruindo o país que nós construímos”, completou. Em seguida, Lula voltou a dizer que “está disposto a voltar a andar por esse país”.

O petista anunciou que fará um “pronunciamento ao povo brasileiro”. “Vou rabiscar”, disse. E visualizou a retomada do poder pela esquerda: “Se a gente trabalhar direitinho, em 2022 a chamada esquerda que o Bolsonaro tanto tem medo vai derrotar a ultradireita nesse país”. “Esse país não merece o governo que tem, que manda os filhos contar mentira todo dia”, completou.

Fonte: https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/lula-fui-para-a-pf-porque-eu-precisava-provar-que-moro-nao-e-um-juiz-e-sim-um-canalha

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.