Mídia chinesa critica G7 por posição sobre Taiwan

José Reinaldo

De acordo com a agência noticiosa Xinhua, o G7 erra novamente na questão de Taiwan

www.brasil247.com - (Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration)

Xinhua Dado que o princípio de Uma Só China é um consenso predominante entre a comunidade internacional e uma norma básica nas relações internacionais, a questão de Taiwan é um assunto interno da China no qual o G7 não está em posição de interferir.

Uma coisa foi suficiente na reunião dos ministros das Relações Exteriores do Grupo dos Sete (G7) desta semana na cidade turística japonesa de Karuizawa: acusação insustentável.

O clube rico enfatizou a necessidade de cautela contra o que chamou de “ameaças, coerção, intimidação ou uso da força” chinesas nos mares do leste e sul da China, principalmente em Taiwan, em um comunicado na terça-feira. O G7 voltou a usar um pretexto “elevado” para interferir nos assuntos internos da China e desacreditar a China.

Esses países ricos e arrogantes repetiram esses clichês várias vezes. No entanto, eles estão errados sobre o status quo no início.

Existe apenas uma China e ambos os lados do Estreito de Taiwan pertencem a uma e a mesma China. Este tem sido o status quo de Taiwan desde os tempos antigos. O Governo da República Popular da China é o único governo legal da China e Taiwan faz parte da China. Este é o status quo no Estreito de Taiwan que existe há décadas.

Dado que o princípio de Uma Só China é um consenso predominante entre a comunidade internacional e uma norma básica nas relações internacionais, a questão de Taiwan é um assunto interno da China no qual o G7 não está em posição de interferir.

O comunicado de fato indicou que “não há mudança nas posições básicas dos membros do G7 sobre Taiwan, incluindo políticas declaradas para a China”. Mas as ações não combinam com as palavras. Os Estados Unidos planejam vender até 400 mísseis Harpoon lançados de terra para Taiwan, no mais recente sinal de que alguns americanos pretendem usar Taiwan para conter a China. E esses atos e palavras estão enviando sinais errados para as forças da “independência de Taiwan”.

A questão de Taiwan está no cerne dos interesses centrais da China. Aqueles que optam por apoiar ou mesmo conspirar com os separatistas da “independência de Taiwan” estão violando, longe de defender, o princípio de Uma Só China e colocando em risco a paz e a estabilidade através do Estreito.

Ao se intrometer nos assuntos internos da China, as nações do G7 também reconheceram a necessidade de trabalhar em conjunto com a China nos desafios globais, incluindo mudanças climáticas, biodiversidade, segurança da saúde global e igualdade de gênero.

No entanto, o comunicado, também com difamações contra a China em Xinjiang, Tibete, Hong Kong e nos mares da China Oriental e Meridional, está cheio de arrogância, preconceito e intenções sinistras, expondo uma mentalidade de Guerra Fria e preconceito ideológico.

O G7 tem seus próprios problemas para resolver. Interferir nos assuntos internos de outros países só traz divisão e confronto na comunidade internacional.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/midia-chinesa-critica-g7-por-posicao-sobre-taiwan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + doze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.