Editorial do Estadão diz que Bolsonaro elevou o charlatanismo à condição de política de Estado
28 de julho de 2020
Rússia vence a corrida contra o coronavírus e realizará a vacinação em massa de sua população já em outubro
1 de agosto de 2020

Novas especializações no mundo da ciência

Nova Especialização “Brain Science”, “Neuroéticas”: Controle Remoto do Pensamento Humano, Neuroarmas, “Simulação de Personalidades”, Nanobotes

Prova que os políticos não conseguem lidar com “a crise da civilização”

Por Mojmir Babacek

Os rápidos avanços na ciência do cérebro, apoiados pelos fundos do governo de bilhões de dólares e euros, resultaram desde o início do século 21 no nascimento de um novo ramo da ciência – a neuroética. Nas publicações sobre esse tópico, cientistas engajados, familiarizados com os avanços na pesquisa do cérebro e percebem os riscos que esses avanços significam para a vida da sociedade. James Girodano, professor da Universidade de Georgetown e funcionário da agência americana de pesquisa de tecnologias militares avançadas DARPA, propôs no artigo da revista Bulletin of the Atomic Scientists que o governo dos EUA deveria monitorar a pesquisa do cérebro em todo o mundo para impedir o desenvolvimento de neuroweapons.

Ele também afirmou que o governo dos EUA e seus aliados devem “apoiar os esforços para melhorar a Convenção sobre Armas Biológicas para dar conta das ameaças às armas de neurociência”. No final do artigo, ele admitiu que não estava expressando as opiniões da agência DARPA ou do Departamento de Defesa Americano. No entanto, como funcionário da DARPA, ele deve estar ciente de que a CIA e diferentes agências de defesa dos EUA estão trabalhando nesse tipo de arma desde a década de 1950 do século passado (veja isso). Como funcionário do estado americano, ele não podia falar sobre isso para não divulgar informações de segurança nacional dos EUA. Ele escreveu apenas que os governos estão escondendo suas pesquisas por “classificações secretas de estado”.

A Dra. Sarah Lisanby, do Instituto Nacional de Saúde Mental de Maryland, pode produzir movimentos em diferentes partes do corpo humano, que os sujeitos de sua experimentação não podem suprimir, pela estimulação magnética do cérebro (veja isso). Ela só precisa enviar frequências de pulsos magnéticos correspondentes a frequências de atividades neuronais nas localizações cerebrais que controlam os movimentos do corpo, e isso não depende mais do livre arbítrio do sujeito, que movimento suas partes do corpo realizarão. Existem várias tecnologias que podem ser usadas para controlar a atividade do cérebro humano (veja isso), comportamento e pensamentos, mesmo à distância, mas continuam classificadas, porque os governos não estão dispostos a admitir aos cidadãos que estão em posse de tais tecnologias. A razão é que eles sabem que seus cidadãos exigiriam sua proibição imediata.

O único funcionário do governo que admitiu a existência dessas armas foi o ministro da defesa polonês Antoni Macierewicz em 2016. Quando, após vários meses, os jornalistas poloneses perguntaram ao Departamento de Defesa da Polônia se havia uma comissão de investigação estabelecida, que deveria investigar ataques eletromagnéticos. para os cidadãos poloneses, como prometido por Antoni Macierewicz, o departamento de defesa respondeu que essa é uma questão de segredo de estado, relacionada à defesa da nação (veja this).

Robert MC Creight, que trabalhou por 35 anos no Departamento de Estado dos EUA, entre outros como delegado dos EUA na Organização das Nações Unidas nas negociações sobre controle de armas (veja isso), escreveu:

“Que nação hesitaria em desenvolver e encontrar uma arma que pudesse controlar, moldar ou redirecionar pensamentos e ações humanas – dado o poder que essa arma produziria? … O poder de influenciar ou direcionar os pensamentos e comportamentos de outras pessoas sem que elas conheçam cruzamentos um limiar no comportamento humano e conduta criminosa que nunca encontramos ou examinamos seriamente. Podemos saber se insurreições civis, golpes encenados, tumultos urbanos ou revoltas nas fronteiras ocorreram naturalmente ou foram induzidos externamente?

Ele acrescentou que a produção de armas neurológicas não requer um conhecimento científico e tecnológico tão amplo como a produção de armas nucleares e concordou com James Giordano que acordos internacionais são necessários para impedir o abuso de descobertas da neurociência para deformar o livre arbítrio humano. Ele concluiu:

“O fato é que, a menos que um mecanismo globalmente aplicável seja planejado e acordado para controlar a conduta e os resultados da própria pesquisa em neurociência, podemos esperar que não encontremos salvaguardas ou garantias reais” (ver isso).

O professor de filosofia e psiquiatria da prestigiosa universidade alemã de Heidelberg, Thomas Fuchs, escreveu:

“Os pesquisadores estão começando a identificar processos cerebrais relacionados a experiências e conceitos como livre arbítrio, agência, julgamento moral, personalidade e eu. Ao mesmo tempo, esses processos tornam-se cada vez mais acessíveis a técnicas específicas de modificação. Esse desenvolvimento levanta problemas éticos cuja importância provavelmente superará até as implicações da genética moderna. Quais são as conseqüências sociais e culturais das tecnologias que permitem aos seres humanos manipularem suas próprias mentes? ”E“ novos métodos e técnicas, ao estabelecer correlatos neurais nus da identidade pessoal, causam problemas de direitos individuais de privacidade, não-interferência e inviolabilidade ”(de pessoal). identidade) (see this and this).

Askin Sokman, especialista na Universidade de Istambul, entre outros, em segurança internacional e controle de armas, escreveu no artigo “Usando tecnologias de nanotecnologia e neurociência no combate ao terrorismo” que é possível usar pesquisa neurocientífica “para aumentar a capacidade dos soldados (como combater por um período prolongado, coragem), bem como coletar informações, acabar com a capacidade de combater do inimigo, direcionar o comportamento das massas em operações psicológicas e fazê-las se render sem lutar “ (Veja this).

Já em 1997, o Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército dos EUA publicou um estudo, onde a seguinte imagem do futuro era descrita:

Potenciais ou possíveis apoiadores da insurgência em todo o mundo foram identificados usando o abrangente banco de dados integrado entre agências. Eles foram classificados como “potencial” ou “ativo”, com sofisticadas simulações de personalidade usadas para desenvolver, adaptar e focar campanhas psicológicas para cada uma (consulte this)”.

O sistema, que deve ser capaz de encontrar essas pessoas, já está sendo projetado nos EUA.(veja isto e isto).

Os métodos de controle remoto do pensamento humano também podem ser usados na propaganda. Um grupo de cientistas canadenses e americanos escreveu que já existem pelo menos dez empresas cujo objetivo explícito é usar essas tecnologias avançadas para começar a oferecer neuromarketing( veja isto).

Dessa maneira, um ser humano e seu “livre-arbítrio” podem facilmente se tornar objeto de manipulações por organizações estatais, industriais e comerciais ou serviços de inteligência estrangeiros. O fato de a existência dessas tecnologias não ser publicada apenas contribui para a impressão de que os governos estão se preparando para usá-las e transformar seus cidadãos em escravos (ou como o político russo Vladimir Lopatin colocou – em biorobôs (veja isso)), que implementará as idéias das elites sobre o próximo desenvolvimento da humanidade. Se não fosse esse o caso, os governos deveriam poder chegar a um acordo e banir armas internacionalmente, permitindo o controle remoto do cérebro humano. Em vez disso, estão aproveitando o fato de que seus cidadãos não estão cientes da existência dessas armas e, por esse motivo, não lhes pressionam a trabalhar nas legislações que proíbem a manipulação remota da mente humana em casa e no exterior.

Enquanto isso, até as pesquisas sobre o cérebro que não são classificadas avançam em mais de um ritmo acelerado. Os cientistas trabalham em um chip de silício contendo neurônios vivos, que podem ser inseridos no cérebro e usados ​​para produzir falsas memórias (veja isso) (em 2006, eles já produziam falsas memórias no cérebro de ratos usando eletrodos.

De acordo com a organização sem fins lucrativos Institute of Electric and Electronic Engineers (IEEE), após o desenvolvimento de tecnologias benignas para a humanidade, na Berkeley University, em 2018, foi produzido um “pó de estimulação”. Essas são partículas 3 a 4 vezes menores que um grão de arroz contendo cristal piezzo como atena. É possível transportar essa “poeira” para o cérebro e depois se comunicar com ele usando um computador e “ler” a atividade do cérebro e controlá-la. É capaz, por exemplo, de prevenir crises epilépticas ou uma aritmia cardíaca. Quando os cientistas colocaram essa partícula no neurônio de movimento de um rato, eles foram capazes de mover sua perna independentemente de sua situação ou vontade (veja isso).

As empresas de telefonia celular desenvolvem dispositivos que podem transportar a atividade cerebral diretamente para os celulares ou computadores e de lá para a Internet (veja isso). Tirar as idéias sem usar o teclado e executar os pensamentos sem usar o mouse ou o teclado certamente acelerará todas as ações. As pessoas ansiosas por serem eficazes no trabalho de escritório não poderão evitar o uso dessa tecnologia se quiserem permanecer competitivas. Espera-se que a sexta geração de telefones celulares conecte o cérebro à Internet (veja isso) e a quinta geração já seja onipresente e não haverá chance do ser humano escapar de seu alcance.

Os cientistas também desenvolveram “nanobotes” – partículas que eles inseririam no sangue e através das quais o cérebro poderia se comunicar com a Internet. Dessa maneira, o cérebro poderá extrair conhecimento sem aprender. Professor de engenharia mecânica da Universidade de San Diego, James Friend acredita que o uso efetivo de “nanobotes” pode começar dentro de cinco anos (veja isso).

Assim que o cérebro estiver conectado à Internet, será possível controlar sua atividade também. Os hackers terão apenas que expandir suas atividades para brincar com as ondas cerebrais usando a internet. Os políticos decidirão banir, de maneira verificável, o controle remoto da atividade do cérebro humano e também o controle de sua atividade pela Internet? Até agora, não há indícios de que em qualquer lugar do mundo os governos estariam trabalhando em legislação para proteger a atividade cerebral da manipulação externa.

É bom saber que para interferir com a atividade cerebral, são necessárias mais de cem vezes menos do que as energias necessárias para produzir disparo de neurônios (veja isso) e que, em experimentos com controle remoto do sistema nervoso animal, mais de cem vezes foram necessárias energias menores para produzir sua atividade, do que os limites de exposição a campos eletromagnéticos estabelecidos pela maioria dos governos do mundo(Veja  isto).

*

Imagem destacada: A neurotecnologia pode ajudar as pessoas com deficiência a usar seus pensamentos para controlar os dispositivos no mundo físico. Também pode ser útil em sistemas de armas. Empresas privadas, militares e outras organizações estão financiando pesquisas em neurotecnologia. Crédito:US Army.

https://www.globalresearch.ca

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − quinze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.