José Eduardo Cardozo: ‘Moro não é suspeito apenas, é suspeitíssimo de manipulação contra Lula’
3 de julho de 2020
O fortalecimento da Rússia e as mudanças constitucionais
3 de julho de 2020

O Russiagate e a nova Guerra Fria

 

Jogo perigoso: como os destroços da Russiagate desencadearam uma nova guerra fria

By Kyle Anzalone e Will Porter

The Libertarian Institute

3 Jul 2020

Faz quase quatro anos desde que o mito da colusão Trump-Rússia estreou na política americana, gerando um fluxo interminável de histórias na imprensa corporativa e centenas de alegações de conspiração de especialistas e autoridades. Mas, apesar dos resultados de admissões embaraçosas, correções, notas do editor e retratações nesse período, a teoria se recusa a morrer.

Ao longo dos anos, a narrativa altamente elaborada de “Russiagate” desapareceu peça por peça. Reivindicações sobre os vários canais antigos de Donald Trump para Moscou – Carter Page, George Papadopoulos, Michael Flynn, Paul Manafort, Alfa Bank – foram completamente desacreditadas. As transcrições do Comitê de Inteligência da Câmara, divulgadas em maio, revelaram que ninguém que afirmou um hackeamento russo em computadores democratas, incluindo a própria empresa de segurança cibernética do DNC, é capaz de produzir evidências de que isso aconteceu. De fato, agora está claro que toda a investigação sobre a campanha de Trump foi infundada.

Alega-se que Moscou manipulou o presidente com “kompromat” e correio preto, vendido ao público em um “dossiê” compilado por um ex-oficial de inteligência britânico, Christopher Steele. Trabalhando através de uma empresa de consultoria em Washington, Steele foi contratado pelos democratas para desenterrar Trump, reunindo uma série de acusações de que a fonte principal de Steele descartaria posteriormente como “boato” e “boato”. Embora o FBI estivesse ciente de que o dossiê era pouco mais do que uma pesquisa de oposição desleixada, a agência ainda o usava para obter mandados de espionar a campanha de Trump.

Até a alegação de que a Rússia ajudou Trump de longe, sem coordenação direta, caiu de cara no chão. A “fazenda de trolls” supostamente usada pelo Kremlin para travar uma guerra de memes pró-Trump – a Agência de Pesquisa na Internet – gastou apenas US $ 46.000 em anúncios no Facebook, ou cerca de 0,05% do orçamento de US $ 81 milhões das campanhas de Trump e Clinton. A grande maioria dos anúncios do IRA não tinha nada a ver com a política dos EUA, e mais da metade deles foi publicada após a eleição, sem impacto nos eleitores. Além disso, o Departamento de Justiça retirou suas acusações contra a empresa controladora do IRA, abandonando um caso importante resultante da investigação do advogado especial de Robert Mueller.

Embora poucos de seus defensores mais obstinados o admitissem, depois de quatro longos anos, a fundação da narrativa Trump-Rússia finalmente cedeu e seu edifício desmoronou. Os destroços deixados para trás permanecerão por algum tempo, no entanto, iniciando uma nova era do McCarthyism convencional e preparando o cenário para a próxima Guerra Fria.

 

Não começou com Trump

 

A importância da Rússiagate para a política externa dos EUA não pode ser subestimada, mas o caminho para as hostilidades com Moscou se estende muito além do atual governo. Por trinta anos, os Estados Unidos exploraram sua vitória de fato na primeira Guerra Fria, interferindo nas eleições russas na década de 1990, ajudando os oligarcas ao saquear o país na pobreza e orquestrando as Revoluções Coloridas nos antigos estados soviéticos. Enquanto isso, a OTAN foi ampliada até a fronteira da Rússia, apesar das garantias americanas de que a aliança não se expandiria nem um centímetro para o leste depois do colapso da URSS.

Inquestionavelmente, desde a queda do Muro de Berlim até o dia em que Trump tomou posse, os Estados Unidos mantiveram uma política agressiva em relação a Moscou. Mas com a URSS varrida do mapa e o comunismo derrotado para sempre, um pretexto suficiente para reunir o público americano em outra Guerra Fria desapareceu na era pós-soviética. Além disso, no mesmo período de 30 anos, Washington perseguiu um desvio desastroso após o outro no Oriente Médio, deixando pouco espaço ou interesse para outra rodada de negociação com os russos, que foram relegados a pouco mais do que um ponto de discussão. Isso, no entanto, mudou.

A crise que eles precisavam

 

O establishment da política externa de Washington – memoramente apelidado de “o BLOG” por um conselheiro de Obama – foi arruinado pela vitória das eleições de Trump no outono de 2016. De certa forma, Trump se destacou como a pomba durante a corrida, considerando “guerras sem fim”. no Oriente Médio, uma farsa, exigindo laços mais estreitos com a Rússia e até questionando a utilidade da OTAN. Sincera ou não, os votos da campanha de Trump chocaram os pensadores, jornalistas e políticos cujas pistas de mundo (e salários) dependem da manutenção do império. Algo tinha que ser feito.

No verão de 2016, o WikiLeaks publicou milhares de e-mails pertencentes à então candidata democrata Hillary Clinton, sua gerente de campanha e o Comitê Nacional Democrata. Embora tenha sido prejudicial para Clinton, o vazamento se transformou em alimento para um novo e poderoso ataque ao futuro presidente. Trump havia trabalhado em parceria com Moscou para disputar a eleição, segundo a história, e o embaraçoso e-mail foi roubado em um hack russo, depois passou para o WikiLeaks para impulsionar a campanha de Trump.

Quando Trump assumiu o cargo, a narrativa estava em pleno andamento. Especialistas e políticos se apressaram em se superar ao denunciar histericamente a suposta intromissão nas eleições, que era considerada o “equivalente político” dos ataques de 11 de setembro, o equivalente a Pearl Harbor e semelhante ao pogrom dos nazistas de 1938 no Kristallnacht. Em uma trégua com a comunidade de inteligência dos EUA – que logo emitiu um par de relatórios endossando a história de hackers russos – o Blob rapidamente se juntou à causa, na esperança de impedir qualquer alteração na OTAN ou reaproximação com Moscou sob Trump.

As alegações logo se estenderam muito além dos hackers. A Rússia agora havia travado guerra contra a própria democracia americana e “semeado discórdia” com informações erradas online, tudo em conluio direto com a campanha de Trump. As pessoas que falam sobre notícias a cabo e ex-oficiais da inteligência – alguns deles desempenhando os dois papéis ao mesmo tempo – criaram uma trama dramática de conspiração a partir de inúmeras reportagens, apegando-se a muitas das histórias de “explosões explosivas” muito tempo depois que suas principais reivindicações foram explodidas.

Um grande segmento da sociedade americana comprou ansiosamente a ficção, recusando-se a acreditar que Trump, o apresentador do game game, poderia ter derrotado Clinton sem a ajuda de uma potência estrangeira. Pela primeira vez desde a queda da URSS, democratas comuns e progressistas moderados estavam alinhados com alguns dos falcões mais vocais da Rússia no corredor, criando espaço para o que muitos chamam de “nova Guerra Fria”.

 

Fraturas por estresse

 

Sob imensa pressão e alegações ininterruptas, o candidato que gritou “America First” e criticou a OTAN como “obsoleto” rapidamente se adaptou ao consenso de política externa sobre a aliança, um dos primeiros sinais de que a história Trump-Rússia estava dando frutos.

Demonstrando o Blob em ação, durante o debate no Senado sobre a tentativa de Montenegro de se juntar à OTAN em março de 2017, o falcão John McCain castigou Rand Paul por ousar se opor à medida, usando sentimentos anti-russos alimentados durante a eleição para acusá-lo de “Trabalhando para Vladimir Putin.” Com a maioria dos legisladores concordando que a expansão da OTAN era necessária para “recuar” contra a Rússia, o Senado aprovou o pedido quase por unanimidade e Trump o assinou sem pestanejar – talvez vendo os ataques que um veto traria, mesmo de seu próprio partido.

Permitir que Montenegro – um país que ilustra tudo de errado com a OTAN – se junte à aliança pode sugerir que as críticas de Trump sempre foram vazias, mas o esforço do estabelecimento para restringir sua política externa estava, sem dúvida, surtindo efeito. Apenas alguns meses depois, o governo divulgaria sua Estratégia de Segurança Nacional, enfatizando a necessidade de reorientar os compromissos militares dos EUA de contra-terrorismo no Oriente Médio para “grande competição de poder” com a Rússia e a China.

Em outro aspirante a membro da OTAN, a Ucrânia, o presidente também foi impedido de reverter o curso sob pressão do Blob. Durante a corrida de 2016, a imprensa corporativa criticou a campanha de Trump por trabalhar nos bastidores para “diluir” a plataforma do Partido Republicano depois que se opôs a uma promessa de armar o governo pós-golpe da Ucrânia. Essa postura não durou muito.

Embora até Obama tenha decidido não armar o novo governo – que seu governo ajudou a instalar – Trump reverteu esse movimento no final de 2017, entregando a Kiev centenas de mísseis anti-tanque de dardo. Em uma ironia percebida por poucos, algumas das armas foram abertas para neonazistas nas forças armadas ucranianas, que foram integradas à Guarda Nacional do país após liderar batalhas de rua com forças de segurança no golpe de 2014 apoiado por Obama. os mesmos críticos do Beltway que atacavam o presidente como racista exigiam que ele passasse armas para supremacistas brancos.

A tentativa da Ucrânia de ingressar na OTAN praticamente parou com o presidente Volodymyr Zelensky, mas o país, no entanto, desempenhou um papel desproporcional na política americana antes e depois da posse de Trump. Após o golpe da Ucrânia em 2014, patrocinado pelos EUA, a “agressão russa” se tornou um slogan favorito na imprensa americana, preparando o terreno para futuras alegações de intromissão nas eleições.

Armamento da Ucrânia

A busca por novas hostilidades com Moscou começou bem antes de Trump assumir o Salão Oval, alimentado em seus estágios iniciais sob o governo Obama. Usando a revolução da Ucrânia como trampolim, Obama lançou uma grande ofensiva retórica e política contra a Rússia, colocando-a no papel de uma potência expansionista agressiva.

Os protestos eclodiram na Ucrânia no final de 2013, após a recusa do presidente Viktor Yanukovych em assinar um acordo de associação com a União Europeia, preferindo manter laços mais estreitos com a Rússia. Exigindo um acordo com a UE e o fim da corrupção governamental, manifestantes – incluindo os neonazistas mencionados acima – logo estavam nas ruas, em choque com as forças de segurança. Yanukovych foi expulso do país e, eventualmente, sem poder.

Por meio de organizações especializadas como a National Endowment for Democracy, o governo Obama investiu milhões de dólares na oposição ucraniana antes do golpe, treinamento, organização e financiamento de ativistas. Apelidada de “Revolução Euromaidan”, a deposição de Yanukovych espelhava golpes de cores semelhantes apoiados pelos EUA antes e depois, com o tio Sam apoiando-se em queixas legítimas enquanto posicionava as figuras mais amigas dos EUA para tomar o poder depois.

O golpe provocou sérios distúrbios nos enclaves de língua russa da Ucrânia, na região leste de Donbass e na península da Crimeia, ao sul. No Donbass, as forças separatistas tentaram sua própria revolução, levando o novo governo de Kiev a lançar uma sangrenta “guerra ao terror” que continua até hoje. Embora os separatistas tenham recebido algum nível de apoio de Moscou, Washington atribuiu a única culpa aos russos pela agitação da Ucrânia, enquanto a imprensa previa ofegante uma invasão total que nunca se materializou.

Na Crimeia – onde Moscou mantém sua frota do Mar Negro desde o final dos anos 1700 – a Rússia adotou uma postura mais vigorosa, tomando o território para manter o controle de sua base naval de longo prazo. A anexação foi realizada sem derramamento de sangue, e um referendo foi realizado semanas depois, afirmando que uma grande maioria dos crimeanos apoiava a volta da Rússia, um sentimento que as empresas ocidentais de pesquisa corroboraram desde então. Independentemente disso, como no Donbass, a medida foi rotulada de invasão, provocando uma série de sanções dos EUA e da UE (e, mais recentemente, do próprio Trump).

A mídia não fez nenhum esforço para ver a perspectiva da Rússia sobre a Crimeia após a revolução – imaginando a resposta dos EUA se os papéis fossem revertidos, por exemplo – e quase ignorando as preferências da Crimeia. Em vez disso, gerou uma história em preto e branco de “agressão russa” na Ucrânia. Para o Blob, as ações de Moscou colocaram Vladimir Putin em pé de igualdade com Adolf Hitler, gerando uma avalanche de cobertura frenética da imprensa que não é vista novamente até as eleições de 2016.

 

Sucumbir à histeria

 

Enquanto Trump já havia começado a ceder ao ataque da Russiagate nos primeiros meses de sua presidência, uma reunião de julho de 2018 com Putin em Helsinque apresentou uma oportunidade de reverter o curso, oferecendo um local para discutir diferenças e planejar uma cooperação futura. As sessões anteriores de Trump com seu colega russo ocorreram em grande parte sem intercorrências, mas amplamente retratadas como uma reunião entre mestre e fantoche. Na Cúpula de Helsinque, no entanto, um gesto escasso para melhorar as relações foi recebido com um novo nível de histeria.

A recusa de Trump em interrogar Putin sobre sua suposta invasão eleitoral durante uma conferência de imprensa da cúpula foi tomada como prova irrefutável de que os dois estavam conspirando juntos. O ex-diretor da CIA John Brennan declarou isso um ato de traição, enquanto a CNN pensou seriamente se o presente de Putin a Trump durante as reuniões – uma bola de futebol da Copa do Mundo – era realmente um transmissor de espionagem secreto. A essa altura, a investigação do advogado especial de Robert Mueller estava em pleno vigor, emprestando credibilidade oficial à história da colusão e fortalecendo ainda mais as alegações de conspiração.

Embora a cúpula tenha feito pouco para fortalecer os laços EUA-Rússia e Trump não tenha feito nenhum esforço real para fazê-lo – além de resistir aos apelos para confrontar Putin diretamente -, provocou alguns dos ataques mais extremos de todos os tempos, aumentando ainda mais o custo da reaproximação. A janela de oportunidade apresentada em Helsinque, apesar de apenas quebrada no início, estava agora firmemente fechada, com Trump tão relutante como sempre em melhorar sua plataforma política original.

 

Sanções!

 

Depois de levar uma surra em Helsinque, o governo permitiu que as tensões com Moscou subissem a novos patamares, abraçando mais ou menos as políticas favoritas do BLOB e, muitas vezes, superando a insensibilidade do governo Obama em relação à Rússia, tanto na retórica quanto na ação.

Em março de 2018, o envenenamento de um ex-espião russo que vive no Reino Unido foi responsabilizado por Moscou em um enredo altamente elaborado que acabou desmoronando (soa familiar?), Mas mesmo assim desencadeou uma onda de retaliação dos governos ocidentais. No maior expurgo diplomático da história dos EUA, o governo Trump expulsou 60 autoridades russas em um período de dois dias, superando a expulsão de 35 diplomatas por Obama em resposta às alegações de interferência nas eleições.

Juntamente com o expurgo, que começa na primavera de 2018 e continua até hoje, Washington lançou uma rodada e mais novas de sanções contra a Rússia, inclusive em resposta a “atividades malignas em todo o mundo”, para penalizar supostas interferências eleitorais por “atividades cibernéticas desestabilizadoras, ”Retaliação pelo envenenamento por espionagem no Reino Unido, mais atividade cibernética, mais intromissão nas eleições – a lista continua crescendo.

Embora Trump tenha chamado para suspender, em vez de impor sanções à Rússia, antes de assumir o cargo, desgastado pela cobertura negativa da imprensa sem fim e cercado por um círculo de conselheiros hawkish, ele foi trazido por mérito das sanções em pouco tempo, e as usou liberalmente sempre Desde a.

 

Adeus INF, RIP OST

Em outubro de 2018, Trump abandonou amplamente qualquer idéia de melhorar o relacionamento com a Rússia e, além da barragem de sanções, começou a destruir uma série de grandes tratados e acordos de controle de armas. Ele começou com o Tratado de Forças Nucleares de Longo Alcance da era da Guerra Fria (INF), que havia eliminado toda uma classe de armas nucleares – mísseis de médio alcance – e removido a Europa como um teatro de guerra nuclear.

Nesse momento do mandato de Trump, o super-falcão John Bolton assumiu a posição de consultor de segurança nacional, incentivando os piores instintos do presidente e usando sua nova influência para convencer Trump a abandonar o tratado INF. Bolton – que ajudou a detonar vários pactos de controle de armas em administrações anteriores – argumentou que o novo míssil de curto alcance da Rússia violou o tratado. Embora ainda haja alguma disputa sobre o alcance real do míssil e se ele realmente violou o acordo, Washington não seguiu os mecanismos de disputa disponíveis e ignorou as ofertas russas de negociações para resolver a disputa.

Depois que os EUA desistiram oficialmente do acordo, rapidamente começaram a testar munições anteriormente proibidas. Ao contrário dos mísseis russos, que diziam ter apenas um alcance que ultrapassa o tratado por algumas milhas, os EUA começaram a testar mísseis de cruzeiro terrestres com capacidade nuclear expressamente proibidos sob o INF.

A seguir, veio o Tratado de Céus Abertos (OST), uma idéia originalmente apresentada pelo presidente Eisenhower, mas que não tomaria forma até 1992, quando um acordo foi firmado entre a Otan e as antigas nações do Pacto de Varsóvia. O acordo agora tem mais de 30 membros e permite que cada um organize voos de vigilância sobre o território de outros membros, uma importante medida de construção de confiança no mundo pós-soviético.

Trump viu as coisas de maneira diferente, no entanto, e transformou uma disputa menor sobre a implementação do pacto pela Rússia em um motivo para descartá-lo completamente, novamente instigado por conselheiros militantes. No final de maio de 2020, o presidente declarou sua intenção de se retirar do acordo de quase 30 anos, propondo nada para substituí-lo.

Quid Pro Quo

Com a investigação do advogado especial do Departamento de Justiça sobre o conluio Trump-Rússia com poucas evidências de armas de fogo e acusações relevantes, os inimigos do presidente começaram a procurar novos ângulos de ataque. Após uma ligação telefônica de julho de 2019 entre Trump e seu recém-eleito ucraniano, eles logo encontraram um.

Durante a teleconferência, Trump pediu a Zelensky que investigasse um servidor de computador que ele acreditava estar ligado ao Russiagate e investigasse possíveis corrupção e nepotismo por parte do ex-vice-presidente Joe Biden, que desempenhou um papel ativo na Ucrânia após o apoio de Obama. golpe.

Menos de dois meses depois, um “denunciante” – um oficial da CIA detalhado para a Casa Branca, Eric Ciaramella – apresentou uma “preocupação urgente” de que o presidente tivesse abusado de seu escritório na chamada de julho. Segundo sua queixa, Trump ameaçou reter a ajuda militar dos EUA, bem como uma reunião cara a cara com Zelensky, caso Kiev não entregasse os bens a Biden, que naquele momento era um grande concorrente na corrida de 2020.

Os mesmos jogadores que venderam a Russiagate apreenderam a conta de Ciaramella para fabricar um novo escândalo: “Ukrainegate”. Não conseguindo extrair um impeachment da investigação de Mueller, os democratas fizeram exatamente isso com a chamada da Ucrânia, insistindo que Trump havia cometido crimes graves, conspirando novamente com um líder estrangeiro para se intrometer nas eleições nos EUA.

Em um ponto alto durante o julgamento de impeachment, um especialista chamado a depor pelos democratas ressuscitou a máxima de “combatê-los por lá” de George W. Bush para argumentar sobre a transferência de armas dos EUA para a Ucrânia, citando a ameaça russa. O esforço foi condenado desde o início, no entanto, com um Senado controlado pelo Partido Republicano nunca condenando e as evidências são fracas para um “quid pro quo” com Zelensky. O Ukrainegate, como o Russiagate antes dele, foi um fracasso em seu objetivo declarado, mas ambos serviram para marcar o governo com reivindicações de conluio estrangeiro e pressionaram por políticas mais hawkish em relação a Moscou.

 

O fim do novo começo?

 

O governo Obama obteve uma rara conquista diplomática com a Rússia em 2010, assinando o Novo Tratado START, uma continuação do Tratado de Redução Estratégica de Armas original assinado nos últimos dias da União Soviética. Como sua primeira iteração, o acordo limita o número de armas nucleares e ogivas implantadas por cada lado. Apresentava uma cláusula de caducidade de dez anos, mas incluía disposições para continuar além da data de término inicial.

Com o tratado expirando no início de 2021, tornou-se um tema cada vez mais quente em toda a presidência de Trump. Enquanto Trump se vendia como um negociante especialista na campanha – até mesmo um artista -, suas habilidades de negociação mostraram-se escassas quando se trata de elaborar um novo acordo com os russos.

O governo exigiu que a China fosse incorporada a qualquer versão ampliada do tratado, pedindo à Rússia que obrigue Pequim à mesa de negociações e complique enormemente qualquer perspectiva de acordo. Com um arsenal nuclear em torno de um décimo do tamanho da Rússia ou dos EUA, a China se recusou a aderir ao pacto. A intransigência de Washington sobre o assunto colocou o futuro do tratado no limbo e deixou a Rússia em grande parte sem um parceiro de negociação.

Um segundo mandato de Trump representaria sérios problemas para o New START, já demonstrando vontade de destruir os acordos INF e Open Skies. E com o Tratado de Mísseis Anti-Balísticos (ABM) já morto pelo governo Bush, o New START é uma das poucas restrições restantes nos dois maiores arsenais nucleares do planeta.

Apesar de perseguir uma escalada maciça com Moscou a partir de 2018, as alegações de conspiração Trump-Rússia nunca pararam de aparecer em jornais e telas de TV. Para o Blob – fortemente investido em uma narrativa tão proveitosa quanto falsa – Trump seria para sempre o fantoche de Putin, independentemente das sanções impostas, dos tratados de referência incinerados ou do dilúvio da retórica bélica.

 

Correndo para uma corrida armamentista

 

Enquanto o governo Trump lidera o país na próxima Guerra Fria, uma nova corrida armamentista também está em andamento. A destruição de pactos de controle de armas importantes por administrações anteriores alimentou um barril de pólvora em proliferação, e o fim do New START pode ser a faísca para desencadear isso.

Após o término de Bush Jr. do acordo ABM em 2002 – derrubando um pacto que impôs limites aos sistemas de defesa antimísseis russos e americanos para manter o equilíbrio de destruição mutuamente assegurada – a Rússia logo retomou o financiamento de vários projetos estratégicos de armas, incluindo seu míssil hipersônico. Em seu anúncio da nova tecnologia em 2018, Putin considerou a medida uma resposta à retirada unilateral de Washington da ABM, que também viu os EUA desenvolverem novas armas.

Embora tenha assinado o New START e tenha feito uma campanha para prometer o fim da bomba, o presidente Obama também ajudou a promover o acúmulo de armas, embarcando em um projeto de modernização nuclear de 30 anos que custaria US $ 1,5 trilhão aos contribuintes. O governo Trump adotou a iniciativa de braços abertos, até aumentando, já que Moscou segue o exemplo com atualizações em seu próprio arsenal.

Além disso, Trump abriu um novo campo de batalha com a criação da Força Espacial dos EUA, escalou implantações militares, intensificou os jogos de guerra visando a Rússia e a China e procurou reabrir e expandir as bases da era da Guerra Fria.

Em maio, o enviado de controle de armas de Trump prometeu gastar a Rússia e a China no esquecimento em caso de futura corrida armamentista, mas uma já estava em andamento. Depois de se retirar do INF, o governo começou a produzir mísseis de cruzeiro com capacidade nuclear, anteriormente proibidos, enquanto realizava uma nova classe de armas nucleares de baixo rendimento. Conhecidas como “armas nucleares táticas”, as ogivas menores diminuem o limite de uso, tornando mais provável o conflito nuclear. Enquanto isso, a Casa Branca também analisou um teste de bomba ao vivo – o primeiro dos Estados Unidos desde 1992 -, embora aparentemente tenha arquivado a idéia por enquanto.

 

Um trem de carga descontrolado

 

À medida que Trump se aproxima do final de seu primeiro mandato, os dois principais partidos políticos dos EUA ficam presos em um ciclo permanente de escalada, eternamente compelido a provar quem é o maior falcão. O presidente apresentou leve resistência durante seus primeiros meses no cargo, mas a batida implacável da Russiagate acabou com todas as chances de melhorar os laços com Moscou.

Os democratas se recusam a desistir da “agressão russa” e não vêem praticamente nenhuma reação dos falcões do outro lado do corredor, enquanto os “vazamentos” de inteligência continuam a fluir para a imprensa imperial, alimentando toda uma nova rodada de alegações de interferência nas eleições.

Da mesma forma, a campanha de Trump promete renovar as relações EUA-Rússia há muito tempo. Sua presidência conta entre suas realizações uma pilha de novas sanções, dezenas de diplomatas expulsos e o fim de dois importantes tratados de controle de armas. Por toda sua conversa sobre se dar bem com Putin, Trump não conseguiu firmar um único acordo, reduziu qualquer dos conflitos em curso sobre a Síria, a Ucrânia ou a Líbia e não conseguiu organizar uma visita de Estado em Moscou ou DC.

No entanto, todas as ações de Trump ainda são interpretadas pelas lentes do conluio russo. Depois de anunciar uma retirada de tropas na Alemanha em 5 de junho, reduzindo a presença dos EUA em apenas um terço, o presidente foi recebido com o agora típico enxame de acusações infundadas. O general regular e aposentado do MSNBC, Barry McCaffrey, apelidou a mudança de “um presente para a Rússia”, enquanto a deputada republicana Liz Cheney disse que o escasso movimento de tropas colocou a “causa da liberdade … em perigo”. Os principais democratas da Câmara e do Senado apresentaram projetos para impedir a retirada dos mortos, atribuindo a política ao “absurdo carinho de Trump por Vladimir Putin, um ditador assassino”.

Começando como um truque de campanha sujo para explicar a perda de eleições dos democratas e atrapalhar o novo presidente, o Russiagate é agora uma força motriz essencial no establishment político dos EUA que sobreviverá por muito tempo à era de Trump. Depois de quase quatro anos, o consenso bipartidário sobre a necessidade da Guerra Fria é mais forte do que nunca, e perdurará independentemente de quem ocupará o Salão Oval em seguida.

Kyle Anzalone blogs do Instituto Libertário e kylesfylesblog.com.

 

Will Porter é um blogueiro independente e um estudante que segue uma carreira no jornalismo. Ele bloga em www.TheMarketRadical.wordpress.com e em www.notbeinggoverned.com.

 

A imagem em destaque é de TLI

The Libertarian Institute

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 1 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.