IMAGENS de satélite mostram progresso da construção de porta-aviões chinês Type 002
19 de setembro de 2020
Rússia foi forçada a criar armas hipersônicas após retirada dos EUA do Tratado de Mísseis, diz Putin
19 de setembro de 2020

Objetivo de relatório da ONU sobre Venezuela é sabotar diálogo nacional e eleições, afirma chanceler

Mulher com máscara contra o coronavírus caminha em Caracas, na Venezuela, em frente a mensagem que diz: 'Coloque sua máscara'

© AP Photo / Matias Delacroix

Américas

16:15 19.09.2020(atualizado 16:26 19.09.2020) URL curta

130

Nos siga no

Relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre a Venezuela tem objetivo de sabotar o diálogo nacional e as eleições parlamentares de 6 de dezembro, disse neste sábado (19) o chanceler Jorge Arreaza.

Na quarta-feira (16), a Missão Internacional Independente das Nações Unidas sobre a Venezuela apresentou informe denunciando crimes contra a humanidade por parte do governo e forças de segurança do país.

O ministro da Relações Exteriores rebateu as acusações, citando recentes indultos a presos e afirmando que o relatório queria prejudicar o diálogo entre governo e opositores no país.

“Esse relatório pretende sabotar o diálogo que se instalou na Venezuela com resultados muito recentes, como os indultos a 110 pessoas que cometeram crimes de todo tipo”, afirmou Arreaza em coletiva de imprensa.

Prejudicar trabalho conjunto com Bachelet

Além disso, argumentou que o informe tinha o objetivo de “perturbar o processo eleitoral na Venezuela e o papel da Venezuela nas relações internacionais”.

Arreaza disse ainda que o relatório buscava atingir o trabalho da Venezuela junto a Michelle Bachelet, alta-comissária da ONU para os direitos humanos. No entanto, ele garantiu que o governo continuava ao seu lado.

“Até o momento temos nos mantido firmes e dissemos à alta-comissária, Michele Bachelet, que vamos seguir adiante com nosso trabalho e não permitiremos” que o relatório dos investigadores da ONU “nos pertube”.

‘Vertente jurídica’ da Operação Gideon

Segundo o chanceler, o informe da Missão Internacional é a “vertente jurídica” da chamada Operação Gideon, que tinha o objetivo de assassinar o presidente Nicolás Maduro e outros funcionários de Estado, desarticulada em maio pelo governo venezuelano.

“Esse relatório é a vertente jurídica da Operação Gideon contra a Venezuela. Utilizaram as mesmas táticas e vão atrás dos mesmos objetivos. Os mercenários queriam matar o presidente Maduro e Diosdado Cabello [presidente da Assembleia Nacional Constituinte], exatamente o mesmo que busca esse relatório, a morte legal ou a morte da reputação”, disse Arreaza.

‘Política com os direitos humanos’

O chanceler afirmou também que a missão da ONU “está fazendo política com os direitos humanos e não para os direitos humanos”. Segundo Arreaza, os investigadores das Nações Unidas não estiveram na Venezuela, já que o governo condenou a criação da missão, e que as informações foram colhidas por telefonemas e de notícias da imprensa.

O ministro denunciou ainda que um dos três especialistas da ONU é Francisco Cox, um “defensor de agentes da ditadura de Pinoche no Chile”.

Fonte: https://br.sputniknews.com/americas/2020091916097426-objetivo-de-relatorio-da-onu-sobre-venezuela-e-sabotar-dialogo-nacional-e-eleicoes-afirma-chanceler/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × cinco =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.