No melhor cenário…
6 de março de 2020
COVID-19 “Epidemia mundial de proporções bíblicas”
6 de março de 2020

Outro cessar-fogo farsa na Síria

 

By Stephen Lendman

Repetidas vezes, os cessar-fogo acordados na Síria foram violados imediatamente pelos terroristas apoiados pelos EUA / OTAN / Turquia.

Desta vez é diferente? Os regimes beligerantes de Trump e Erdogan virarão uma página para a restauração da paz e da estabilidade na Síria?

Renunciarão anos de apoio aos jihadistas antigovernamentais, deixarão de armar e fornecer-lhes outro apoio material?

Eles respeitarão a soberania síria e a integridade territorial, juntamente com o estado de direito – o que nunca fizeram antes desde que a agressão do regime Obama à República Árabe da Síria foi lançada em março de 2011, para sempre a guerra que continua até hoje, sem fim em perspectiva?

Será que um cenário da Cinderela surgirá à meia-noite no horário local de sexta-feira – a ilusão de um cessar-fogo acordado em Idlib se transformando em uma abóbora, nenhuma fada madrinha para salvar o dia, nem um final feliz para sempre?

Somente em 2019, Putin e Erdogan se encontraram oito vezes para discutir uma guerra sem fim na Síria – sem realizar nada.

A agressão turca aumentou este ano contra as forças do governo para impedir que libertassem a província de Idlib, seu próprio território soberano – infestado de jihadistas apoiados pelos regimes de Trump e Erdogan.

Na quinta-feira, Putin e Erdogan anunciaram os seguintes pontos acordados:

O cessar-fogo em Idlib começará um minuto depois da meia-noite de sexta-feira de manhã. Mantenha os aplausos!

A Rússia e a Turquia patrulharão conjuntamente a estrada estratégica M4 na província.

Uma zona-tampão de seis quilômetros de largura será estabelecida ao longo dos dois lados da rodovia M4 até 15 de março.

A Rússia e a Turquia afirmaram apoio à soberania e à integridade territorial da Síria.

Seus líderes se comprometeram a ajudar os refugiados sírios a retornarem às suas áreas de origem e atenderem às suas necessidades humanitárias.

Eles concordaram que a resolução de conflitos não pode ser alcançada militarmente.

Uma nova linha de contato foi estabelecida para incluir áreas liberadas pelas forças sírias.

Ambos os líderes concordaram que cabe apenas aos sírios determinar o futuro do país, livre de interferências estrangeiras.

Moscou e Ancara estão na mesma página para o que está por vir ou os princípios acordados desaparecem na névoa do dia como depois de todos os acordos anteriores de cessar-fogo?

A Rússia e a Síria observaram o que foi acordado antes, não os jihadistas apoiados pelos EUA, OTAN e Turquia.

O acordo de quinta-feira terá sucesso apesar do fracasso de cessar-fogo anteriores?

Os objetivos de mudança de regime dos EUA na Síria permanecem conectados. O mesmo vale para as ambições revanchistas de Erdogan.

Se o passado é prólogo, o mais provável é que os melhores esforços da Rússia fracassem como antes desde 2012 as negociações de paz em Genebra.

Enquanto os EUA quiserem que a Síria se transforme em um estado vassalo e Erdogan desejar anexar partes do norte do país, é provável que haja uma guerra sem fim sem solução.

É assim há nove anos. Nada em perspectiva sugere uma dramática reviravolta na resolução de conflitos (em Idlib ou na Síria em geral) após as negociações de quinta-feira em Moscou.

Rússia, Irã, Hezbollah e Damasco são aliados pela restauração da paz e da estabilidade na Síria, apoiando a independência soberana do país e a integridade territorial.

Os EUA, a OTAN, a Turquia, Israel e os sauditas se opõem a todos os itens acima, não sendo possível alcançá-los enquanto essa dicotomia existir.

Durante a era pós-Segunda Guerra Mundial, especialmente após o 11 de setembro, os EUA foram intransigentes na prossecução de sua agenda imperial – querendo controlar o planeta Terra, seus recursos e populações, querendo que todos os países independentes soberanos se transformem em estados clientes.

Nada na quinta-feira em Moscou mudou esse estado terrível, inclusive na Síria.

É a guerra de Obama, agora Trump, OTAN, Turquia, Israel e sauditas aliados aos objetivos dos EUA como parceiros juniores em busca de seus próprios interesses.

A perspectiva de resolução de conflitos em Idlib ou na Síria em geral é praticamente nula em breve.

À luz fria do dia, os princípios acordados entre a Rússia e a Turquia em Moscou provavelmente se dissolverão como muitas vezes antes – injustificadamente justificada por culpar falsamente Damasco como inúmeros tempos anteriores.

Ao mesmo tempo, Bashar al-Assad pode ter ganhado espaço para rearmar e reagrupar forças sírias para se preparar para o próximo surto de combates.

Com base em como as coisas evoluíram antes, é praticamente certo que isso acontecerá, talvez muito antes do esperado.

Além disso, enquanto as forças americanas e turcas ocuparem ilegalmente o território sírio, um estado de guerra existirá – exacerbado pelo seu apoio aos jihadistas como tropas substitutas.

Eu respeito os esforços de resolução de conflitos da Rússia de boa fé.

O problema é que eles não são retribuídos por nações aliadas contra a Síria – a Turquia de Erdogan é uma delas.

Outro grande problema é que muitos milhares de jihadistas fortemente armados permanecem em Idlib. A libertação da província exige sua eliminação por meios diplomáticos ou de combate.

A última maneira nunca funcionou, a primeira provavelmente necessária, a guerra para continuar sem fim em perspectiva.

*

Nota aos leitores: clique nos botões de compartilhamento abaixo. Encaminhe este artigo para suas listas de email. Crosspost em seu blog, fóruns na Internet. etc.

O autor premiado Stephen Lendman vive em Chicago. Ele pode ser encontrado em lendmanstephen@sbcglobal.net. Ele é pesquisador associado do Center for Research on Globalization (CRG)

Seu novo livro como editor e colaborador é intitulado “Ponto de inflamação na Ucrânia: EUA nos levam a riscos de hegemonia na Segunda Guerra Mundial”.

http://www.claritypress.com/LendmanIII.html

Visite  sjlendman.blogspot.com.

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 14 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.