China adverte duramente EUA sobre Taiwan
24 de setembro de 2020
UE aposta na China como nova potência global
24 de setembro de 2020

Para defender sua política ambiental, Bolsonaro usa dados de governos do PT

Postado em 23 de setembro de 2020

Foto: Ricardo Stuckert

No mesmo dia em que Bolsonaro discursou na ONU negando as queimadas na Amazônia e Pantanal e colocando a culpa pelos incêndios em índios e caboclos, seu governo foi obrigado a recorrer a dados dos governos Lula e Dilma para se defender internacionalmente.

Os ministérios das Relações Exteriores e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicaram nesta terça-feira (22) uma nota conjunta citando conquistas dos governos Lula e Dilma para justificar a política ambiental de Bolsonaro. A nota conjunta foi uma tentativa de resposta ao relatório do governo francês que aponta riscos ambientais para a assinatura do acordo comercial entre União Europeia e Mercosul.

No documento, os únicos avanços citados são justamente relativos aos governos Lula e Dilma: “De 2004 a 2012, o desmatamento da região chamada de Amazônia Legal caiu 83%, enquanto que a produção agrícola subiu 61%. Nesse mesmo período, o rebanho bovino cresceu em mais de 8 milhões de cabeças, chegando a 212 milhões em 2012”. Além da nota, a informação foi transmitida a jornalistas de todo o país pela Agência Brasil, sem citar os governos Lula e Dilma.

O reconhecimento das conquistas dos governos petistas na proteção ambiental sem prejuízo para a produção agrícola contrastam com a retórica da administração Bolsonaro. Não somente dos dois ministérios que assinam o documento, mas também com a própria política do Ministério do Meio Ambiente. Em reunião ministerial no dia 22 de abril deste ano, o ministro Ricardo Salles defendeu aproveitar a pandemia para “passar a boiada” na legislação ambiental. Justamente a legislação que proporcionou as conquistas que o governo Bolsonaro elogia em documento oficial.

Legado

Durante os governos Lula e Dilma, o Brasil reduziu em 79% o desmatamento na Amazônia, com uma fiscalização rigorosa e a oferta de alternativas econômicas sustentáveis às populações locais. O país criou novas unidades de conservação e ampliamos as já existentes, aumentando em mais de 50 % a extensão total de área protegida. Nesse período, o governo aumentou em mais de 800% a capacidade de geração de energia eólica.

Entre 2010 e 2013, o Brasil deixou de lançar na atmosfera uma média de 650 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano e transformou-se em líder mundial na redução de emissão de gases de efeito estufa.

Tudo isso, com aumento da produção agrícola e respeito à vida. Agora é o governo Bolsonaro quem diz, em documento oficial. Se você, ou o governo Bolsonaro, quiser saber mais sobre as conquistas dos governos progressistas no Brasil, o Instituto Lula preparou um site só com números oficiais desse legado. Visite: www.brasildamudanca.com.br.

Por Instituto Lula

Fonte: https://ptnacamara.org.br/portal/2020/09/23/para-defender-sua-politica-ambiental-bolsonaro-usa-dados-de-governos-do-pt/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.