Putin responde provocação de Boris Johnson: ‘líderes nus do G7 seriam visão repugnante’
30 de junho de 2022
Alberto Fernández diz que torce por Lula e afirma que Bolsonaro pediu ajuda para libertar golpista boliviana Jeanine Áñez
30 de junho de 2022

Parabéns ao presidente do CSPU

Banner-principal-02-__-1128x350px

Eu, Jacinto Pereira, sincero amigo de todos vocês, estou completando hoje 66 anos.  Comecei a me interessar pelos discos voadores no final dos anos 60, quando tive a oportunidade ver dois óvnis. O primeiro era o típico disco e era do tamanho de um automóvel. O outro era em forma de charuto. Depois disso começaram os boatos de que esses aparelhos pegavas as pessoas. Quando eu e meus amigos brincávamos no terreiro à noite e víamos luzinhas se deslocando de um lado para outro, a gente gritáva:  “Olha o disco voador” e ficávamos olhando até eles sumirem. Depois viemos a saber que se tratava de satélites artificiais. Depois mudei para o Goiás e lá já se falava dos tais chupa chupas. Fiquei mais interessado ainda quando comecei a ler publicações sobre esse tema. Minhas pesquisas de campo começaram quando mudei para Sobral no início dos anos 80 e não parei mais. Sempre estarei especulando por onde ando e continuarei até enquanto puder. 

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − seis =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.