Presidente sul-africano diz que parceria do BRICS ajudará reconstruir país após pandemia de Covid-19
24 de junho de 2022
Jornalista dos EUA publica relato ‘desesperador’ de mercenário americano na Ucrânia
24 de junho de 2022

Pontos-chave da Declaração de Pequim da 14ª Cúpula do BRICS

Os líderes do bloco pediram aos países desenvolvidos que exerçam “políticas econômicas responsáveis”

23 de junho de 2022, 19:44 h Atualizado em 23 de junho de 2022, 20:30

www.brasil247.com - Bandeiras dos países do Brics Bandeiras dos países do Brics (Foto: Telesul)

247 – Os líderes do BRICS, que se reuniram virtualmente nesta quinta-feira, 23, emitiram a Declaração de Pequim da 14ª Cúpula do BRICS, em que destacaram sua adesão à soberania e à integridade territorial de todos os países, defenderam um mundo sem armas nucleares e pediram aos países desenvolvidos que exerçam “políticas econômicas responsáveis”.
Eis os pontos-chave do documento, conforme reportagem da agência TASS:

Eventos na Ucrânia

“Discutimos a situação na Ucrânia e recordamos as nossas posições nacionais expressas nos fóruns apropriados, nomeadamente o CSNU e a AGNU. Apoiamos as conversações entre a Rússia e a Ucrânia”, lê-se na declaração.
A associação expressou seu apoio aos esforços da ONU e de seu secretário-geral Antonio Guterres, bem como do Comitê Internacional da Cruz Vermelha na prestação de ajuda humanitária à Ucrânia.

Política global

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os estados do BRICS reafirmaram seu “respeito à soberania e integridade territorial de todos os Estados, enfatizam nosso compromisso com a resolução pacífica de diferenças e disputas” e seu “forte compromisso com o desarmamento nuclear”.
Os líderes manifestaram seu apoio a “um Afeganistão pacífico, seguro e estável” e enfatizaram o respeito por sua soberania, independência, integridade territorial, unidade nacional e não interferência em seus assuntos internos”, enfatizando que seu território não deve ser usado para ameaçar ou atacar qualquer país ou abrigar ou treinar terroristas, ou planejar o financiamento de atos terroristas”.
O BRICS espera o sucesso das negociações sobre a restauração do Acordo Nuclear do Irã e apóia as negociações bilaterais e multilaterais para a resolução “de todas as questões relativas à Península Coreana, incluindo sua completa desnuclearização”.
A associação continua a defender uma “reforma abrangente da ONU, incluindo seu Conselho de Segurança”, a fim de aumentar a representação dos países em desenvolvimento para que possa responder adequadamente aos desafios globais. Também apela à preservação e reforço do sistema de controlo de armas.
Economia global

A “recuperação desequilibrada” após a pandemia está “agravando a desigualdade em todo o mundo”, o impulso de crescimento global enfraqueceu e as perspectivas econômicas diminuíram, diz a declaração.

“Pedimos aos principais países desenvolvidos que adotem políticas econômicas responsáveis, ao mesmo tempo em que gerenciam as repercussões políticas, para evitar impactos severos nos países em desenvolvimento”, disseram os líderes do BRICS, instando “instituições financeiras multilaterais e organizações internacionais a desempenhar um papel construtivo na construção de consenso global sobre políticas econômicas e prevenir riscos sistêmicos de ruptura econômica e fragmentação financeira.”
Os cinco líderes destacaram que o G20 “permanecerá intacto e responderá aos atuais desafios globais”.
Segurança alimentar

Os líderes destacaram que os estados do BRICS produzem cerca de um terço de todos os alimentos do mundo e destacaram a “importância estratégica” dos insumos agrícolas, incluindo, entre outros, fertilizantes, para garantir a segurança alimentar global. O documento não menciona diretamente a questão da crise alimentar.
Cooperação em moedas

Os cinco líderes reconheceram “a importância de fortalecer o mecanismo do Arranjo Contingente de Reservas (CRA), que contribui para fortalecer a rede de segurança financeira global e complementa os arranjos monetários e financeiros internacionais existentes”. Eles também saudaram a “cooperação adicional dos bancos centrais na faixa de pagamentos”.
Clima e desenvolvimento sustentável

Os países desenvolvidos têm “responsabilidades históricas pelas mudanças climáticas globais e devem assumir a liderança na ampliação das ações de mitigação”, diz a declaração.
O BRICS se opôs às barreiras comerciais “verdes”: “todas as medidas tomadas para enfrentar as mudanças climáticas e a perda da biodiversidade devem ser concebidas, adotadas e implementadas em plena conformidade com os acordos da OMC e não devem constituir um meio de discriminação arbitrária ou injustificável ou uma restrição disfarçada sobre o comércio internacional e não deve criar obstáculos desnecessários ao comércio internacional”.
Combate à pandemia

Os líderes enfatizaram a necessidade da criação do complexo sistema de alerta precoce para riscos epidêmicos dentro da associação e destacaram que os estados membros devem estar mais bem preparados para futuras emergências de saúde.
A associação também defendeu a “distribuição equitativa de vacinas” e pediu às agências e instituições de caridade internacionais que comprem vacinas e reforços “de fabricantes em países em desenvolvimento, inclusive na África, para garantir que as capacidades de fabricação que estão sendo desenvolvidas sejam mantidas”.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/pontos-chave-da-declaracao-de-pequim-da-14-cupula-do-brics

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.