Sanções ocidentais falhando: União Europeia importa mais gás russo, e China supera guerra tecnológica dos EUA

UE importa gás natural liquefeito russo em níveis recordes, e China produz chips de alta tecnologia apesar das restrições de exportação


Presidentes Xi Jinping e Vladimir Putin (Xinhua/Xie Huanchi) Presidentes Xi Jinping e Vladimir Putin (Xinhua/Xie Huanchi) (Foto: Xie Huanchi)

Ben Norton, Geopolitical Economy Report

As sanções ocidentais estão tendo um efeito contraproducente: a União Europeia está agora importando gás natural liquefeito russo em níveis recordes, e a China alcançou avanços de alta tecnologia apesar das restrições de exportação dos Estados Unidos.

A guerra econômica entre Washington e Bruxelas está, ironicamente, fortalecendo a soberania econômica de Pequim e Moscou, ao mesmo tempo em que repercute na Europa.

O mundo está vivendo uma nova Guerra Fria: Guerra Fria Dois. E uma das principais maneiras pelas quais essa guerra tem sido travada é por meio de meios econômicos.

As sanções são o principal instrumento da guerra econômica. Quando são impostas unilateralmente por um país, sem o apoio das Nações Unidas, são referidas como “medidas coercivas unilaterais” e são ilegais de acordo com o direito internacional.

China avança tecnologicamente apesar das sanções dos EUA – Em 2021, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, insistiu que ele deve impedir que a China se torne “o país líder do mundo, o mais rico do mundo e o mais poderoso do mundo; isso não vai acontecer enquanto eu estiver no comando”.

Da mesma forma, a secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, afirmou que o objetivo de Washington é “desacelerar a taxa de inovação da China”.

Para prejudicar a economia da China, especialmente seu setor de tecnologia, os Estados Unidos impuseram várias rodadas de sanções agressivas, começando primeiro sob o presidente Donald Trump e continuando sob Joe Biden, em uma campanha totalmente bipartidária.

No entanto, essas sanções não conseguiram impedir o desenvolvimento tecnológico da China; Pequim continuou dando grandes passos.

A empresa chinesa Huawei desenvolveu telefones com tecnologia de chips avançada. O modelo Mate 60 Pro da empresa entrou no mercado em setembro e causou sensação em todo o mundo.

A Bloomberg revelou que o Mate 60 Pro é o primeiro telefone da Huawei a usar a tecnologia mais avançada produzida pela Semiconductor Manufacturing International Corporation (SMIC), uma empresa estatal de Pequim, com um processador Kirin 9000s de 7 nanômetros.

“Pequim está progredindo rapidamente em um esforço nacional para contornar os esforços dos EUA para conter sua ascensão”, afirmou o veículo de mídia.

Tanto a SMIC quanto a Huawei foram alvo de sanções do governo dos EUA.

O Washington Post reconheceu de maneira semelhante que “o Mate 60 Pro representa um novo patamar nas capacidades tecnológicas da China, com um chip avançado dentro dele que foi projetado e fabricado na China, apesar dos rigorosos controles de exportação dos EUA destinados a impedir que a China faça esse salto tecnológico”.

O jornal acrescentou que o lançamento do telefone “gerou preocupações silenciosas em Washington de que as sanções dos EUA não conseguiram impedir a China de fazer um avanço tecnológico importante. Tal desenvolvimento parece cumprir as advertências dos fabricantes de chips dos EUA de que as sanções não deteriam a China, mas a incentivariam a redobrar os esforços para construir alternativas à tecnologia dos EUA”.

A Huawei revelou o novo telefone quando a secretária de Comércio dos EUA, Raimondo, estava visitando – uma clara mensagem de desafio contra a campanha de guerra econômica de seu escritório.

Europa importa níveis recordes de gás natural liquefeito russo, apesar das sanções – A Rússia é um dos países mais sancionados do mundo. Os Estados Unidos e a União Europeia impuseram várias rodadas de sanções à nação euroasiática devido à guerra proxy da OTAN na Ucrânia.

O presidente Biden deixou claro que o objetivo de Washington com essa guerra econômica era transformar a moeda russa, o rublo, em “entulho”.

Biden se vangloriou em março de 2022 que um rublo valia, pelo menos brevemente, menos de um centavo de dólar dos EUA.

O presidente dos EUA declarou:

Estamos aplicando o pacote mais significativo de sanções econômicas da história e isso está causando danos significativos à economia da Rússia.Isso fez com que a economia russa, francamente, desabasse. O rublo russo agora caiu 50 por cento desde que Putin anunciou sua guerra. Um rublo agora vale menos de um centavo de dólar americano. Um rublo é menos do que um centavo de dólar americano. E [estamos] impedindo o banco central da Rússia de sustentar o rublo e manter seu valor. Eles não vão ser capazes de fazer isso agora. Cortamos os maiores bancos da Rússia do sistema financeiro internacional, o que prejudicou sua capacidade de fazer negócios com o resto do mundo.

Biden não mencionou que há mais de 140 milhões de russos vivendo na Rússia, e eles usam o rublo em sua vida cotidiana; eles recebem seus salários em rublos.

Ao tentar destruir sua moeda, essa guerra econômica ocidental não prejudicou apenas o governo russo e Vladimir Putin; ela prejudicou todo o país, incluindo mais de 140 milhões de civis.

Mas as sanções não são um instrumento preciso – apesar de os governos ocidentais constantemente, e de forma enganosa, afirmarem que são “direcionadas” contra indivíduos e têm supostas “isenções humanitárias”.

As sanções são um instrumento brutal de guerra econômica, de punição coletiva; muitas vezes causam sérios danos e têm grandes consequências para os civis que vivem nos países-alvo.

Na Venezuela, por exemplo, especialistas em destaque descobriram que pelo menos dezenas de milhares, talvez mais de 100.000 civis, morreram devido às sanções unilaterais ilegais impostas aos Estados Unidos à nação sul-americana, como parte da tentativa de golpe da administração de Donald Trump com Juan Guaidó.

No caso da Rússia, no entanto, as sanções econômicas não causaram tanto dano quanto o Ocidente esperava.

Inicialmente, o rublo se desvalorizou significativamente em relação a outras moedas, mas logo se recuperou, em grande parte devido ao aumento do preço do petróleo e de outras commodities. A Rússia é um dos maiores produtores mundiais de petróleo, gás, fertilizantes e trigo.

Na verdade, as sanções não apenas falharam em transformar o rublo em entulho e devastar a economia russa; elas repercutiram na Europa, desencadeando uma crise energética e contribuindo para altos níveis de inflação.

Enquanto isso, a União Europeia está importando níveis recordes de gás natural liquefeito russo (GNL).

O Financial Times informou que, nos primeiros sete meses de 2023, os membros da UE, Bélgica e Espanha, foram os segundo e terceiro maiores compradores de GNL russo. O único outro país que comprou mais foi o aliado mais próximo da Rússia: a China.

França e Holanda também importaram quantidades significativas de GNL russo.

“As importações da UE do gás supergelado aumentaram 40 por cento entre janeiro e julho deste ano em comparação com o mesmo período de 2021”, escreveu o Financial Times.

O jornal acrescentou que “a UE não importava quantidades significativas de GNL antes da guerra na Ucrânia devido à sua dependência do gás encanado da Rússia”.

O que aconteceu com aquele gás encanado? Bem, a Europa se comprometeu a boicotá-lo. Além disso, alguns dos gasodutos mais importantes que ligam a Rússia à Alemanha, Nord Stream, foram destruídos em um ato internacional de terrorismo em setembro de 2022.

Quem exatamente sabotou essa infraestrutura energética crucial não se sabe. Mas o jornalista vencedor do Prêmio Pulitzer, Seymour Hersh, relatou que foi o governo dos EUA.

Então, agora os Estados membros da UE estão importando GNL russo em níveis recordes. E, ironicamente, eles estão pagando ainda mais do que antes pelo barato gás encanado.

O Financial Times informou que a Europa gastou aproximadamente 5,29 bilhões de euros comprando GNL russo no mercado spot de janeiro a julho de 2023.

O jornal observou que “os funcionários da UE apontaram para um esforço geral de eliminar os combustíveis fósseis russos até 2027, mas alertaram que uma proibição total das importações de GNL poderia provocar uma crise energética semelhante à do ano passado, quando os preços do gás na UE atingiram recordes de mais de 300 euros por megawatt-hora”.

A Rússia agora é o segundo maior exportador de GNL para a Eurozona. O único país que vende mais é os Estados Unidos.

Na verdade, devido à crise energética na Europa e às sanções à Rússia, em 2022, os Estados Unidos se tornaram o maior exportador de gás natural liquefeito do mundo (empatando com o Catar).

Portanto, enquanto as economias da Europa sofrem, as corporações dos EUA estão se beneficiando.

Ao mesmo tempo, o aliado ocidental Índia tem comprado quantidades recordes de petróleo russo, abaixo do valor de mercado, com um desconto considerável, refinando esse petróleo e vendendo-o para a Europa com uma margem de lucro substancial.

Portanto, a Índia está lucrando generosamente vendendo petróleo russo para a Europa, porque a Europa se recusa a comprar o petróleo russo diretamente devido às sanções.

Essa política de sanções suicidas alimentou uma crise energética na Europa, empurrando as economias para a recessão e causando uma desindustrialização em ritmo acelerado.

Os trabalhadores comuns carregaram o fardo dessa dor econômica.

Os salários reais dos trabalhadores na Eurozona caíram 6,5% de 2020 a 2022.

Por

Ben Norton

Ben Norton

Jornalista independente e editor do Geopolitical Economy Report

Fonte: https://www.brasil247.com/blog/sancoes-ocidentais-falhando-uniao-europeia-importa-mais-gas-russo-e-china-supera-guerra-tecnologica-dos-eua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 20 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.