Fernández repudia na ONU o atentado contra Cristina e condena discursos de ódio
20 de setembro de 2022
Discurso eleitoreiro de Bolsonaro na ONU causa repulsa em estrangeiros: retrato de país ‘apequenado’
20 de setembro de 2022

Sindicatos na Europa preparam-se para outono de mobilizações por aumento salarial diante da crise

A inflação das mercadorias e a subida das taxas de juro do BCE fizeram com que a classe trabalhadora perdesse o poder de compra

20 de setembro de 2022, 18:29 h Atualizado em 20 de setembro de 2022, 18:36

www.brasil247.com - (Foto: Reuters/Philippe Wojazer)

RTA Europa está a caminho de um outono quente com protestos sindicais no horizonte. “Os trabalhadores e os seus sindicatos em toda a Europa não vão ficar parados enquanto o nível de vida for atacado”, disse Esther Lynch, vice-secretária geral da Confederação Europeia de Sindicatos (ETUC, na sigla em inglês) há menos de quinze dias, anunciando que “espera-se que os sindicatos se intensifiquem e coordenem as suas ações nas próximas semanas”.

No centro das atenções estão os preços crescentes de praticamente todas as mercadorias, por sua vez condicionados pelo elevado custo das matérias-primas, especialmente da energia, e a perda do poder de compra dos trabalhadores porque os salários não estão acompanhando o ritmo da inflação.

Já houve um aumento da atividade sindical no continente, sob a forma de greves e protestos em vários países europeus, mas espera-se que isto se intensifique nas próximas semanas para exercer pressão sobre o Conselho Europ

Economistas Contables

@EContables

·

Seguir

Los sueldos españoles caerán un 4,4% y duplican la pérdida de poder adquisitivo de la OCDE. vía @elEconomistaes https://eleconomista.es/economia/noticias/11937839/09/22/Los-sueldos-espanoles-caeran-un-44-y-duplican-la-perdida-de-poder-adquisitivo-de-la-OCDE.html

Imagem

12:24 PM · 11 de set de 2022

6

Responder

Copiar link

eu de 20 e 21 de outubro.

Seis exigências

Entre as exigências da ETUC, uma organização com 45 milhões de membros e representando 92 organizações sindicais de 39 países e 10 federações sindicais europeias, estão seis, para elas, exigências básicas. O seu plano de seis pontos inclui o seguinte:

  • Aumento dos salários para fazer face à inflação, apoiando um papel mais importante na negociação coletiva.
  • Aumentos do salário mínimo, assegurando que os trabalhadores com salários baixos possam pagar as contas básicas. 
  • Um limite ao custo das contas de energia para os consumidores e um imposto sobre os lucros excessivos realizados pelas empresas de energia no contexto atual.
  • Medidas nacionais e europeias de apoio contra a crise para proteger os rendimentos e o emprego na indústria, nos serviços e no sector público, e financiamento de medidas sociais para enfrentar a crise atual.

Inflação desenfreada

No centro desta crise está o fato de que os trabalhadores estão a suportar o peso da inflação, uma vez que as empresas estão a repercutir os aumentos dos seus fornecedores nos preços dos bens e serviços que vendem.

A inflação na Uniã

Asuntos Económicos y Transformación Digital

@_minecogob

·

Seguir

La #inflación interanual de agosto en España fue del 10,5%, superada por 14 países . Se reduce medio punto el diferencial con la UE frente a los datos de julio. ✅En términos intermensuales, el porcentaje de variación es del 0,3%, por debajo de 17 países de la UE.

Imagem

9:48 AM · 16 de set de 2022

8

Responder

Copiar link

o Europeia atingiu um recorde de 10,1% em agosto, o mais alto desde o início dos registos na UE, embora com uma distribuição muito desigual entre países. Assim, os países bálticos ultrapassaram a barreira dos 20%, enquanto entre as grandes economias a Alemanha atingiu 8,8%, França 6,6%, Itália 9,1% e Espanha 10,5%.

Além disso, a receita do Banco Central Europeu (BCE) para arrefecer a economia e travar os aumentos de preços tem sido a fórmula tradicional de aumentar as taxas de juro. Após o aumento histórico de 0,75 pontos este setembro, foi acumulado um aumento de 1,25 pontos ao longo dos últimos meses.

Os preços elevados e a dificuldade em endividar-se ou em satisfazer dívidas já contraídas auguram a possibilidade de uma recessão, que atingiria ainda mais a classe trabalhadora, porque muito possivelmente levaria a um aumento do desemprego.

O gás no centro da espiral inflacionária

O preço do gás aumentou sete vezes nos últimos trimestres e está por detrás de muitas das razões da espiral inflacionária, uma vez que gera aumentos de preços em toda a economia, especialmente no preço da eletricidade.

As empresas industriais de energia intensiva estão a enfrentar dificuldades econômicas crescentes e os custos operacionais crescentes, por sua vez, aumentam o risco de encerramentos e demissões.

No entanto, n

Ursula von der Leyen

·

14 de set de 2022

@vonderleyen

·

Seguir

Em resposta a @vonderleyen

We will empower to make the most of its potential. Building on the success of the solidarity lanes to ensuring seamless access to the Single Market. Bringing Ukraine into our free roaming area. I am going to Kyiv today to discuss all this with President @ZelenskyyUa

Imagem

Ursula von der Leyen

@vonderleyen

·

Seguir

Millions of Europeans need support to pay their energy bills.   Some companies produce electricity at low cost and make great margins. We propose a cap on their revenues that will raise more than €140 billion.   And we will deeply reform our electricity market.

Imagem

4:27 AM · 14 de set de 2022

2,2 mil

Responder

Copiar link

em todas as empresas estão a passar pelas mesmas dificuldades. As grandes empresas, especialmente nos sectores energético e bancário, estão a obter lucros mais elevados e a aumentar os seus pagamentos aos seus acionistas.

Perda do poder de compra

Contra o aumento da inflação está o escasso crescimento dos salários, que subiram apenas 4,5% em toda a UE em 2022.

Assim, os salários reais, ou seja, o poder de compra, caíram na maioria dos países. Na Grécia a queda foi de 6,9%, em Espanha 4,5%, em Itália 3,1% e na Alemanha 2,6%.

Na maioria dos países do bloco UE, a conta média anual de eletricidade é superior a um mês de salário para um trabalhador com salário mínimo. Nos Países Baixos são 48 dias de trabalho apenas para pagar a eletricidade, na Espanha são 38 e na Alemanha 33, para dar apenas três exemplos dos 16 países onde o salário mínimo é de um mês ou mais.

Além disso, a subida das taxas de juro decretada pelo BCE significou que a Euribor, a taxa de referência para a maioria das hipotecas variáveis, já ultrapassou os 2%, o que irá asfixiar ainda mais muitas economias domésticas, que terão de suportar um aumento dos seus pagamentos, o que, por exemplo, no caso da Espanha, se traduzirá num aumento médio anual de 1.400 euros.

Neste cenário, a solução prevista por países como a Espanha é o que ficou conhecido

UGT

@UGT_Comunica

·

Seguir

Desde #UGT solicitamos al Gobierno la creación de un fondo de protección para que las familias puedan hacer frente al encarecimiento de su hipotecatras la subida de tipos de interés ¿Cómo es este fondo? ¿A quién beneficiaría? ¿De dónde saldría el dinero? Te lo contamos

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

5:00 AM · 16 de set de 2022

Leia a conversa completa no Twitter

108

Responder

Copiar link

como um “pacto de rendimentos”: um acordo entre trabalhadores e empregadores para suportar a investida dos custos inflacionários de uma forma equitativa. Por outras palavras, moderação salarial, mas também moderação dos lucros das empresas.

Os governos começam a se mover

Desde o final do ano passado, a maioria dos estados membros da UE implementaram várias medidas para aliviar as consequências da crise econômica. Estas incluem transferências diretas para as famílias mais vulneráveis, a redução do IVA nas contas de eletricidade e a subvenção de combustível para o transporte rodoviário.

No entanto, são necessárias medidas mais ambiciosas, tais como uma nova regulamentação do mercado europeu da energia para reduzir as contas a preços acessíveis, bem como a imposição de um novo imposto sobre os lucros extraordinários das empresas energéticas e de outros setores, a fim de evitar a especulação numa situação de crise como a atual.

De fato, estas serão as duas principais medidas a serem discutidas no próximo Conselho Europeu, no próximo mês. A Comissão Europeia já lançou propostas que espera venham a ter o apoio dos 27. A Presidente da Comissão Ursula von der Leyen, no discurso da semana passada sobre o estado da UE, estimou que os novos impostos poderiam angariar 140 mil milhões de euros.

Os sindicatos também estão em movimento

Em toda a União Europeia, os sindicatos estão em movimento há meses. Em julho, os sindicatos franceses apresentaram exigências conjuntas ao governo, dando prioridade à exigência de salários e pensões mais elevados. O país enfrenta também uma greve dos controladores de tráfego aéreo.

>>> Leia mais: Greve, Greve, Greve, por Chris Hedges

No Reino Unido, os trabalhadores portuários em Liverpool e Felixstowe convocaram greves para o final deste mês e início do próximo para protestar contra as suas condições de trabalho, com aumentos salariais no centro das suas reivindicações. O verão de descontentamento, como foi descrito no Reino Unido, viu o país enfrentar a sua maior onda de greves em 30 anos.

Na Alemanha, Suécia e República Checa, também têm sido anunciados protestos todas as semanas. Este mês, em Praga, a confederação sindical ČMKOS convocou uma manifestação a nível nacional em protesto contra a queda dos salários. Na Bélgica, os sindicatos também estão a ameaçar com uma greve geral.

Na Espanha está excluída por enquanto uma greve geral, mas as organizações de trabalhadores anunciaram manifestações em todo o país. No verão, foram convocadas greves em alguns sectores, mas estas foram canceladas depois de o governo ter tomado medidas.

Acima de tudo, os sindicatos querem que a UE se afaste das soluções que foram adotadas após o surto da crise em 2008, quando as receitas comuns incluíam congelamento salarial, despedimento de funcionários públicos, aumento das taxas de juro e o que ficou conhecido como a agenda da austeridade. O conjunto destas medidas agravou a crise para os cidadãos e atrasou o regresso ao crescimento e à criação de emprego.

Fonte: https://www.brasil247.com/mundo/sindicatos-na-europa-preparam-se-para-outono-de-mobilizacoes-por-aumento-salarial-diante-da-crise

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + dezessete =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.