Equador declara estado de emergência prisional após ‘pior banho de sangue’ que matou 118 pessoas
1 de outubro de 2021
Enquanto Brasil privatiza, governo mexicano fortalece setor público para diminuir preço da energia
1 de outubro de 2021

Teerã ameaça expandir ataques contra terroristas no norte do Iraque, exige fechamento de base dos EUA



A Guarda Revolucionária do Irã lançou vários ataques de mísseis, artilharia e drones no Curdistão iraquiano nos últimos dez dias, após alertar que Teerã não toleraria um aumento de jihadistas e outras milícias na área. Formalmente, o Irã e o Iraque continuam aliados na guerra contra o Daesh (ISIS). *

O Irã continuará e talvez até mesmo expanda seus ataques com mísseis contra grupos terroristas no vizinho Iraque, anunciou o comandante do Estado-Maior das Forças Armadas, general Mohammad Bagheri.



This handout photo provided by Iran's Revolutionary Guard Corps (IRGC) official website via SEPAH News on January 15, 2021, shows a launch of missiles during a military drill in an unknown location in central Iran - Sputnik International, 1920, 19.09.2021

“Continuaremos nossas operações contra os grupos anti-revolucionários e não toleraremos qualquer travessura em [nossas] fronteiras”, disse Bagheri, falando a repórteres no domingo, e referindo-se às forças que buscam a derrubada do governo iraniano. Enfatizando que era “o direito legal e lógico do Irã de desfrutar de fronteiras seguras e calmas”, o comandante exortou “as autoridades desta região e o governo iraquiano” a “agir” contra esses elementos. Bagheri reservou críticas especiais às autoridades do Curdistão iraquiano, instando este último a não permitir que “mercenários” dos EUA e de Israel estabelecessem campos de treinamento, estações de televisão e rádio e outras instalações ao longo das fronteiras do Irã, ameaçando “aniquilar” tais campos e exigindo que o Os EUA fecham suas instalações militares perto do aeroporto de Erbil. A base de Erbil já sofreu repetidos ataques de milícias xiitas aliadas ao governo de Bagdá nos últimos meses. O comandante sugeriu que as fraquezas do governo de Bagdá permitiram que os Estados Unidos, Israel e alguns estados do Golfo Pérsico estimulassem os terroristas a expandir suas operações na região. “Se a presença dos grupos terroristas e seus atos perversos continuarem, vamos aniquilá-los repetindo e expandindo nossas operações, até que saiam completamente [da área]”, alertou Bagheri em seus comentários no domingo. Os comentários do comandante vêm na sequência de vários ataques de mísseis da Guarda Revolucionária contra forças terroristas no norte do Iraque nos últimos dez dias. Os últimos ataques – direcionados a um centro de treinamento “pertencente a terroristas apoiados por estrangeiros” ocorreram na quinta-feira e viram o emprego de sete mísseis balísticos de curto alcance, com dezenas de comandantes terroristas mortos e feridos, segundo os militares iranianos. Antes disso, a Guarda Revolucionária lançou ataques de artilharia e drones a um reduto terrorista no Curdistão.

Os ataques seguiram avisos do Irã de que terroristas no Curdistão estavam tentando se infiltrar nas províncias do oeste do Irã e matando civis. Antes de realizar os ataques deste mês, o Irã alertou os residentes no norte do Iraque para ficarem longe de áreas nas quais terroristas operam.

Durante uma recente visita à fronteira Irã-Iraque, o comandante da Força Terrestre da Guarda Revolucionária, Brig. O general Mohammad Pakpour enfatizou que Teerã “não pode tolerar a continuação da [insegurança na fronteira] e dará a resposta necessária aos terroristas”. Além de suas operações contra o Daesh (ISIS) * e a Al-Qaeda * no Iraque e na Síria, o Irã não hesitou em atacar outros grupos que considera terroristas, incluindo o chamado ‘Partido da Vida Livre do Curdistão’ (PJAK) – um iraquiano Grupo militante curdo que realizou vários ataques na província do Curdistão iraniano e em outras áreas onde vivem curdos. Embora os EUA classifiquem formalmente a PJAK como organização terrorista, as autoridades iranianas afirmam repetidamente que o grupo é apoiado por Washington e seus aliados. As alegações são parte de afirmações mais amplas do Irã sobre o suposto apoio dos EUA ao terrorismo. Em 2018, o comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária, Qasem Soleimani, acusou os Estados Unidos de cooperar com o Daesh e instou os diplomatas iranianos a “dar um tapa na cara do Ocidente” com provas documentadas da cumplicidade dos Estados Unidos neste assunto. Soleimani foi morto em um ataque de drones dos EUA em Bagdá em janeiro de 2020. O assassinato levou Teerã a lançar mais de uma dúzia de mísseis balísticos contra bases americanas no Iraque, colocando os EUA e o Irã à beira da guerra. Em julho de 2021, autoridades iraquianas e americanas chegaram a um acordo sobre a retirada de todas as tropas de combate americanas do país do Oriente Médio até o final do ano. O acordo surge depois de mais de um ano e meio de negociações e em meio a ataques regulares da milícia às forças e ativos dos EUA no país dilacerado pela guerra. O parlamento do Iraque exigiu a retirada de todas as forças dos EUA em seu país após a morte de Soleimani. * Grupos terroristas banidos na Rússia e em muitos outros países.

https://sputniknews.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.