Estadão: Bolsonaro recorre à selvageria porque não tem resposta para seus crimes
25 de agosto de 2020
Itália diz que China é parceira estratégica, apesar de pressão dos EUA
25 de agosto de 2020

Tensões entre Grécia e Turquia no Mediterrâneo

A fileira de gás turco-grega ferve à medida que cada plano rival se exercita no Mediterrâneo.

Antigos inimigos Turquia e Grécia alertaram os navios para ficarem fora das partes disputadas do Mediterrâneo oriental, onde ambos programavam exercícios militares rivais para terça-feira, 25 de agosto. A Alemanha interveio para neutralizar a disputa por gás e petróleo entre os dois aliados da OTAN, antes explode em guerra aberta, relembrando o conflito que eclodiu em 1974 quando a Turquia invadiu Chipre.

Em 13 de agosto, o presidente Recep Erdoğan alertou sobre um alto preço para quem ataca o navio de perfuração turco Oruç Reis, que explora petróleo e gás em águas reivindicadas tanto pela Turquia quanto pela Grécia. A pesquisa, com escolta naval, foi estendida até 27 de agosto, após uma colisão entre fragatas da marinha grega e turca. A Grécia, que afirma que a pesquisa é ilegal, respondeu anunciando exercícios navais na área. Atenas também disse que os Emirados Árabes Unidos enviariam caças F-16 para Creta nesta semana para “treinamento conjunto”.

O acordo de normalização épico que os Emirados Árabes Unidos assinaram com Israel claramente tem várias camadas. As plataformas de petróleo e gás offshore de Israel são visíveis no horizonte do E. Mediterranean. Em janeiro, Israel, Grécia e Chipre assinaram um acordo de US $ 6,86 bilhões para construir um grande gasoduto submarino de 700 km dos campos de gás offshore de Leviathan e Chipre até o leste de Creta e depois para a Itália.

Este projeto e outros podem ser sobrepostos e prejudicados pelo impulso urgente da Turquia por uma participação na bonança energética do E. Mediterrâneo. Para defender suas reivindicações, o presidente Erdogan assinou no ano passado um acordo bilateral com o governo líbio de Trípoli, reconhecido pela ONU, para colocar partes do Mediterrâneo sob seu controle bilateral. Mais recentemente, a Grécia reagiu com um acordo semelhante com o Egito.

A Turquia alega que possui direitos de exploração dentro de uma área que denomina “plataforma continental”. Atenas responde que todas as suas ilhas habitadas são cercadas por uma zona econômica exclusiva de 200 milhas. Esta afirmação é respeitada pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, da qual a Turquia não é parte.

Embora a Grécia pertença à UE e à OTAN, Berlim parece mais simpática às reivindicações da Turquia, enquanto a UE não concordou com novas sanções além das anteriormente impostas para a perfuração ilegal de Chipre pela Turquia. A França prometeu apoiar o lado grego do argumento

O conflito também está intimamente ligado à guerra civil da Líbia. Lá, os Emirados Árabes Unidos apóiam a campanha de Haftar contra o governo de Trípoli, pelo qual a Turquia está lutando. E, neste contexto, o acordo de paz dos Emirados com Israel pode ser visto como um golpe não apenas para o Irã, mas também para as aspirações expansionistas da Turquia e apoio ao inimigo de Israel, os terroristas palestinos do Hamas.

https://www.debka.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 11 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.