China agrava situação com Taiwan e vendas de armas à ilha continuarão, afirma Pentágono
21 de julho de 2020
A guerra não declarada contra o Irã
21 de julho de 2020

Tensão aumenta entre Egito e Etópia

Egito e Etiópia à beira da guerra

Por Lucas Leiroz de Almeida

Não existe uma única verdade: O Rio NiloA tensão entre o Egito e a Etiópia está piorando. Ambos os países estão aumentando sua rivalidade regional e ameaçando a segurança internacional do norte da África com a iminência de um novo conflito. A causa da tensão se deve às intenções da Etiópia de construir uma grande barragem hidrelétrica em um dos afluentes do rio Nilo, o chamado “Nilo Azul”. O grande problema em torno da questão é que vários estudos provam que o projeto resultaria em uma série de efeitos ambientais devastadores para algumas regiões próximas, principalmente no Egito e no Sudão, onde essas consequências aniquilariam todos os sistemas agrícolas tradicionais.

As autoridades egípcias estão tentando impedir que o projeto avance por meios legais e pacíficos. Primeiro, foram estabelecidas negociações trilaterais entre Egito, Sudão e Etiópia, com o objetivo de chegar a um acordo de interesse comum. Mas as negociações foram malsucedidas e as autoridades do Cairo e Adis Abeba, os principais antagonistas do conflito, não conseguiram chegar a um acordo. O próximo passo dado pelo governo egípcio foi apelar às Nações Unidas com sua exigência de que a Etiópia fosse coercivamente impedida de construir a fábrica.

Apesar dos esforços do Egito, a inércia das Nações Unidas impediu a conclusão de um acordo internacional sobre o assunto. Na terça-feira passada, Egito, Sudão e Etiópia se reuniram novamente para tentar resolver o problema com um acordo comum. Mais uma vez, a tentativa falhou e os países deixaram a reunião com ainda mais discordâncias. Como resultado, a Etiópia prosseguiu com o projeto e já começou a encher o reservatório da barragem. Quando esse processo terminar, a agricultura tradicional no Egito e no Sudão será exterminada.

De fato, o projeto etíope já percorreu um longo caminho. Desde 2011, o país tenta construir uma barragem para resolver seu problema de eletricidade. Atualmente, menos de 45% da população etíope tem acesso à eletricidade. O projeto, no entanto, não apenas resolveria a questão energética no país, abastecendo inteiramente a população, mas também permitiria ao Estado etíope exportar excedentes de energia para outros países africanos, garantindo lucros aos cofres públicos. Todas as reivindicações internacionais da Etiópia, tanto regional quanto globalmente, dependem fundamentalmente do triunfo do projeto da barragem hidrelétrica, tornando-se uma questão de orgulho nacional. Em suma, o projeto é uma parte fundamental da consolidação da Etiópia como um estado nacional soberano no mundo contemporâneo.

No entanto, para os países vizinhos da Etiópia, a questão é bastante oposta. O que seria um orgulho para os etíopes seria uma verdadeira humilhação para egípcios e sudaneses. No Egito, cerca de 90% da população vive nas margens do Nilo, onde terras férteis alimentam toda a agricultura nacional tradicional, em uma estrutura milenar de organização e produção. O triunfo do projeto etíope representaria automaticamente a destruição do Estado egípcio, que teria de lidar com uma grande escalada de fome e perdas econômicas.

Há ainda outro risco que as autoridades egípcias devem considerar: o risco de liberação instantânea das águas. Se isso acontecer, as correntes de água poderão destruir mais de 70% de toda a população egípcia, resultando em um genocídio genuíno. Segundo avaliações de especialistas egípcios, o projeto apresenta uma série de inadequações técnicas, o que suscita preocupações sobre esse risco.

Contemplamos então a atual fraqueza do sistema africano para resolver conflitos regionais. Etiópia e Egito são membros da União Africana, que, sendo uma organização internacional comprometida com a integração africana, deve ser forte o suficiente para resolver essas questões regionais, criando uma alternativa entre os Estados Nacionais e o sistema global. É necessário evitar, tanto quanto possível, submeter essas questões estritamente regionais ao Conselho de Segurança, quando organizações menores puderem resolver essas situações, porque esse atraso pode ser fatal para milhões de pessoas. A falta de integração entre os países e um forte poder supranacional regional poderia levar a uma nova guerra ou ao fim do estado egípcio.

Agora, pode ser tarde demais para uma declaração da ONU ou da União Africana. A Etiópia já está enchendo o reservatório e com isso as atividades da barragem começam. O impacto no Egito e no Sudão será inevitável e as respostas virão em breve. O Sudão tem sido mais paciente e flexível que o Egito nas relações com a Etiópia, mas a posição do Cairo é diferente. Visivelmente, o Egito está atualmente tentando retomar uma postura de forte relevância geopolítica na África, como podemos ver com o importante papel do país na guerra civil da Líbia, com o objetivo de garantir seus interesses regionais e se consolidar como uma potência regional do norte da África. Certamente, portanto, a Etiópia terá que lidar com respostas agressivas.

Reações violentas já são inevitáveis, mas uma guerra não é. Mais do que nunca, as organizações internacionais devem trabalhar em conjunto com os estados afetados e a Etiópia para chegar a um acordo comum. Se tal acordo não for possível, um conflito gigantesco eclodirá na região e poderá até resultar em intervenções militares estrangeiras.

*

Lucas Leiroz is a research fellow in international law at the Federal University of Rio de Janeiro.

Featured image is from InfoBrics

The original source of this article is Global Research

InfoBrics.

Fonte:  https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + 19 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.