Brasil em chamas
20 de setembro de 2020
Eleições 2020: Mulheres são destaque nos partidos de esquerda
21 de setembro de 2020

Tensão no Norte da Síria entre EUA e Rússia

Reforços dos EUA recuam contra ataque russo ao nordeste da Síria

Os EUA estão reforçando seu contingente de 500 soldados no norte da Síria com seis veículos de combate Bradley, 100 soldados, jatos de combate, helicópteros de patrulha Apache e radares Sentinel para rastrear helicópteros russos, após vários confrontos com forças russas. Em um incidente, um veículo blindado russo colidiu com uma patrulha terrestre dos EUA e feriu 7 soldados americanos.

Por um tempo, as forças dos EUA e da Rússia estacionadas nessa pequena área de foco contra as fronteiras da Turquia e do Iraque conseguiram se manter afastadas umas das outras. Nas últimas semanas, as tensões aumentaram quando os russos começaram a pressionar mais agressivamente para expandir seu território nessas regiões, que são amplamente controladas pelas Forças Democráticas Sírias lideradas pelos curdos e apoiadas pelos Estados Unidos. Oficiais russos foram relatados oferecendo “proteção” aos aldeões curdos locais na “zona de segurança” que hospeda as forças dos EUA. A maioria foi rejeitada. Na semana passada, fontes da oposição síria relataram a chegada de armamento russo adicional e equipamento logístico ao aeroporto de Qamishli, no norte.

O petróleo é um fator nas complexidades dessa grande disputa pelo poder. No mês passado, uma empresa americana, a Delta Crescent Energy, de Delaware, chegou a um acordo com as autoridades lideradas pelos curdos para desenvolver e exportar petróleo bruto em áreas sob seu controle. Esse acordo deixou Moscou e o regime de Assad em pé de guerra. Os Estados Unidos também estão formando uma força SDF para proteger os campos de petróleo nas províncias de Hasakah e Deir Ezzor, que são controladas pelos curdos.

Embora o presidente Donald Trump prefira retirar as forças dos EUA da Síria, ele afirmou recentemente que as tropas americanas “estão fora da Síria”, exceto para proteger os campos de petróleo da região.

O capitão da Marinha dos EUA, Bill Urban, disse na sexta-feira que a mudança iria “garantir a segurança e a proteção das forças da coalizão”. Junto com os veículos de combate, que foram enviados do Kuwait, ele disse que os EUA também implantariam um “radar Sentinel” e aumentariam “a frequência das patrulhas de caça dos EUA sobre as forças americanas”. Autoridades sem nome disseram que as tropas e veículos foram enviados para impedir as forças russas de entrar na área de segurança onde operam a coalizão dos EUA e as forças curdas.

O pequeno contingente dos EUA no norte da Síria precisava ser reforçado como uma engrenagem importante no desdobramento estratégico da América na região. Se os russos se mudassem para esta região curda, a guarnição americana Al-Tanf na intersecção das fronteiras Síria-Iraque-Jordânia seria difícil de defender, assim como a grande base aérea americana de Al Assad no Iraque. Além disso, não haveria barreira para o influxo de milícias xiitas apoiadas pelo Irã através da fronteira do Iraque para a Síria.

https://www.debka.com

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 6 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.