UE dividida de norte a sul por sanções contra Bielo-Rússia
22 de setembro de 2020
A agressividade nuclear dos EUA à Coréia do Norte
22 de setembro de 2020

EUA seguem com provocativas manobras nas fronteiras da Rússia

Provocantes manobras aéreas e marítimas dos EUA nas fronteiras da Rússia: mudança de reconhecimento para ataques simulados de mísseis de cruzeiro

Por Dr. Gilbert Doctorow

Gilbert Doctorow 22 de setembro de 2020

No fim de semana passado, a televisão estatal russa em dois grandes canais dedicou segmentos de notícias substanciais de sua semana em programas de crítica ao jogo do frango que os EUA estão praticando no ar e nos mares das fronteiras da Rússia: no Mar Negro, o Mar Báltico, os mares de Barents e Okhotsk no Extremo Oriente. Do norte, do sul, do leste e do oeste, os aviões de guerra dos EUA estão sendo dirigidos simultaneamente contra as defesas russas para testar sua eficácia e marcar pontos políticos.

Nas palavras do ministro da Defesa russo, Shoigu, citado em um desses canais, Vesti, além da coleta de inteligência, uma intenção clara dessas manobras é demonstrar o poder bruto dos EUA, para impressionar os russos que existe um chefe no mundo que dá todas as cartas, para reforçar a noção de um mundo unipolar. Segundo Shoigu, Washington não gosta em nada do surgimento do equilíbrio estratégico bipolar perseguido pela Rússia graças a seus novos sistemas de armas estratégicas e está respondendo com essas provocações que, conforme explicado pelo chefe de operações do alto comando russo, Sergei Rudskoi, na sexta-feira, também mostrado no programa, mudaram de aeronaves e navios puramente de reconhecimento para aeronaves e cortadores prontos para a batalha. B-52s e navios equipados com munições de precisão e mísseis de cruzeiro ativam seus mísseis ao se aproximarem das fronteiras russas a cerca de 15 km para simular ataques ao Distrito Militar do Sul e às instalações russas na Crimeia.

O ministro da Defesa russo enfatiza que os voos de bombardeiros até as fronteiras russas podem ser liderados por americanos, mas no caminho incluem caças da Suécia, Alemanha, Ucrânia e até mesmo da Itália. O objetivo desse envolvimento dos aliados é impressionar o Velho Continente com as capacidades americanas e persuadir os países da OTAN a hospedar foguetes americanos. E para aqueles na Europa que podem expressar preocupação com o ataque russo caso concordem em servir como lançadores para os americanos, Washington responde que tem o monopólio da inteligência militar acionável.

Os programas da televisão russa deram uma versão diferente da eficácia relativa do reconhecimento lá e no Ocidente, enfatizando que Moscou está rastreando todos os B52s do braço aéreo da Dakota do Norte da América que agora estão baseados no Reino Unido desde o momento em que voam, seguindo-os pela Europa, onde são acompanhados por vários caças europeus e fazem isso sem que os americanos percebam que estão na mira em qualquer ponto até que os caças russos lutem para interceptá-los em sua aproximação às fronteiras russas.

O apresentador do programa News of the Week no canal Vesti, Dmitry Kiselyov, alertou que os russos estão considerando usar seus dispositivos eletrônicos de guerra para cegar as aeronaves inimigas que se aproximam. Por enquanto, eles apenas voam para interceptá-los em alta velocidade, aproximam-se e tendem a enervar os pilotos da OTAN, levando a protestos de Bruxelas. Se a guerra eletrônica for invocada, as coisas podem ficar bem difíceis.

De acordo com as estatísticas divulgadas pelo general Rudskoi na sexta-feira e mostradas nos resumos das notícias de domingo, os EUA agora estão realizando cerca de 33 a 40 voos aproximados para as fronteiras russas por semana que são recebidos por combatentes russos e enviados em seu caminho. Em 4 de setembro, havia 5 aeronaves de reconhecimento se aproximando da Crimeia ao mesmo tempo. Os principais incidentes de ataques simulados ocorreram em 28 de agosto e 14 de setembro.

A estação de televisão das Forças Armadas russas, Zvezda (‘the Star’), observou entretanto com satisfação que, embora nenhum dos países da OTAN reconheça a anexação russa da Crimeia, todos eles tiveram muito cuidado para se manter longe das fronteiras russas na península. Disse Shoigu, nunca permitimos que nenhum deles cruzasse a nossa fronteira e nunca permitiremos.

É lamentável que nenhuma dessas atividades, nenhuma dessas possibilidades de trágicos acidentes e recriminações entre as forças da OTAN lideradas pelos EUA e a Rússia estejam sendo relatadas na mídia ocidental. Se e quando houver algum conflito, algum avião abatido, será relatado como o estrondo de um trovão no céu azul.

Gilbert Doctorow

Fonte: https://undhorizontenews2.blogspot.com/

Jacinto Pereira
Jacinto Pereira
Jacinto Pereira de Souza, Radialista, Historiador e Policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × quatro =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.